quarta-feira, 11 de setembro de 2013

DRAGÕES DE UM ALVORECER DE PRIMAVERA


Autor: Margaret Weis & Tracy Hickman

Título original: Dragon of Spring Dawning



Antes de começar a minha opinião sobre este livro e fim de saga, pensemos no seguinte: o que é um bom livro de fantasia? Será um conceito universal o que é ser "um bom livro de fantasia"? Na verdade cada leitor terá o seu conceito. Uns dirão que precisa de inovar, outros dirão que precisa de ser vasto, ou maduro, ou mágico, ou divertido de ler. Em teoria todos estão certos?
Bem, não continuarei esta discussão aqui, mas deixo a questão porque este é um livro que não trazendo nada de novo ao género, consegue dar prazer a quem o lê, ser coerente, agarrar o leitor até ao fim e surpreender com alguns momentos e personagens. E claro, esta saga tem Raistlin.

Este é o último livro da trilogia DragonLance e deixou-me uma mistura de sentimentos. Em primeiro lugar devo dizer que apesar de este não ser, em termos qualitativos, o melhor livro da saga, é verdade que é o mais viciante. Passo a explicar...

Este livro sofre imenso com o elevado número de personagens importantes que tem, e fica a noção que o livro teria de ser muito maior para conseguir explorar essas mesmas personagens e as suas ações neste fim de guerra. Neste aspeto o livro perde qualidade pois sentimos buracos na narrativa e ficamos sem saber o que se passa com algumas personagens durante várias páginas. No entanto, percebe-se o porquê de os autores terem apostado nestes saltos narrativos, pois o ritmo poderia baixar bastante e talvez saturar o leitor que está habituado ao elevado ritmo da saga.

Por outro lado, os acontecimentos tornam este livro mais maduro que os anteriores, e apesar de existirem alguns momentos previsíveis, também existiram outros que me surpreenderam bastante. Esta é uma saga que vive das suas personagens, pois como já disse anteriormente nas opiniões aos primeiros dois livros, em termos de mundo este livro não traz grandes "novidades" à fantasia, nem o tenta fazer. Esta é a fantasia "básica" de elfos, anões e homens, e é no enredo e personagens que está a diferença para outras sagas. 

Olhando para as personagens, é difícil esquecer algumas, que por algum motivo em específico, conseguem ser os catalisadores da história. Em primeiro lugar Tas é a personagem que mais evolui (continua a ser quem dá a sensação mais cómica ao livro) ao mostrar o que até agora não tínhamos visto. A sua evolução/alteração não a irei descrever, mas levanta várias questões morais e que se enquadram com a nossa atualidade. Tanis é outra personagem que demonstra o que até agora ainda não se tinha visto e novamente várias questões se levantam, principalmente sobre a liderança de uma pessoa sobre um grupo. Mas é, novamente, em Raistlin que esta história assenta. Mesmo que muito menos presente neste livro, Raistlin é a personagem que faz o leitor continuar e as suas perguntas e respostas serão o ponto alto do livro. O que torna esta personagem bem construída é, essencialmente, o facto de toda ela ter sido coerente desde a primeira página, dando a noção que o seu destino sempre esteve traçado pelas autores. 

Com Raistlin, e de forma indireta, vemos o livro a levar-nos a questionar até onde as nossas ações podem fazer diferença no futuro. Somos muitos neste mundo, e todos nós temos alguma influência na vida dos que nos rodeiam (e agora não só), mas alguns conseguem mudar o mundo e a questão passa a ser : como o fazemos e se o devemos fazer. É, ou não, uma obrigação de cada um tentar mudar o mundo?

Todavia, como disse antes, o livro deixou-me uma mistura de sensações simplesmente porque não é um final definitivo. Sente-se que a história tem mais para dar e que está a preparar a próxima trilogia. Claro que quem apenas ler estes três livros, terá uma conclusão (aproveito para dizer que é muito boa) mas há pequenos detalhes que, certamente, servirão de "ponte" para os próximos livros.

Agora que li toda a trilogia, posso dizer que não sendo um marco de inovação no género, e não tendo a profundidade que outras famosas sagas apresentam, Dragonlance é muito viciante e fácil de ler, dando-me a certeza que será uma excelente saga para quem queira começar a ler fantasia. Quem "domine" a literatura fantástica tem aqui um ritmo elevado, personagens muito interessantes e uma história que faz sentido agora que acabou. Não é uma obra-prima mas aconselho-a pela sua "face" mais leve, divertida e que vai amadurecendo, acabando muito melhor do que começou. E já agora, não podemos esquecer Fizban, outra grande personagem! Enquanto leitor de literatura fantástica, dou grande valor a uma história que me "agarra" e que nunca se torna um esforço, e por isso, gostei bastante desta trilogia.

Luís Pinto

15 comentários:

  1. Excelente análise Luís. Uma saga a ter em conta claramente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Thanks Gus, fico à espera de opinião!

      Eliminar
  2. Agora fiquei convencida a ler os 3.

    Vias ler os próximos livros de que estavas a falar?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Pipa, ainda bem que ficaste convencida.

      Irei ler os três seguintes mas para já vou esperar uns meses a ver se são editados em PT. Se não, tentarei lê-los em Inglês.

