segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O OLHAR DA MENTE


Autor: Hakan Nesser

Título original: Det grovmaskiga nätet




Sinopse: Uma manhã, o conceituado professor Janek Mitter acorda completamente desorientado no seu apartamento. Com a cabeça a latejar, sem se lembrar de nada da noite anterior, vagueia pela casa até encontrar a mulher, Eva Ringmar, morta na banheira. Apesar de Mitter ter chamado logo a polícia, é considerado o principal suspeito do crime.
Quando o experiente inspetor Van Veeteren é chamado para investigar o caso, duvida imediatamente da simplicidade do mesmo, mas Mitter acaba por ser julgado pelo homicídio da sua companheira e é condenado a cumprir pena num hospital psiquiátrico.
Quando, pouco tempo depois, o professor aparece assassinado no hospício, Van Veeteren reabre o caso e avança com uma investigação às duas mortes. Partindo de uma carta enviada por Mitter pouco tempo antes da sua morte, o inspetor entra numa aterradora viagem a um passado terrivelmente sombrio.
 

Este é um livro que tenta agarrar o leitor desde o início ao dar a sensação de que estamos perante algo mal contado e que existe injustiça no que está a acontecer. Com isto como base, o livro começa a desenvolver as suas personagens com inteligência e uma boa camada de mistério. O enredo está bem montado na generalidade apesar existirem alguns momentos forçados em que o autor tenta manter o suspense sobre algo que o leitor já poderá ter adivinhado. 

A escrita, simples e objetiva, ajuda a que o ritmo seja sempre elevado, apesar de por vezes falhar ao não conseguir mascarar alguns detalhes que mais tarde serão importantes mas que o leitor não deveria já identificar como fulcrais. 

Com um ritmo em crescendo e sempre uma sensação de injustiça, o livro apresenta bons momentos, principalmente porque o autor consegue de forma simples criar um ambiente capaz de nos envolver. No entanto, existem alguns aspetos e temas que gostava de ter visto o autor a explorar melhor, mesmo que sendo obrigado a diminuir o ritmo. É verdade que o personagem principal está bem criado, com bastante destaque e profundo o suficiente para percebermos o que o move e os seus traumas, mesmo percebendo-se que muito fica por explicar em relação ao personagem. 

O enredo é inteligente mas nunca consegue ser fantástico, faltando talvez aquele momento que nos deixa de boca aberta de surpresa. O facto de ser um livro rápido e bastante focado no tema principal, leva a que alguns momentos sejam mais óbvios ou mais forçados. Todavia, e apesar de não ser um livro que me tenha surpreendido, o suspense está mesmo muito bem conseguido e cria uma boa personagem principal para próximos livros. Quando acabei o livro ficou a sensação que poderia ser melhor, principalmente porque a personagem principal está muito bem criada, sendo uma lufada de ar fresco no género. Não é uma obra prima mas tem bons momentos. Se gostam de policiais, este pode ser uma boa escolha, principalmente pelo ambiente que consegue criar.

Luís Pinto

O novo romance de Ken Follett chega amanhã às lojas



É amanhã que chega às lojas o novo romance de Ken Follett que nos leva uma vez mais ao mundo de Os Pilares da Terra. 



Sinopse: Natal de 1558. O jovem Ned Willard regressa a Kingsbridge, e descobre que o seu mundo mudou. As velhas pedras da catedral de Kingsbridge contemplam uma cidade dividida pelo ódio de cariz religioso. A Europa vive tempos  tumultuosos, em que os princípios fundamentais colidem de forma sangrenta com a amizade, a lealdade e o amor. Ned em breve dá consigo do lado oposto ao da rapariga com quem deseja casar, Margery Fitzgerald.
Isabel Tudor sobe ao trono, e toda a Europa se vira contra a Inglaterra. A jovem rainha, perspicaz e determinada, cria desde logo o primeiro serviço secreto do reino, cuja missão é avisá -la de imediato de qualquer tentativa quer de conspiração para a assassinar, quer de revoltas e planos de invasão.
Isabel sabe que a encantadora e voluntariosa Maria, rainha da Escócia, aguarda pela sua oportunidade em Paris. Pertencendo a uma família francesa de uma ambição brutal, Maria foi proclamada herdeira legítima do trono de Inglaterra, e os seus apoiantes conspiram para se livrarem de Isabel.
Tendo como pano de fundo este período turbulento, o amor entre Ned e Margery parece condenado, à medida que o extremismo ateia a violência através da Europa, de Edimburgo a Genebra. Enquanto Isabel se esforça por se manter no trono e fazer prevalecer os seus princípios, protegida por um pequeno mas dedicado grupo de hábeis espiões e de corajosos agentes secretos, vai-se tornando claro que os verdadeiros inimigos, então como hoje, não são as religiões rivais.
A batalha propriamente dita trava-se entre aqueles que defendem a tolerância e a concórdia e os tiranos que querem impor as suas ideias a todos, a qualquer custo.

Depois de "Os pilares da Terra" e "Um mundo sem fim", Follett regressa assim ao mundo onde teve o seu maior êxito literário. Espero ter uma análise em breve. Fiquem atentos!
 

