terça-feira, 2 de agosto de 2011

O Senhor dos Anéis Vs A Guerra dos Tronos

Primeiro que tudo devo dizer que já li O Senhor dos Anéis mas ainda só li os 3 primeiros livros da saga Game of Thrones (os 6 livros da edição portuguesa) e como tal farei este texto com base no que li até agora.

Foram várias as pessoas que nos últimos tempos me perguntaram: É a saga Guerra de Tronos (GOT) melhor do que O Senhor dos Anéis (LOTR)? Qual é o melhor livro da fantasia? Eu não darei a resposta, mas deixarei aqui aquelas que serão para mim as principais diferenças.
Primeiro deixem-me explicar porque não irei responder a essa pergunta e porque é que nunca o fiz de forma objectiva… porque para mim uma saga é um todo, e GOT ainda não acabou. Quando Martin acabar de escrever a sua saga então eu terei a minha opinião bem definida, até lá não o farei.
Em segundo lugar existe o problema de comparar duas sagas que pouco, ou quase nada têm em comum. Primeiro temos LOTR, escrito na fase da Segunda Guerra Mundial, numa altura em que ninguém lia fantasia e quando criar uma história onde árvores falavam e andavam era no mínimo impensável. GOT por seu lado é escrito numa altura em que a fantasia cresceu, é aceite pelo público e muito graças a LOTR. Outro ponto onde diferem é sobre a base da história, o que a faz ser única. LOTR é uma história sobre a guerra entre o bem e o mal, mas o que a torna única é o mundo, o Universo que Tolkien criou, que revolucionou toda a fantasia e que até hoje nunca ninguém conseguiu chegar perto. Neste ponto, a minha opinião é que Martin está muito longe de atingir a quase perfeição do mundo que Tolkien inventou.
Mas GOT não tem como base um mundo, mas sim as suas personagens, credíveis, humanas, quase sem percebermos de que lado estão a jogar. E aqui, nas personagens, Martin vence Tolkien.
O terceiro ponto onde estas duas sagas diferem (pelo menos na minha opinião) é aquele ponto que todos forçam comparar, na fantasia. Neste ponto darei a minha opinião objectiva: Tolkien inventou um livro de fantasia, o melhor, o que revolucionou tudo… Tolkien escreveu um livro de fantasia puro, Martin não o faz. Aliás, a fantasia que Martin criou no seu livro não traz nada de novo, e já muitos outros fizeram algo parecido. Não, para mim, Martin escreveu um livro que tem algo de fantasia, mas não é isso o seu livro, o seu livro é um entrelaçado de personagens realistas com os seus interesses, medos e destinos incertos. A fantasia aparece apenas de vez em quando e não marca. Esta é para mim a grande diferença.
Passemos a outras mais óbvias: as personagens de Tolkien são mais previsíveis, mais estereotipadas, ao contrário de em GOT onde a mudança de lado e o realismo está presente em cada personagem, e muitas vezes não o percebemos. Neste aspecto prefiro GoT, pois ao olharmos para LOTR percebemos que Sam será sempre amigo de Frodo, que Boromir mais cedo ou mais tarde acabará por tentar roubar o anel, que Faramir nunca o fará, entre muitas outras coisas. Em GOT tal não acontece, pois a cada página uma personagem pode “mudar de lado” devido a uma necessidade de algo, de cumprir um objectivo, seja ele qual for.
Esta imprevisibilidade nas personagens de Martin é o espelho da sua escrita, imprevisível. Uma vez mais difere de LOTR porque a verdade é que qualquer personagem, por mais principal ou adorada que seja, poderá morrer na página seguinte. Uma vez mais, trata-se de uma escrita mais próxima da realidade se olharmos ao “desenrolar da história”. Martin arrisca em certas mortes e tramas, e arrisca bem!
Ainda no tipo de escrita, Tolkien escreve uma história com descrições extensas, por vezes belas, por vezes alegres e tristes. Martin corta com esse conceito e dá-nos um lado visual mais adulto, com a violência normal numa guerra, com sexo e com todo o ódio e desprezo que a mente humana é capaz de produzir. Nas descrições outra diferença importante é que Tolkien criou um mundo mais do que uma história, e como tal são muitas as páginas que a sua mente prodigiosa criou sobre as descrições dos locais, do passado, da cultura, dos hábitos… Martin não o faz. Usa descrições rápidas, sem grande beleza ou magnitude, mas nunca me senti perdido ou a achar que algo faltava.
Outra diferença importante é como as personagens nos são “dadas”. Tolkien descrevia-as, falando-nos sobre as suas mentalidades, medos, passado, traumas, etc… Martin não o faz da mesma forma. O que faz é dar-nos a história pelos seus olhos, aproximando-nos da personagem em questão a cada capítulo. Desta forma a personagem é-nos dada a conhecer enquanto a história se desenvolve, sem grande quebra de ritmo e sem cansar o leitor. Claro que este tipo de dar a conhecer as personagens ajuda-nos a perceber algo mais profundo, aquilo que falta a outros livros e aqui Martin é mestre por nos revelar o intimo de cada mente. Ao sabermos mais sobre as suas personagens percebemos cada vez mais que existem menos diferenças entre elas do que aquilo que nos é dado no início. Aliás, são muitas as personagens que ainda não percebi se encaixam no lado “bom” ou no “mau”. A questão é: existe uma diferença entre o bem e o mal em GOT? Em LOTR essa diferença é marcada bem cedo e são poucas as personagens que mudam de lado, já em GOT uma vez mais existe um realismo associado a certas necessidades, como a sobrevivência, que levam muitas personagens a mudar de lado enquanto outras caminham sempre na linha que separa o bem do mal.

