terça-feira, 20 de novembro de 2012

OS FILHOS DE KRONDOR - O Corsário do Rei


Autor: Raymond E. Feist

Título original: The King's Buccanneer



Após quatro livros da saga O Mago, no qual Feist elevou, e muito, a qualidade da literatura fantástica, o quinto livro (e primeiro desta saga) virou-se para os jogos políticos e intriga de bastidores sempre presente na realeza e nas relações entre nações vizinhas. Este livro, 6º do mundo de Midkemia e 2º da saga Filhos de Krondor, deixou um pouco para trás esta tendência e regressa à fantasia/magia que vimos nos primeiros livros.

Na minha opinião, e olhando para a qualidade do livro como um todo, este livro ainda não está ao nível dos primeiros quatro, mas consegue estar acima do anterior, e porquê? Essencialmente porque consegue ser melhor em tudo o que é essencial a este género literário.

Em primeiro lugar temos as personagens, melhor construídas, com uma relação entre principais e secundárias que tornam o livro fácil e divertido de ser ler. Nicholas, personagem principal (terceiro filho de Arutha), conseguiu convencer-me muito mais do que Borric e Erland no anterior livro, principalmente por se mostrar mais humano, com altos e baixos, coragem e medo, sabedoria e ignorância.
O regresso de Pug é muito bem-vindo e o autor consegue manipular bastante bem as suas ações, por forma a limitar a influência no enredo de um personagem tão poderoso e que faria a história acabar muito mais depressa. Mas é Nakor o grande trunfo deste livro. Ganhando importância, responde a algumas questões que deixara no livro anterior e levanta muitas mais, tornando-se num dos catalisadores do desvendar da trama.

O livro começa com um bom ritmo, abrandando a meio, onde começamos a ver as movimentações de algumas peças, para voltar a acelerar no fim. Feist continua com o seu sentido de humor e diálogos convincentes, e não deixando o leitor perceber tudo o que se passa. Todavia, é notório desde o início, que este livro tem uma maior ligação com a saga O Mago do que tinha o livro anterior (O Príncipe Herdeiro), com o autor a criar mais civilizações, expandindo o seu universo cada vez mais, com coerência e sempre com detalhes que as distinguem entre si.

No entanto, este livro também fica marcado pelo revelar de algumas "leis" da magia presente neste mundo. É verdade que fica muito por explicar, mas temos uma noção suficiente para vermos onde este universo nos pode levar e quais as limitações da fantasia criada por Feist.

Num livro com um bom final e uma trama central bem conseguida, Feist mostra-se mais cruel em relação ao destino das suas personagens (apesar de algumas ainda mostrarem a proteção do autor à sua volta) e também em relação à crueldade presente no mundo. Considerado o grande escritor da fantasia depois de Tolkien, e um dos que mais influenciou o género, Feist consegue mais um grande livro, mesmo não estando ao nível da primeira saga. É divertido, é fantástico e é certamente a rampa de lançamento para a próxima saga (pelo menos é o que o nome SerpentWar indica). Ao fim de seis livros, Feist confirma, cada vez mais, que o seu universo tem de ser lido.

17 comentários:

  1. Tenho de comprar esta saga toda. Cada vez que leio sobre o Mago fico com vontade e com as tuas opiniões ainda é pior.

    Abraço,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E deverias mesmo comprar a saga do Mago! Vale a pena.

      Eliminar
  2. Li os primeiros 4 por recomendação tua. Qualquer dia leio estes mas agora tenho andando por outras sagas. Continua e sempre sem revelar nada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Pipas. Ainda bem que já leste os primeiros 4. São muito bons.

      Eliminar
  3. Excelente critica de um excelente livro!

    Só não sei como descreveste a história de uma forma tão atraente sem nunca mencionares o Calis=) ahah!

    Este livro é a introdução de Serpent War Saga (4 livros). Para quem não leu, prepare-se para uma nova aventura neste mundo alargado de Feist.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá José!

      Realmente fiz o esforço de não mencionar o Calis, que adorei (só é pena o pai não aparecer). Agora estou ansioso para ler a saga SerpentWar e descobrir mais sobre algumas personagens, principalmente Calis e Nakor.

      Eliminar
  4. Mais um excelente texto. Parabéns e o REF merece! É um grande escritor.

    ResponderEliminar
  5. Continuas grande fã de Ray Feist e continuas a convencer-me. E quem é esse Calis?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Calis é o filho do Thomas=P

      1/3 Valheru
      1/3 Elfo
      1/3 Humano

      Eliminar
  6. Ois,

    Só me falta ler este volume, que ando a ver se consigo comprar a bom preço. Quanto ao personagem Galis fiquei bastante curioso, espero que continuem a publicar mais livros desta saga.

    Lembro-me que quando li os dois primeiros volumes de o Mago fiquei um pouco espantado a darem tanto mérito a este escritor, mas quanto mais avançamos mais vamos percebendo o porque sem duvida.

    Já agora e para o José Lourenço já leste os livros da saga Serpent War ? estão ao nível ?

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas Paulo,

      Sim já li Serpent War Saga, gostei muito, é a única que nos remonta à Riftwar e é também a conclusão desta, que deixou muito aspetos em aberto.

      Introduz novas personagens mais mundanas ao estilo do Jimmy e Nakor, e podemos assistir ao seu crescimento ao longo dos 4 livros.

      Também se podem ir preparando para largar umas lagriminhas=)

      Quem gostou de Riftwar vai certamente gostar desta nova Saga.

      Abraço

      Eliminar
    2. Agora é esperar para que seja publicada o mais rápido possível.

      Eliminar
  7. Março de 2013 - Mago: A Filha do Império - Raymond E. Feist

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim a melhor Saga do mundo de Feist!

      Eliminar
    2. Uma excelente notícia!!!

      Eliminar
  8. Quero mais livros de feist publicados em portugues!!!

    ResponderEliminar