segunda-feira, 9 de julho de 2012

RAINHA DAS TREVAS

Autor: Anne Bishop


Título original: The Queen of Darkness


Rainha das Trevas é o 3º e último livro da saga Jóias Negras, e agora que este complexo mundo está compreendido, e as suas personagens conhecidas, a leitura torna-se cada vez mais rápida e viciante.

Com uma história bem conseguida desde o primeiro livro, e que se desenvolve de forma eficaz, este livro é o culminar da acção de algumas personagens na tentativa de proteger/controlar/destruir Jaenelle. A intriga é boa e nota-se que o livro está muito mais virado para a acção. Devido a esse facto o desenvolvimentos das personagens é muito menos significativo do que nos livros anteriores, o que pode deixar uma sensação de vazio (Surreal é a única personagem em que senti algum desenvolvimento). No entanto, estas personagens, desenvolvidas nos livros anteriores, continuam a ser o grande trunfo desta história, porque nos ligamos facilmente com as mesmas. Este talvez seja o grande talento de Bishop: dar-nos personagens com as quais os leitores se ligam.

A narrativa está rápida, sem "grandes floreados" e aos poucos torna-se o livro mais forte e negro da trilogia. Há poucos momentos monótonos, muito graças a diálogos e acção constantes que nos levam a continuar a ler. Infelizmente Bishop centra-se demasiado nos pensamentos e sentimentos dos "bons da fita", o que nos dá uma aproximação/conhecimento muito maior com as personagens boas e aumentando a linha que os separa dos maus. Claro que esta divisão pode ter sido uma estratégia da escritora, mas sinceramente gostava de ver as personagens "más" mais desenvolvidas e quem sabe uma linha mais fina que separasse os bons dos maus, levando a alguma incerteza entre eles.

Outro ponto muito positivo neste livro é a ligação entre humanos e parentes, em que a autora conseguiu criar uma ligação quase instantânea que me agradou bastante e que ajuda o livro a tornar-se mais leve em certos momentos. Interessante ainda o facto de Daemon (para mim a personagem mais bem criada) tornar-se na base de tudo. É ele a força que sustenta as acções das diferentes personagens e não Jaenelle, e sem ele tudo caía. Esta mudança é muito agradável.

Dentro da dark fantasy, esta saga é das melhores que já li e agora percebo plenamente a quantidade de fãs que esta autora tem. Ao início sentimos que andamos dispersos pela saga, sem perceber o mundo em que esta se insere (ainda neste livro é explicações para o funcionamento do mesmo), mas aos poucos tudo se torna intuitivo e a leitura é feita sem esforço, ficando apenas por explicar algumas "partes" do poder de Jaenelle. 

Dos 3 livros, este foi talvez o que menos me marcou, talvez por alguma previsibilidade no fim, ou talvez por continuar a sentir que nesta saga de dark fantasy faltou um vilão que me fizesse tremer. A falta deste vilão é para mim a maior falha da saga. No entanto, esta saga ganha o seu espaço por ser constante, com os três livros a terem uma qualidade semelhante e acima da média. Com facilidade em agarrar o leitor, um mundo complexo e personagens interessantes, esta saga é realmente boa e recomendo-a! Um grande feito da autora! 

16 comentários:

  1. Excelente opinião. Again! Também gostei muito das trilogia e do Lucivar.

    ResponderEliminar
  2. Quando falaste do primeiro livro da saga comprei e tive de os ler de seguida. Obrigada pela sugestão. Acabei os livros primeiro do que tu. Adorei o Lucivar, Daemon e Surreal. E também o Colmilho cinzento.
    Agora que falas, também sinto que a falta do vilão forte é a grande falha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Colmilho Cinzento é uma personagem interessante e alegre, o que ajuda. Também gostei bastante.

      Eliminar
  3. Estou a ver que tenho de meter esta saga na lista. Parece uma excelente escolha. Obrigado por não revelares nada. Li as tuas 3 opiniões e parece muito bom.

    ResponderEliminar
  4. Adorei a critica parabens!

