terça-feira, 1 de outubro de 2013

A TRAVESSIA


Autor: Wm. Paul Young

Título original: Cross Roads


Sinopse: Anthony Spencer é um empresário de sucesso, um homem orgulhoso e egocêntrico que não olha a meios para conseguir os seus objetivos. Um dia, o destino prega-lhe uma partida: um AVC deixa-o nos cuidados
intensivos, em estado de coma. Entre a vida e a morte, Anthony vê-se num mundo que espelha a dor e a tristeza que tem dentro de si. Confuso, sem compreender exatamente onde está e como foi ali parar, viaja pela sua consciência para compreender quem realmente é e descobrir tudo o que tem perdido ao longo da vida: a esperança, a amizade genuína e o amor verdadeiro, sentimentos que há muito o seu coração deixara de sentir. Em busca de uma segunda oportunidade, Anthony fará uma jornada de redenção e encontro com o seu verdadeiro ser.


Depois do enorme sucesso que foi "A Cabana", que ainda não tive a oportunidade de ler, Paul Young chega a Portugal com "A Travessia". A sinopse pareceu-me muito interessante e decidi arriscar. No global o livro foi uma excelente surpresa, principalmente porque é muito menos virado para a religião do que estava à espera. O que quero dizer com isto é que o livro não impõe uma ideia religiosa e tal é fundamental para que qualquer pessoa, crente ou não, se identifique com o livro. Claro que o livro passa uma mensagem ligada à religião cristã enquanto caminho, mas nunca senti que o autor tentasse impor uma ideia ou uma obrigação religiosa.

Sendo assim, o livro leva-nos mais para a descoberta de nós próprios e do que é a vida, e menos para a descoberta do divino. O enredo encaminha o leitor para situações que nos levam a criar várias perguntas, principalmente sobre os acontecimentos da vida, a forma como os encaramos e que marcas nos deixam.

Neste género de livros o enredo torna-se quase secundário, pois o principal é passar uma mensagem ou levar o leitor a questionar e refletir, mas é preciso dizer que neste aspeto é muito interessante a forma como o autor tenta dar forma e juntar todos os conteúdos do livro, acabando por proporcionar momentos alegres e outros comoventes. Com este oscilar o livro torna-se mais agradável também graças à escrita simples do autor que me parece a ideal para não dificultar a leitura. Este é um livro que pede para ser lido devagar e com espírito para questionar e construir uma ideia sólida. Em muitos casos existem livros que ao tentarem passar uma filosofia, acabam por exagerar ou saturar, destruindo o ritmo de leitura, mas neste caso tal não me aconteceu.

É, essencialmente, um livro que explora a forma como olhamos o nosso passado e principalmente o que de mal aconteceu na nossa vida, quer tenhamos culpa ou não. É uma busca para percebermos como por vezes baixamos os braços e nos resignamos, ou então fugimos de problemas, afastando o que nos perturba e, em muitos casos, afastando quem nos rodeia. Obviamente cada leitor terá aqui uma experiência diferente graças à interpretação destas ideias mas principalmente porque as iremos associar às nossas experiências de vida. Remorsos, fugas, momentos de coragem ou rejeição, um pouco de tudo é explorado porque as podemos associar às nossas vidas. Por fim, é um livro que nos pergunta, de forma indireta, até que ponto o perdão de outros, ou de nós mesmos, nos pode levar a uma cura física ou espiritual. 

Não sabendo se este livro está ao nível de "A cabana", a verdade é que esta leitura foi muito interessante. O autor explora filosofias e expõe ideias sem as impor. O final é mesmo muito bom e, novamente, caberá a cada leitor tirar as suas conclusões. Se gostam deste género de livros, esta leitura é mesmo muito interessante e de leitura bastante fácil.

Luís Pinto

Podem ler as primeiras páginas deste livro clicando aqui.

6 comentários:

  1. Parabéns pela excelente análise. Fiquei com enorme curiosidade de ler um pouco do livro. Como sempre um grande texto, Luís. Parabéns.

    ResponderEliminar
  2. Também ainda não li o A Cabana mas agora li esta sinopse e a tua opinião e fiquei convencida. Depois digo-te se gostei.

    Bjs, Luís!

    ResponderEliminar
  3. Não é o meu tipo de leitura mas a tua opinião fala de aspetos muito interessantes que me deixaram com vontade de ler. Já muitas amigas me falaram bem deste autor e qualquer dia tenho mesmo de ler.

    ResponderEliminar
  4. Olá Luís. A Cabana é fantástico e tens de o ler para dares uma opinião. Este ainda não li nem sabia que estava à venda mas assim que tiver tempo vou comprar. Parabéns pela tua análise que está muito boa.

    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  5. Olá Luís,

    Boa analise, parece ser sem duvida um livro interessante. Também não li a Cabana mas tenho visto bons comentários ao mesmo.

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Carla Nunesoutubro 02, 2013

    Fiquei totalmente convencida. Vai para a lista de prendas de natal.

    Continuação de boas leituras

    ResponderEliminar