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

O EXECUTOR


Autor: Lars Kepler

Título original: Nightmare





Sinopse: Uma mulher aparece misteriosamente morta numa embarcação de recreio ao largo do arquipélago de Estocolmo. O seu corpo está seco, mas a autópsia revela que os pulmões estão cheios de água. No dia seguinte, Carl Palmcrona, director-geral de Armamento e Infraestruturas de Defesa da Suécia, é encontrado enforcado em casa. O corpo parece flutuar ao som de uma enigmática música de violino que ecoa por todo o apartamento.
Chamado ao local, o comissário da polícia Joona Lina sabe que na sua profissão não se pode deixar enganar pelas aparências e que um presumível suicídio não é razão suficiente para fechar o caso. Haverá possibilidade de estes dois casos estarem relacionados? O que poderia unir duas pessoas que aparentemente não se conheciam?



Lars Kepler é um dos grandes nomes da literatura policial atual. Depois do enorme sucesso que teve com O Hipnotista, a saga continua neste O Executor e, apesar de as comparações acontecerem mesmo sem tentarmos, este livro difere bastante do livro anterior.

Em primeiro lugar estamos perante um livro muito mais violento em termos gráficos. A narrativa explora em detalhe o que aconteceu em cada caso, explorando momentos gráficos que poderão não agradar tanto a alguns leitores, mas que servem para envolver o leitor ainda mais num enredo que desde o início nos agarra.

Neste livro, Lars Kepler (que na realidade são dois escritores) volta a demonstrar os seus trunfos mas também as suas falhas. Por um lado estamos perante um autor que consegue criar um ritmo narrativo bastante interessante e com intensidade, levando o leitor a continuar a ler sem parar. A isto junta-lhe uma boa exploração de cenários fortes e, neste caso, uma boa trama política e moral com grande foco na corrupção. No entanto, as suas falhas continuam a aparecer em várias páginas. Ao dar primazia ao ritmo e intensidade, o livro falha por em alguns momentos os seus personagens não tirarem conclusões lógicas e que fariam avançar o enredo de forma mais conclusiva, mas talvez menos intensa. A questão é que o autor força em vários momentos para que o suspense se mantenha vivo, e ficamos a perguntar "mas porque é que o personagem X aqui não se lembro de fazer Y, tornando tudo muito mais simples". O resultado é estarmos perante um personagem principal que demonstra ser inteligente mas que em alguns momentos não tira conclusões óbvias e que iriam diminuir o número de possibilidades e suspeitos.

Tirando estes momentos em que o autor claramente força, o livro ganha bastante pela forma como está montado, apesar de por vezes estranhar o foco que se deu a uns acontecimentos e não a outros. No entanto, a base está bem conseguida, principalmente pela forma como a narrativa nos leva a questionar a existência de corrupção a cada esquina.

Outro aspeto bastante positivo neste livro é o facto de Joona, o personagem principal, ter aqui muito mais tempo de antena, sendo mais fácil ao leitor conhecê-lo e perceber os seus motivos. Com isso cria-se uma ligação interessante quer se goste ou não do personagem. 

Olhando globalmente este livro, estamos perante um livro que em vários aspetos é melhor do que o anterior. É mais coeso e coerente apesar de continuar a ter momentos forçados. A trama é boa e inteligente, e agradará aos fãs do género. Não é uma obra prima no género, mas é uma leitura bastante compulsiva.

Luís Pinto


sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O CÍRCULO


Autor: Dave Eggers

Título original: The Circle





Sinopse: No dia em que Mae Holland é contratada para trabalhar no Círculo, a empresa de internet mais influente do mundo, sabe que lhe concederam a oportunidade da sua vida. Através de um inovador sistema operativo, o Círculo unifica endereços de e-mail, perfis de redes sociais, transações bancárias e códigos de utilizador, construindo uma identidade virtual única no sentido da criação de uma nova era de transparência. Mae Holland entusiasma-se com a atividade da empresa, os amplos espaços para o desenho, as cafetarias envidraçadas e as acolhedoras instalações do campus. Todos os dias se organizam festas, concertos ao ar livre e, claro, atividades desportivas. E há diversos géneros de clubes e acesso a um aquário de peixes exóticos. Mae sente-se feliz por participar num turbilhão que parece fazer parte do centro do mundo, apesar de se distanciar cada vez mais da sua vida fora do campus. Mas o que começa como uma fascinante história de ambição profissional e idealismo depressa se transforma num romance de suspense que coloca algumas das mais candentes questões da atualidade: o papel da memória, o passado, a privacidade, a democracia e os limites do conhecimento.



Este é um dos livros mais famosos dos últimos tempos, apesar de em Portugal não ter tido o impacto que teve noutros países. A história de imediato me chamou a atenção, principalmente por ser um tema que tenho lido bastante e que se aproxima do fantástico livro 1984.

