quarta-feira, 7 de novembro de 2012

ANNA KARENINA


Autor:  Léon Tolstói

Título original: Anna Karenina


Ana Karenina é uma obra-prima e mais não precisaria ser dito. Por outro lado, fazer uma crítica completa sobre este livro, daria um texto enorme, tal é a variedade de temas que Tolstói "toca" nesta sua obra. 

Tentando dar uma opinião pequena, começo por dizer que a leitura não será fácil, mas valeu a pena. As páginas são mais que muitas, e o ritmo é lento, mas toda a experiência de leitura se torna melhor quando percebemos um simples facto: Ana Karenina não é uma história de amor, é um retrato fantástico e exaustivo da sociedade russa do séc. XIX, devendo ser encarado como tal.

 Apesar de não estarmos limitados ao olhar de Ana, pois seguiremos também a ação de outras personagens, o romance de Ana Karenina é o catalisador de toda a história, e é "a partir daqui" que o autor desenvolve os temas mais importantes: cinismo, fidelidade e inveja estão presentes nas personagens, na forma como vivem e sobrevivem numa sociedade que Tolstói critica com fervor ao mostrar também um ambiente que explora as diferenças dentro de um país que poderia, e deveria, ser muito mais do que é.

Tolstói, tal como em outras obras suas, aproveita para criticar a sociedade russa, colocando, indiretamente, as suas opiniões religiosas e tendências políticas em algumas personagens. Para além disso, também se nota alguma desilusão em relação às sociedades dos países mais ocidentais, e supostamente, mais desenvolvidos, justos e equilibrados... mas tal não existe. É notório que o equilíbrio nunca existirá.

Para além da história base, Tolstói insere vários acontecimentos e temas importantes do seu país naquela época. Os direitos das mulheres ou a preponderância que o povo tem na sociedade, sustentando-a com salários miseráveis, são temas explorados e que ajudam todo o livro a ganhar uma dimensão que poucas obras alcançam.
Mas é o adultério o grande tema deste livro, com todas as suas condicionantes religiosas, sociais e políticas... e é aqui que esta obra é superior às outras. Agarrando num tema muito usado, o autor mostra-nos toda uma sociedade e descreve-a de forma sublime. Devemos nós moldar a nossa vida consoante o que outros pensam? A verdade é que estas correntes que nos agarram, sempre prenderam a sociedade, e quanto mais alto o "posto" de uma pessoa, mais limitado está para seguir a sua felicidade. A nossa condição social prende-nos, limitando a nossa felicidade, e Ana Karenina é o espelho dessa infelicidade. Mas porque teremos nós de viver consoante a opinião daqueles que serão os primeiros a apontar-nos o dedo perante a nossa falha?

As personagens são bem construídas, como era de esperar, e cheias de certezas ou incertezas. Algumas apresentam toques geniais e uma profundidade marcante, mas para mim, nenhuma conseguiu alcançar a qualidade de Levin, personagem que apresenta uma fascinante relação com a morte.

Com um final que adorei, Ana Karenina é um jogo moral, entre felicidade e apatia, entre o socialmente correto e a concretização pessoal. Tolstói é um forte acusador sobre muitos temas, principalmente sobre a condição humana e as decisões que nos tornam presos a algo que no fim não terá valor, levando o leitor a questionar as ações das suas personagens, mostrando a batalha no interior de cada uma. No entanto é interessante reparar que Tolstói não dá um moral definitivo a cada tema, e por isso digo que este livro não basta ser lido, tem de ser pensado e compreendido à nossa maneira.

No geral, Ana Karenina não é um livro fácil de ler. Realista como poucos, apresenta um ritmo lento, que nos faz pensar e sentir, enquanto nos mostra os detalhes que tornam esta obra imortal. Não foi dos livros que mais prazer me deu, nem dos que mais me viciou, mas a sua qualidade é inegável, e como tal, recomendo-o sem hesitações a todos os que gostem de ler. 

É, sem qualquer dúvida, uma obra imortal... uma obra-prima.

12 comentários:

  1. adquiri-o recentemente e estou louca por lê-lo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Célia.

      Demora tempo, mas vale a pena. Depois quero saber essa opinião!

      Eliminar
  2. Anna Karénina só poderia ter aquele fim!
    É sem dúvida um livro enorme e de leitura morosa, mas Tolstói acabou por imortalizá-la quando a escreveu. Na minha opinião, o autor só cansa o leitor ao debruçar-se excessivamente na vertente campo versus cidade. O humanismo dos personagens é o seu ponto alto, sendo Levine o meu personagem preferido.
    Agora aguardo pela nova versão cinematográfica que está quase a chegar. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá tonsdezul.

      Também gostei muito do Levine. Um personagem diferente, mas mesmo muito bom, com pensamentos fortes.
      Também quero ver se o filme é bom. Não será fácil adaptar tantas páginas.

      Eliminar
    2. Olá Luís,
      Uma das versões que já tive oportunidade de ver, com a Sophie Marceau no papel de Anna Karénina, é um pouco fraca. Não gostei propriamente e por isso é que ainda tenho mais curiosidade em relação a esta nova adaptação.
      Na minha perspectiva, a versão que vi, falha por essa mesma razão, por não conseguir colocar tudo o que é importante na história e depois acabar por centrar-se só na história entre a Anna e o Conde Vronski. E quem não leu o livro acaba por achar que esta obra de Tolstói é só mais um romance de amor trágico...

      Eliminar
  3. Uma crítica muito completa da tua parte. Eu não apreciei muito o final mas admito que seja o melhor e o que dá mais qualidade ao livro. Agora também quero muito ver o filme. Parabéns pelo texto. Está mesmo muito bom:)

    ResponderEliminar
  4. Sempre fugi a este livro por ser muito grande e a literatura russa por vezes não é fácil mas agora vou dar-lhe uma oportunidade!

    ResponderEliminar
  5. Eu tb ando a fugir um pouco deste livro mas adorei a tua opinião. Vai ficar na lista e agora não sei se vejo o filme primeiro ou o livro.

    ResponderEliminar
  6. A facilidade com que analisas e escreves sobre qualquer coisa é algo que deves sempre preservar.

    Este livro é fantástico, já o li duas vezes. Concordo contigo em toda a análise e também o considero dificil de ler. Não tenho grande esperança no filme porque será muito complicado adaptar tamanho livro. Ficará muito por adaptar.

    Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Cardoso. Também acho que ficará muito por adaptar, mas pode ser que o melhor esteja presente.

      Eliminar
  7. Já está na lista!

    ResponderEliminar
  8. Uma vez mais, obrigado a todos pelos vossos comentários!

    ResponderEliminar