      Eliminar
  3. Olá Luís,

    encontro-me atualmente a ler o livro e concordo plenamente com o teu comentário, penso que foi uma boa aposta da Editora, mas o momento escolhido pode não ter sido o melhor, pois anda ai uma crise enorme de venda de livros (embora não tenha bases para o dizer com toda a certeza), mas penso que esta saga podia marcar novamente uma nova geração de leitores novos, acredito que quem já leu veja com satisfação ver estes livros publicados, que os marcaram seguramente, mas que após estes anos e depois de se ler Tolkien, Martin, Jordan, entre outros os considere mais para um publico juvenil digamos assim.

    Até ao momento e do que li, acho o livro mais negro, está a abrir portas para a minha personagem preferida que é igualmente Raistlin, alias além do que já referiste é a parte da magia que mais me cativa nesta saga, estou a gostar dos vilões, há uma ou outra falha por exemplo a captura do "general" e o levar o "Homem Verde" mesmo para a boca do lobo, vamos ver a volta que leva e sim a escrita é altamente viciante

    Ansioso para saber como tudo termina, gostei do meu comentário sem revelar grandes pormenores

    Abraço e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora é esperar pelos próximos livros!

      Abraço!

      Eliminar
  4. Convenceste-me a ler esta saga porque como não sou um grande leitor de fantasia parece-me que esta é uma boa para começar a sério.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Gil.

      Depois diz-me o que achaste!

      Abraço!

      Eliminar
  5. Não conhecia esta saga, mas depois de ler sua resenha e ver que se trata de uma saga viciante e fácil de ler vou me arriscar e tentar ler o primeiro para ver se gosto.

    Estou seguindo seu blog para acompanhar as atualizações e sempre que puder fazer uma visita.
    Abraços

    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Pacman.

      Depois diga-me se gostou do primeiro livro. Também passo pelo seu blog quando posso.

      Abraços

      Eliminar
  6. A saga é de facto viciante. Agora é importante referir que a história está longe de acabar...já de seguida é a trilogia das Lendas de Dragonlance, onde Raistlin e Caramon vão ser os principais protagonistas...acaba por ser uma história mais obscura, mais negra mas continua a bom nível...tal como esta primeira trilogia As Crónicas de Dragonlance, também as Lendas de Dragonlance são uma trilogia, e explicam um pouco mais do que foi o mundo de Krynn. Aliás, tudo o mundo de Dragonlance abrange actualmente cerca de 100 livros (sim, cem!), inclusive existe um trilogia (The Lost Chronicles) que volta a este período e que "tapa alguns buracos" que esta trilogia tem...nomeadamente (vou tentar não estragar nada com spoilers) a transformação da personagem de Raistlin. Pena que esses cerca de 100 livros só existam em inglês...mas espero que aos poucos os comecem a traduzir, porque todo este universo de Dragonlance, e do mundo de Krynn, já merecem. Tive a sorte de já ler mais de 30 (em português - os primeiros: Crónicas e Lendas - em alemão e inglês), e embora a qualidade de alguns desça um pouco (muitos são escritos por outros autores), há outros que estão muito bons (principalmente os escritos pelo R.A. Salvatore - o mesmo do do Elfo Negro - e também Jean Rabe) e outros que servem para tapar algusn buracos quanto à cronologia da história.

    Resumindo, para quem gosta de fantasia clássica, recomendo vivamente a leitura destes livros, são tal como consta da boa crítica do Luís Pinto. Espero que a editora continue com a excelente tradução deste universo de Dragonlance (só não gostei da tradução, demasiado literal, de alguns nomes...mas isso já são gostos). Para quem se quiser viciar um pouco mais, recomendo a leitura dos livros em inglês (há uma listagem de todos os livros e sua ordem cronológica na wikipedia). E já agora, dêem também uma espreitadela ao universo dos Forgotten Realms (do qual fazem parte, entre muitos outros, as trilogias do Drizzt, o Elfo Negro...únicos até agora traduzidos em português)...é um universo "irmão" de Dragonlance.

    Boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, e sim, o Raistlin é de longe a personagem mais fascinante do universo Dragonlance, que ainda vai ser mais explorado nas Lendas de Dragonlance (e em outros livros individuais acreca desta só personagem...nokmeadamente, como se tornou um mago, e os sofrimentos que passou para lá chegar). Claro que isto se deve ao facto de ser o personagem preferido da Margaret e do Tracy.

      Eliminar
    2. Olá Humberto. Peço desculpa só responder agora.

      Também estou muito curioso para ver até onde a próxima trilogia nos leva. Vou esperar para ver se são editados por cá. Se não, leio em inglês.

      Também tenho cá por casa os primeiros dois livros da trilogia do Drizzt mas ainda não li nenhum. tem ficado para trás e ainda não tive oportunidade de os ler. Mas agora fiquei com mais vontade. Já algumas pessoa me falaram muito bem da trilogia.

      Vamos ver se a editora aposta em mais Dragonlance. Achei muito viciante e fácil de ler, mas as vendas é que ditam se apostam ou não.

      Abraço!

      Eliminar
  7. Também não costumo ler fantasia mas estou para experimentar algo maior e esta saga de três livros convenceu-me por dizeres que é leve e pelos comentários todos concordam contigo por isso vou experimentar.

    Depois quero ver a opinião os próximos livros que o Humberto Sintra fala.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Vânia!

      Sim, se os ler, faço logo opinião. E fico à espera de saber o que achaste destes.

      Eliminar