quarta-feira, 30 de outubro de 2013

QUANDO O CUCO CHAMA

Autor: Robert Galbraith

Título original: The Cockoo's Calling


Sinopse: Quando uma jovem modelo, cheia de problemas na sua vida pessoal, cai de uma varanda coberta de neve em Mayfair, presume-se que tenha cometido suicídio. No entanto, o seu irmão tem dúvidas quanto a este trágico desfecho, e contrata os serviços do detetive privado Cormoran Strike para investigar o caso.

Strike é um veterano de guerra - com sequelas físicas e psicológicas - e a sua vida está num caos. Este caso serve-lhe de tábua de salvação financeira, mas tem um custo pessoal: quanto mais mergulha no mundo complexo da jovem modelo, mais sombrio tudo se torna - e mais se aproxima de um perigo terrível...


Depois de muita tinta ter corrido sobre a publicação deste livro, assim que foi possível, comecei a lê-lo, ou não fosse este, um livro escrito por J. K. Rowling.

Após ter lido este livro e também o seu outro livro "Morte Súbita", torna-se óbvio que a escrita de Rowling é singular quando tem como público alvo leitores mais adultos. Aliás, agora que sabemos quem escreveu este livro, é fácil encontrar pequenos detalhes onde se nota o toque único da autora. Rowling tem uma capacidade inata de criar diálogos realistas e de, com descrições físicas, mostrar-nos algo mais sobre personagens. No entanto este livro é, em todos os aspetos uma obra superior ao livro anterior.

Em primeiro lugar, trata-se de um livro que me conseguiu "agarrar" desde o início, pois rapidamente o leque de suspeitos se torna grande o suficiente para nos deixar com várias dúvidas. No entanto, na minha opinião, o grande trunfo são as personagens. Rowling cria um pequeno grupo de personagens, com o qual o enredo se desenvolve e que facilmente me cativou. Neste aspeto, Cormoran é de longe a personagem mais marcante e também a com mais qualidade. Aliás, é a partir desta personagem que Rowling avança com a história mas também nos cria dúvidas. Cormoran deixa claro, desde meio da história, que tem uma ideia muito clara do que se passou, e nós, leitores (pelo menos foi o meu caso), tentamos acompanhar o seu raciocínio, perceber quem é o culpado, se é que existe um, e ao mesmo tempo pergunta-mo-nos até que ponto Cormoran estará certo.

O que gostei mais neste livro foram os diálogos. Criando um enredo onde o detetive tenta analisar um crime ocorrido há alguns meses, a forma usada por Cormoran é questionando pessoas, e a forma como ele conduz esses interrogatórios está muito bem conseguida, principalmente porque às falas juntam-se descrições detalhadas sobre as reações das personagens, quer seja um movimento do pé, um desviar do olhar, uma hesitação na fala, tudo serve para nos tentar baralhar as ideias.    

Quando estava perto da página 100 pensei algo deste género "se isto for assim, esta história será fantástica". A minha suposição não tinha qualquer fundamento nem base com que argumentar, simplesmente gostaria de ver algo assim, mas rapidamente desviei o meu olhar para outros suspeitos, acreditando que o meu pensamento inicial não seria possível. Rowling fez-me a vontade (era mesmo assim!) e por isso, dentro do que para mim é um bom policial, este livro consegue atingir o que para mim é essencial. Mas o que me espantou ainda mais foi a forma como a descoberta foi feita. Pelo menos duas vezes senti-me ultrapassado pelo pensamento de Cormoran e quando as suas suposições foram explicadas, percebi que Rowling sempre me deu as respostas, mas eu não liguei os pontos.

Neste aspeto Rowling é fantástica. Tal como em alguns livros de Harry Potter, também aqui as respostas estão ao nosso alcance, pois não há nada que Cormoran saiba que não seja do nosso conhecimento, só que eu não liguei os pontos, e garanto que mesmo adivinhando, por pura sorte, quem era afinal o culpado, não teria capacidade para o provar, e é nesse aspeto que o enredo me surpreendeu.

Para tornar tudo mais intenso, Rowling faz uma crítica indireta a toda a sociedade, desde os ricos e famosos, passando por aqueles que os idolatram e também pelos que vivem às custas dos famosos, como por exemplos as revistas. Apesar de nunca ser uma crítica direta, é interessante ver como a autora explora certos problemas, preconceitos ou até mentiras que existem nestes "seletivos mundos" onde muitos se perdem.

Rowling voltou a brindar-nos com um excelente livro, não me alongo nesta opinião para não revelar nada, e espero que continue com esta saga, talvez, explorando outros temas. Agora que as personagens estão apresentadas e a base está criada, com Cormoran e Robin a serem o centro, esta saga tem tudo para ter sucesso (sucesso esse que este livro alcançou antes de sabermos que era Rowling quem estava do outro lado).

Este não é o melhor policial que já li, mas é muito bom e bastante viciante. O realismo que Rowling dá aos diálogos é palpável e ajudou-me a criar todas as imagens na minha cabeça, tornado as personagens realistas. Um livro totalmente recomendado a quem gostar do género e que várias vezes me surpreendeu.

Luís Pinto

Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui
Para mais informações sobre o livro Quando o cuco chama, clique aqui

Estamos a oferecer este livro. Não se esqueçam de participar, aqui!

8 comentários:

  1. Não estava muito virado para comprar o livro mas deixaste-me curioso. Gosto deste tipo de livros em que tentamos acompanhar o detective e não conseguimos. Parabéns pelo belo artigo e obrigado não teres revelado nada. Vou completamente às escuras para o livro.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  2. Desde que soube quem era a autora que estou a pensar comprar o livro. Por agora vou esperar para ver se ganho o livro no passatempo :P

    Gostei bastante da tua opinião que acho que se foca nos diálogos e nas personagens que a JKR sempre nos habituou serem de excelente qualidade. Estou cada vez com mais vontade de o ler. Parabéns por mais uma grande análise sem spoilers.

    ResponderEliminar
  3. És a minha desgraça Luís. Este vou deixá-lo mais para o fim do mês mas quero lê-lo o mais rápido possível. A tua opinião cativou-me imenso e depois volto para te dar a minha opinião lá mais para o Natal.

    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
  4. Convencido! JKRowling sempre em grande ao que parece.

    ResponderEliminar
  5. Duas grandes características da Rowling: limpidez e absorção. O seu discurso é claro e cativante, pregando-nos às palavras. Outro aspeto importante: personagens originais e interessantes. Abordaste muito bem todas as características da sua escrita numa crítica muito certeira. Espero ganhar o livro no concurso de amanhã ;)

    ResponderEliminar
  6. Olá Luís. Este já estava na calha à algum tempo e agora fiquei ainda mais convencido a compra-lo. Adorei todos os Potters e de certo vou gostar deste novo género. Parabéns pela análise.

    Boas leituras

    ResponderEliminar
  7. Sem dúvida uma leitura interessante. Gostei da tua opinião bem focada em alguns pontos e sem revelar o essencial. JKR tem inegavelmente um grande talento, principalmente com as suas personagens, algo que referiste e bem. Certamente que o ire comprar e agora fiquei ainda com mais vontade. Parabéns, Luís.

    ResponderEliminar
  8. Olá Luís,

    Vou ficar com a saga debaixo de olho, pois parece estarmos na presença de mais uma excelente saga :)

    Abraço

    ResponderEliminar