terça-feira, 3 de setembro de 2013

1984


Autor: George Orwell


Todos nós temos um livro que, por um ou outro motivo, nos marcam profundamente. Eu tenho vários e 1984 é um deles. A minha admiração por este livro é tal, que sempre resisti à tentação de falar sobre ele neste blog, e durante mais de dois anos, nada escrevi sobre a obra prima de Orwell. Hoje decidi escrever o que penso, tendo a certeza que as minhas palavras não farão jus à qualidade destas páginas.

O que é a liberdade? Um direito moral ou uma ilusão inatingível?
O que é o controlo de massas? Uma teoria da conspiração forçada ou o futuro que a tecnologia nos irá oferecer e nós aceitaremos com um sorriso?

Em 1984 é-nos apresentado o Big Brother, a identidade que tudo controla, desde o controlo visual, sabendo o que o povo faz, passando pelo controlo da sabedoria, manipulando o conhecimento de tudo e de todos. Esta entidade, que é o governo, controla todos os fatores da população. Entre eles temos a própria história da nação, os fatos exteriores ao país, e claro, o equilíbrio monetário que fará com que o povo continue a trabalhar para que os ricos vivam como querem.

Em termos práticos, sente-se que se trata de um livro escrito em 1948 e publicado em 1949, pois existe uma discrepância entre o que o livro nos tenta oferecer como base sustentável deste mundo e a realidade prática que hoje conhecemos. A verdade é que nunca um mundo se aguentaria nestes termos operacionais, mas a questão essencial do livro não é essa nem deve ser discutida. O que importa aqui perceber é como, de forma quase profética, Orwell nos leva até um mundo onde tanto se parece com o mundo em que vivemos hoje. Tecnologia e controlo...

Televisão, internet, redes sociais, gps... tudo isto detém informação, e com ela, haverá sempre controlo, não porque nos foi imposta, mas porque nós adoramos usar tudo isto.  O povo deste livro, deve sempre lutar contra estas formas de controlo, mas também deve ter noção que nunca ganhará enquanto estiverem "deste lado", e é disso que o livro trata. Nesta obra de Orwell, o controlo da massas passa pela vigilância e televisão, enquanto nos demonstra um mundo com pormenores fantásticos, onde nada é deixado de fora: religião, costumes, história política, controlo de recursos, e obviamente, aqueles que controlam os que também controlam.

Uma das questões mais importantes deste livro passa pela óbvia ligação com a propaganda criada pelo regime nazi, onde devemos ponderar uma questão: uma mentira contada várias vezes, poderá tornar-se uma verdade? E será apenas verdade para quem a cria, ou tornar-se-á global?

As personagens deste livro quase que passam ao lado perante tão grandioso mundo criado por Orwell. Winston, personagem principal, será o homem que lutará contra o sistema. Enquanto personagem, Winston não marca o leitor, mas os acontecimentos do enredo não serão esquecidos. Winston está presente na criação das mentiras (aceita tal facto porque é banal, porque não se estão a criar mentiras, mas sim verdades), vive a semana do ódio e sente as correntes que o aprisionam, e assim vemos que não é a verdade nem o conhecimento que o prendem, são antes os utensílios que lhe mostraram a cela onde vive. 

Sendo uma clara crítica ao regime de Staline com toques de Nazismo, Orwell dá-nos um mundo governado pela economia impulsionada pelas guerras, e com isso o mundo vive em constante receio, resignando-se ao controlo. Claro que existem muitos mais fatores que tornam este mundo credível e fascinante, e que farão muitos leitores questionar como seria viver assim e ainda mais importante, se estaremos tão longe desta visão. No entanto, não irei "espremer" tudo o que o livro tem para oferecer. 

Para onde nos leva o capitalismo? Até que ponto estaremos a ser manipulados para esquecer o que realmente é importante? Estaremos a caminhar para um mundo dominado por super potências capazes de serem sustentáveis, e consequentemente, fechadas?

1984 é uma obra fascinante e gostaria de falar sobre ela durante horas. Poderia falar da tensão psicológica que o autor tenta transmitir, da impossibilidade de escolhermos o nosso destino, do sistema social que não deixa os personagens mudarem de estatuto. 1984 vale pelas personagens que tem, pelo enredo que oferece, mas principalmente pelo mundo onde se sustenta e pelo passado que a meio nos revela. E no fim, o livro, tal como o Big Brother, tem a capacidade de nos quebrar, principalmente porque este "futuro" que Orwell criou é reconhecido por nós em certos momentos.

