sexta-feira, 4 de outubro de 2013

O MENINO DE CABUL



Autor: Khaled Hosseini

Título original: The Kite runner


Sinopse: No inverno de 1975, em Cabul, tudo o que Amir mais deseja no mundo é ganhar um concurso de papagaios para poder impressionar o seu pai, e Hassan, o seu amigo inseparável, está determinado a ajudá-lo. Mas, na tarde do concurso, um terrível acontecimento vai destruir os laços que unem os dois rapazes para sempre. E, mesmo quando a família de Amir é forçada a fugir do Afeganistão após a invasão soviética, Amir sabe que um dia terá de regressar à sua terra natal em busca de redenção.

Há uns anos vi a adaptação deste livro para o cinema e fiquei abismado. A força do argumento era impressionante e os sentimentos que o filme me transmitiu, marcaram-me para sempre. Quando comecei a ler este livro, tive o receito que já conhecendo o enredo, o livro não tivesse impacto, mas enganei-me. Tentando ser o mais direto possível, o filme há muito que faz parte da minha lista de filmes obrigatórios, e agora o livro também faz parte da minha lista de livros obrigatórios. É, indiscutivelmente, um dos melhores livros que li nos últimos tempos.

Este é um daqueles livros que "mexe" com o leitor. É daquelas obras que conseguem sair do papel e moldar o nosso estado de espírito durante uns minutos. Fiquei alegre, mas também fiquei angustiado, e tudo isso porque a amizade é um poderoso sentimento, tal como os remorsos. 

O que é a amizade? Será algo que criamos porque geneticamente estamos programados para o fazer? Será uma necessidade de procurar conforto ou segurança? Será apenas o resultado do mundo em que vivemos e onde tentamos divertir-nos tendo companhia? Este é um livro sobre o poder da amizade, do que sacrificamos por ela, do que estamos dispostos a dar de nós mesmos, por um amigo. É, também, um livro sobre duas realidades num mesmo espaço, pois estes dois amigos, Amir e Hassan, podem viver na mesma cidade, podem falar a mesma língua, podem ter os mesmos sonhos, mas a sociedade nunca os deixará serem iguais. E por isso, este é um livro que demonstra o contraste entre ricos e criados, entre aqueles a quem é incutido que são superiores, e os restantes. 

Mas este livro é ainda mais do que isto. É um livro de traição e do remorso que vem depois da cobardia e consequente vergonha de quem virou costas ao que mais precioso tinha nesta vida... este é um livro sobre aquela angustiante sensação que nos pede para voltarmos atrás no tempo e remediar o nosso erro, para alterar aquele momento, para ganhar coragem e demonstrar que agora vamos fazer o que é correto porque em todos estes anos, sofremos com o que fizemos, despreza-mo-nos pela decisão que num instante pode mudar a nossa vida.

É preciso dizer que o autor consegue demonstrar de forma clara a sociedade Afegã com uma escrita simples mas cheia de pensamentos que tornam esta leitura tão gratificante. É ainda um livro que deve ser livro devagar, tentando perceber tudo o que o escritor nos quer transmitir, tudo o que nos quer revelar sobre uma sociedade que muitas vezes é catalogada pelo resto do mundo. Com um ritmo moderado mas constante, o autor leva-nos por uma história poderosa e que tenta transmitir valores e até uma visão muito particular sobre a vida, mas, inevitavelmente, este é, como já disse, um livro sobre amizade e remorsos.

Falar mais sobre este livro poderá levar-me a revelar o mais pequeno detalhe, e acho que para uma leitura ainda mais marcante o leitor deve experimentar esta narrativa sem grandes conhecimentos. Uns irão gostar, outros não, mas duvido que alguém não fique marcado por esta história e principalmente por Hassan. Imaginar esta história e esta criança na vida real deixa-me de uma foram difícil de explicar.

Resumindo, este livro é ao mesmo tempo um olhar sobre uma dura realidade condicionada por política e religião, e ainda um murro no estômago a todos aqueles que cheguem à sua última palavra. Para mim foi uma leitura fantástica, forte, emotiva. Hassan é uma personagem fantástica e é o espelho de como alguns valores poderiam tornar este mundo melhor. Totalmente recomendado! 

Luís Pinto

Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui
Para mais informações sobre o livro O menino de Cabul, clique aqui.

7 comentários:

  1. Os meus parabéns, Luís, por esta impressionante e quase arrepiante análise. Acredito que convença muitas pessoas a ler este ler que é realmente fantástico. Para mim é uma leitura marcante e obrigatória e este texto está muito bem conseguido.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Olá Luís. Bem, depois de uma análise destas é difícil não ir comprar o livro. Vou fazê-lo quando tiver oportunidade.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Excelente crítica, sem dúvida. Muitos parabéns. Acho que convence qualquer um.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Olá Luís. Parabéns. Gosto quando puxas pela qualidade do livro e fazes uma crítica assim onde cada frase tem significado. Já li o livro e já o reli e adoro. É impossível ficar indiferente.

    ResponderEliminar
  5. Ois Luis,

    Bem grande comentário, deve vir para à minha estante :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Uma crítica forte a um excelente livro. Estás de parabéns, Luís. Uma bela recomendação de um dos livros que mais gostei de ler nos últimos anos como tu. Vale a pena ser lido.

    ResponderEliminar
  7. Olá a todos! Novamente, muito obrigado pelos vossos comentários! Gostava de ter tempo para vos responder mais cedo! A todos os que gostarem do livro, também aconselho o filme. Está muito bom e bastante fiel.

    Boas leituras a todos!

    ResponderEliminar