A base é simples: a nossa sociedade está a mudar a uma velocidade enorme. Estamos todos conectados e por normal iniciativa partilhamos cada vez mais tudo o que fazemos, onde estamos, com quem estamos. Com esta base social, o autor explora um conceito simples da psicologia e que tanto se tem falado no mundo da informática: as pessoas comportam-se melhor quando estão a ser observadas. 

De um ponto de vista crítico, o livro tem algumas falhas, principalmente porque algumas personagens são demasiado estereotipadas e de imediato sabemos como são e não nos surpreendem. Alguns momentos são forçados ou previsíveis, mas  não foi por isso que li mais devagar. É óbvio que algo está mal neste mundo que o autor cria. Percebe-se que aos poucos este enredo se tornará num thriller em que interesses e ganância se irão sobrepor a tudo o resto, e realmente é isso mesmo que o livro é.  Um thriller que explora a nossa sociedade.

Por outro lado, e apesar de a maioria delas serem óbvias, gostei bastante das personagens, quer das boas, quer das más. O enredo é viciante desde o início, primeiro por criar uma imagem fantástica do futuro da nossa sociedade, e depois, aos poucos, por começar a revelar os perigos do que estamos agora a criar. Poucas invenções mudaram tão rapidamente a nossa vida de forma tão global como o computador e internet. A questão é se temos noção de todas as mudanças e das possibilidades. Sendo eu uma pessoa que trabalha nesta área, este tema torna-se fascinante e alvo de grande estudo.

O trunfo do livro é a crítica que faz e as questões morais que levanta. Se informação é poder, então muitas empresas estão a arrecadar poder com todas as nossas ações. O livro explora como estamos dependentes de certas tecnologias e do que estamos dispostos a sacrificar para termos outras coisas... e, acima de tudo, este livro explora o quanto poderíamos alcançar se trabalhássemos para um bem comum e não por ganância, interesses ou poder.

Enquanto crítico literário vejo que este livro não é fantástico. Tem falhas e não consegue ser genial apesar da sua fantástica base narrativa. No entanto, enquanto leitor, é impossível não gostar desta obra e que recomendo a todos os que se interessem por este tema, que será, cada vez mais, um tema de conversa por todos aqueles que estejam dispostos a questionar tudo o que nos rodeia.

Luís Pinto  

terça-feira, 8 de agosto de 2017

O ASSASSINO DO BOBO


Autor: Robin Hobb

Título original: Fool's Assassin





Sinopse: Tomé Texugo tem levado uma vida pacífica há anos, retirado no campo na companhia da sua amada Moli, numa vasta propriedade que lhe foi agraciada por serviços leais à coroa. Mas por detrás da sua respeitável fachada de homem de meia-idade, esconde-se um passado turbulento e de violência. Na verdade, ele é
FitzCavalaria Visionário, um bastardo real, utilizador de estranhas magias e assassino. Um homem que tudo arriscou pelo seu rei, com grandes perdas pessoais.
Até que, numa noite fatídica, um mensageiro chega com uma mensagem que irá transformar o seu mundo. O passado arranja sempre forma de se intrometer no presente, e os acontecimentos prodigiosos de que foi protagonista na companhia do seu grande amigo, o Bobo, vão voltar a enredá-lo. Se conseguirem, nada na sua vida ficará igual…



Todos nós temos autores que de imediato nos fazem sentir algo diferente. A forma como entramos nos seus mundos, como nos levam a visitar locais imaginários, a sentir algo por certas personagens, a vibrar e sofrer. Entre os autores que me oferecem estas sensações, está Robin Hobb, autora da qual já li tantos livros, e que durante tantas horas me fez viajar nas aventuras de Fitz sem conseguir parar de ler.

Agora Fitz está de volta, a expectativa era enorme, mas não tive qualquer momento de desilusão. Robin Hobb criou um grande livro! De um ponto de vista crítico, este é, talvez, o melhor livrode toda a saga de Fitz, mas já lá vamos. O que temos aqui é um livro extremamente completo e capaz de iniciar uma nova trama com detalhes que certamente farão a diferença nos livros seguintes.

Em primeiro lugar, a autora continua a explorar Fitz, mas não só. Aliás, uma vez mais, a autora consegue desenvolver as suas personagens de forma coerente com o que já conhecemos delas, mas também com uma forte ligação ao que está a acontecer. Motivos, medos, traumas, a autora explora tudo com mestria para que nada pareça fora do lugar.

Pelo meio, o mundo criado por Hobb continua a mostrar que ainda tem muito para ser explorado e raramente senti algo forçado. A isto junta-se um bom enredo, bem pensado, bem estruturado e que não só oferece momentos que não se esquecem, como prepara toda a trilogia nestas páginas. Diálogos inteligentes e uma narrativa bem sustentada nos motivos e objetivos de Fitz, levam-nos a não conseguir parar de ler, principalmente pela intriga e pelas questões morais que levanta.

Em muitos aspetos este é um dos melhores livros de Fitz. Nota-se que a autora continua a evoluir e que criou uma boa base que justifique ao leitor regressar e aos personagens continuarem. Acredito plenamente que está aqui o início de uma fantástica trilogia.

Luís Pinto