Orwell foi um génio. 1984 é para mim a sua maior obra que está entre os melhores livros que já li, e claro, é um dos meus favoritos. Deve ser lido, relido, estudado e questionado. Quando me perguntam qual o meu livro favorito ou qual o melhor que já li, nunca sei responder, mas quando uma pessoa, quem quer que seja, me pede que lhe recomende um livro, 1984 é sempre a minha primeira opção, porque para mim, deveria ser lido por todos. Uma obra prima sobre a natureza humana, e que me deixou a olhar, durante vários minutos, para a última página.

Afinal, qual é o limite de poder que uma sociedade pode "oferecer" a alguém?

Afinal, o que é a verdade? Algo imutável ou que podemos definir?

Luís Pinto

15 comentários:

  1. Parabéns, Luís! Que comentário fantástico. Fiquei convencido!

    ResponderEliminar
  2. Novamente, um texto fantástico sobre um livro imortal. Gostei bastante de sentir a emoção com que escreveste sobre este livro que é um dos meus favoritos e que concordo contigo quando dizes que todos o deviam ler.

    ResponderEliminar
  3. Bom dia, Luís. Quero felicitar-lo por mais uma vez criar uma análise primorosa. Neste caso trata-se do meu livro favorito e que também recomendo a todos. Uma obra marcante, sem dúvida e que merece muito estudo.

    Boas leituras e um bom fim de verão.

    ResponderEliminar
  4. 1984 é uma leitura marcante. Lembro-me de várias passagens que foram um choque quando as li, não por não estar à espera delas, mas por espelharem dolorosamente conceitos que estão presentes na nossa sociedade, disfarçados, é certo, mas, ainda assim, presentes e que são um entrave àquele que é um direito do ser humano - a liberdade.

    ResponderEliminar
  5. Olá Luís. Tudo bem?

    Adorei este livro e já o li duas vezes. Estou contigo quando falas do final. É arrepiante! Adorei o teu texto mesmo sem falares nada da história que para mim não deve ser fácil e dou-te os parabéns. Como sempre, grande texto!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. ainda não li mas depois disto tem de ser. Tens um grande talento de convencer as pessoas a comprar o que sugeres e eu já comprei vários. Este vai ser mais um. Continua com o excelente trabalho.

    ResponderEliminar
  7. 1984 é um dos melhores livros se sempre sem dúvida. Gostei bastante da tua análise a um livro que me marcou bastante. A semana do ódio é particularmente perturbadora a certa altura e é algo que não estava mesmo à espera. O final é o melhor do livro e transmite uma mensagem única que fizeste bem em não divulgar.

    Parabéns por finalmente teres falado de um livro que te marcou tanto.

    ResponderEliminar
  8. Olá Luís. Mais um excelente comentário como sempre fazes. Eu sou uma grande fã deste livro e concordo contigo em tudo o que dizes.

    As férias foram boas? Agora vê lá se voltas com mais análises.

    parabéns pelo texto bastante bem escrito.

    ResponderEliminar
  9. Olá Luís,

    Já li, alias li várias distopias e não faz a minha praia, reconheço que são bem escritas, muito interessantes mas não me cativa.

    Ainda assim os meus parabens pelo teu excelente texto :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Já li e marcou-me mas acho que o li cedo demais e quando ainda não tinha maturidade para o ler. Vou repetir agora com a tua visão em mente.

    Grande análise. Parabéns pelo excelente trabalho nestes dois anos de blogue.

    ResponderEliminar
  11. Obrigado a todos pelos comentários. Ainda bem que tantos gostaram deste livro. Para mim foi mesmo muito marcante. Uma leitura fantástica.

    ResponderEliminar
  12. É um livro que, ainda não o tendo lido, espero ansiosamente fazê-lo, principalmente depois de eu ter lido "O Triunfo dos Porcos", também do Orwell, e que me agradou bastante.

    ResponderEliminar
  13. Fantástica análise. Parabéns!

    ResponderEliminar