segunda-feira, 12 de novembro de 2012

ARISTIDES DE SOUSA MENDES - Um Herói Português


Autor: José-Alain Fralon

Título original: Le Juste de Bordeaux


Nós Portugueses, sempre conseguimos, na generalidade, esquecer ou não dar mérito a nós próprios, preferindo muitas vezes, admirar os feitos daqueles que não nasceram no nosso país.
Na ciência, na cultura, no desporto... ou em qualquer outro ramo, somos, quase sempre, levados a desvalorizar o que temos, talvez por ignorância ou até construção social. Todos o fazemos...

Aristides de Sousa Mendes é um dos casos mais gritantes. Como pode este homem, ser mais admirado "lá fora" do que no país onde nasceu?

Este livro tenta destruir um pouco o esquecimento construído, e por vezes imposto, sobre os feitos de um dos grandes heróis do nosso povo, mas também do mundo. Aristides, seria certamente, um homem que ao morrer, sabia que a sua vida tinha sido mais do que respirar. Quantas pessoas conseguiram dar tamanho significado a uma vida?

Falando um pouco sobre o livro em si, o autor consegue cativar desde o início, não só por ser um tema interessante à partida, mas também porque a linguagem é fácil e objetiva, sem lugar a momentos de grande monotonia. Em termos de investigação, não tenho, obviamente, a capacidade de saber até que ponto o trabalho do autor é bem feito, mas tenho de elogiar a capacidade que o autor teve em ligar certos factos e acontecimentos, ajudando a que o leitor nunca se sinta perdido. No geral, este parece-me um relato bastante completo que nos mostra toda a vida de um homem.

Mas esta obra tem como objetivo mostrar a dimensão que foi a vida deste Consul. Fralon consegue, e com facilidade, vincar a personalidade de Sousa Mendes, e este é para mim um dos pontos mais importantes: compreender os motivos, as convicções e a fé deste homem, para perceber o porquê de nunca ter desistido. Quantos conseguiram não desistir, mesmo perante a sua própria destruição?
A obra mostra-nos a educação de Aristides e seu irmão gémeo César, e imediatamente começamos a ver pequenos traços que mais tarde serão os pilares da obra deste homem, tornando toda a obra mais pessoal e interessante.

Com uma convicção impressionante e enorme noção do que estava a fazer e qual seria o seu futuro, Aristides terá sido, certamente, uma personalidade fascinante e à qual deveríamos dar muito mais mérito, e dar a conhecer. Eu, um simples rapaz, tudo o que já sabia sobre este homem, soube por iniciativa própria, e tal facto é chocante! As ações serão sempre mais fortes do que as palavras, então mostrem as ações deste homem! Contem-nas aos nossos adolescentes, estudem-nas na escola, e com orgulho, mostrem à humanidade que alguns não se limitaram a ver o mundo arder.

Numa opinião onde as minhas palavras nunca farão justiça a um homem que deu tudo e morreu na miséria, apenas posso aconselhar qualquer pessoa a ler esta história, a conhecer mais sobre esta época e sobre os homens que fizeram a diferença, mostrando-nos que os extremos estão muitas vezes a atuar ao mesmo tempo, e é nos momentos de maior crueldade que vemos aparecer a maior bondade.

Para os interessados, podem ver mais sobre o livro neste link da editora.

8 comentários:

  1. Opinião portentosa da tua parte com uma excelente crítica social. São textos como estes que deveriam ser divulgados, para dar a conhecer este e outros homens com grandes feitos.

    Muitos parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pelo texto. Está fantástico. Gostei muito e tens razão no que dizes. De certeza que vale a pena ler.

    ResponderEliminar
  3. Está aqui uma excelente opinião. Parabéns por esta crítica, Luís!

    ResponderEliminar
  4. Excelente opinião. Quase arrepiante e crítica em doses perfeitas. Parabéns Luís! Estou a pensar ver o filme e já meti o livro na minha lista de aquisições.

    ResponderEliminar
  5. Nem vale a pena elogiar a tua opinião. Estou totalmente convencido. Parabéns.

    ResponderEliminar
  6. Mais uma opinião de grande qualidade. Como sempre, em grande com uma análise sem igual.

    ResponderEliminar
  7. Acho que o que disseste é o essencial. Gostei bastante da tua opinião, sempre objectivo. Vi o filme e acho que a ideia não foi bem explorada, mas agora depois da tua opinião, vou comprar o livro.

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Uma vez mais, obrigado por todos os comentários! Só tenho pena de não ter mais tempo para responder a todos!
    Mais opiniões para breve!

    ResponderEliminar