    ResponderEliminar
  5. Parabéns pelo texto. Excelente como sempre. As novas capas para os livros também estão melhores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que falas das capas, porque também gosto mais destas mais recentes!

      Eliminar
  6. Agora tens de ler os outros. Gostava muito de ler a tua opinião. Nunca pares de escrever!

    A minha personagem preferida é o Saetan e também gostei muito da Tersa apesar de pouco explorada. Para mim esta trilogia é a melhor da autora e as tuas opiniões ainda me fizeram ver coisas que não tinha visto antes.

    ResponderEliminar
  7. Mais uma excelente opinião que convence. A legião de fãs desta autora é realmente grande.

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde
    Nunca li nada da Anne Bishop e confesso que até estava a fazer uma pequena confusão com outra autora, Anne Rice :) ups... não posso vir a este blog, tenho logo vontade de ler tudo! lolol Mas vou manter o plano e dedicar-me à leitura do Mago, nas minhas férias... é só trilogias!!

    Entretanto, tenho que deixar o meu testemunho sobre A Teoria Geral do Esquecimento, do José Eduardo Agualusa. Primeiro dizer que nunca tinha lido este autor :) e foi apenas por ter lido um excerto desta obra que me interessei. E é FANTÁSTICO! GENIAL! Combina escrita fluida, com enquadramento histórico, magia e poesia... Cruza os destinos de todos os personagens, fazendo-nos acreditar que as nossas vidas estão todas ligadas com outras, que nada acontece por acaso, cada acção promove uma diferença na vida de alguém, e que a capacidade de renascer está em todos nós.
    Deixo o excerto tal qual como o livro é apresentado; digam lá que não dá vontade de ler...

    Luanda, 1975, véspera da Independência.
    Uma mulher portuguesa, aterrorizada com a evolução dos acontecimentos, ergue uma parede separando o seu apartamento do restante edifício – do resto do mundo. Durante quase trinta anos sobreviverá a custo, como uma náufraga numa ilha deserta, vendo, em redor, Luanda crescer, exultar, sofrer.

    Agora já iniciei o Quando Lisboa Tremeu, do Domingos Amaral, a acção acontece em 1755, claro :)
    E na mesinha de cabeceira já está (finalmente) Os cús de judas, do António Lobo Antunes.

    Clubes de empréstimo de livros, alguém conhece?! :)

    Clara

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Clara!

      Da Anne Rice li a Entrevista e gostei bastante, tal como gostei do filme. E ainda bem que vem ai o Mago para as férias!

      Em relação ao A Teoria Geral do Esquecimento, agora é que fiquei mesmo com vontade. Já está na lista. As finanças é que não estão muito boas. Gostei bastante do excerto!
      Quando Lisboa tremeu também está na lista mas lá mais para o fundo. Ainda vai demorar.

      Clubes de empréstimos de livros não conheço, mas já ouvi falar de alguns sites desse género.

      Eliminar
  9. Parabéns pela opinião. Como sempre, grande qualidade. Devias ser escritor.

    E agora o que vem a seguir? Mais Bishop?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por agora não vou ler mais Bishop. Tenho outras sagas para ler. Mas um dia voltarei.

      Eliminar
  10. Pois mais Dark que pareça, na realidade é muito cor de rosa. No fim, todos viveram felizes para sempre....

    ResponderEliminar
  11. Anita dos Santosjulho 07, 2015

    Olá Luís!
    Apreciação fantástica da trilogia, em cuja autora sou vidrada, como em muitos outros, mas estou de acordo com a Marta quando ela diz ser esta a melhor saga da autora. Isso não impede que se entenda melhor a visão que teve ao ler-se em especial Teias de Sonhos e Despertar do Crepúsculo, pois estes vão de certo modo complementar a historia inicial.
    Nada disto é impedimento para gostar de qualquer um escrito por Anne Bishop.
    Já que se falou em Anne Rice, aconselho Azrael O Anjo da Vingança, foi de longe o livro da autora que mais me marcou!

    Anita dos Samtos

    ResponderEliminar