Como disse antes, não vou aqui dizer qual é o melhor no global, essencialmente porque são livros demasiado distantes na sua base e porque GOT ainda não acabou. Não faria sentido dizer agora que GOT era melhor ou pior sem saber o seu final e até que ponto Martin terá a genialidade necessária para dar a este seu mundo um final que seja ao nível do que nos habituou.

Mas há algo que posso fazer para já, dizer num ou noutro aspecto o que acho se os tentarmos comparar: nas personagens Martin ganha, pela sua maior riqueza, realidade e complexidade.
Na história em si Martin ganha por um único motivo: é imprevisível.
Na forma como escreve Martin volta a ganhar porque descreve enquanto desenvolve a história, não quebrando o ritmo e porque tem o golpe de génio de nos dar cada capítulo pelos olhos de uma personagem diferente, e assim conseguimos conhecê-la melhor, perceber as suas acções e acima de tudo, faz-nos gostar, em alguns casos, tanto dos supostos bons como dos maus.
No mundo onde a história se desenrola Tolkien é Rei, e na minha opinião não existe sequer comparação. O mundo de Tolkien é tão soberbamente rico e tão inovador para a altura que até faz confusão tal ser criado naquela fase da história da humanidade. A fantasia criada por Tolkien é aquela que marcou todo o género literário até agora e por mais ramificada que esteja actualmente, é raro o livro da fantasia onde não vemos um ou outro ponto onde pensamos “Tolkien está aqui”.
Se tentarmos dizer qual o melhor livro de fantasia de sempre, é indiscutivelmente O Senhor dos Anéis, porque é o melhor em todos os parâmetros da fantasia. Got não é, por comparação um livro de fantasia. GoT tem dragões, tem uns mortos que voltam à vida (não irei aqui revelar tudo o que acontece de fantasia) e pouco mais… é preciso explicar aqui tudo o que LOTR tem de fantasia nas suas páginas?
Mas se retirarmos da pergunta inicial a palavra “fantasia” tudo muda. Qual é o melhor livro? A minha resposta, não sendo objectiva, é a seguinte: LOTR é o livro mais vendido e mais aclamado que existe, posto constantemente em primeiro lugar por leitores ou críticos como a maior obra-prima da literatura… durante todos estes anos muitos foram os que esperaram por algo que se pudesse comparar, nunca ninguém conseguiu. Agora Martin chegou e as comparações e as questões levantaram-se… Martin pode nunca bater Tolkien, como também o pode superar, para mim não é essa a questão… o que devemos pensar é: o que Martin escreveu ao ser comparado a LOTR tem, obrigatoriamente, de ser bom, muito bom. Nós nunca comparamos o que é bom com o que é mau. E como tal, Martin tem uma fabulosa saga, que ficará na história (se conseguir manter o nível) e que será lida e recordada durante muitos anos. Eu para já estou a adorar, estou completamente viciado e admirado pelo grande trabalho de Martin, porque é a melhor saga dos últimos anos e ninguém a deve perder.
Esqueçam a resposta sobre qual é a melhor, leiam os dois e decidam por vós próprios… é o que eu estou a fazer.

Espaço ainda para pedir desculpa pelo texto tão grande, mas seriam vergonhoso falar destas duas sagas em apenas algumas linhas. Deixem-me as vossas opiniões, digam-me o que gostaram mais nos livros, quer tenham lido as duas sagas ou apenas uma.    

39 comentários:

  1. Ricardinhoagosto 02, 2011

    Estou no inicio da guerra de tronos por isso nao tenho opiniao. o teu texto está muito bom, como sempre.

    ResponderEliminar
  2. Eu ainda não li a totalidade das Crónicas de Gelo e Fogo por isso, tal como tu, não vou afirmar que estas são superiores ou não ao LOTR. Posso concordar contigo quando dizes que Martin ganha nas personagens. São imprevisíveis, com múltiplas facetas e nunca sabemos se irão pender para o Mal ou para o Bem.
    Tolkien é brilhante na construção da Terra Média e os seus livros ajudaram -me a passar uma fase má da minha vida. Durante uma estadia no hospital foram eles a minha leitura e o meu meio de escape e jamais os esquecerei.Além disso, Tolkien reinventou (ou criou) a fantasia e os livros de Martin não exalam fantástico por todos os poros, eles vivem mais através das suas personagens fabulosas. Nos livros de LOTR encontramos mensagens para o futuro como proteger a vida na Terra. Lembro-me de uma visão da Eówyn em que uma onda negra engolia tudo à sua passagem e rapidamente associei isso à destruição da Terra pelo Homem. Posso estar enganada. Quem não se lembra da destruição dos Ents? Ao decepar o passado, eliminamos as nossas tradições. Em Martin, ainda não encontrei mensagens similares ou se calhar não estive atenta. Mas, parece que ao menos numa coisa serão parecidos. Segundo Martin, o seu final para GOT será bittersweet. E o final de LOTR não foi propriamente feliz. Sim, o Bem venceu mas, Frodo ficou para sempre marcado pelo Anel. Tanto que teve de deixar a Terra Média ( foi dizer assim para não ser muito spoiler).

    ResponderEliminar
  3. Ps: Desculpa Luis, alonguei-me um bocadinho mas, houve alguém que disse:"seria vergonhoso falar destas duas sagas em apenas algumas linhas":p.
    Parabéns pelo teu texto, está excelente!

    ResponderEliminar
  4. Bom artigo...muito bom!Focas um ponto que ainda não tinha considerado muito a fundo e no qual me convenceste totalmente...GoT não pode realmente ser considerada uma obra de fantasia (pelas razões que em cima indicaste) e nesse ponto concordo contigo...Tolkien é um génio do imaginário visual com o mundo por ele criado.A fantasia desse mundo é também um ponto forte...e a fantasia de GoT é dos pontos menos relevantes, mas hoje em dia facilmente se cataloga como fantasia qualquer obra passada num mundo que não a Terra como a conhecemos! Ainda assim acho GoT melhor que LotR pela qualidade de personagens e enredo, pois é isso que me faz ficar agarrado a cada página...aquela imprevisibilidade que referes (e com a qual concordo 100%) é fascinante. Martin pode parecer perder um pouco ao abrandar o ritmo nalguns livros como introdutório a novas personagens mas é necessário e a maneira como o faz é inteligente e não "chateia" os leitores...
    Também eu me alonguei um bocadinho mas é um assunto sobre o qual é dificil dizer pouco...e por muito que se tenha dito parece que ainda falta referir mais alguns aspectos! Cumps

    ResponderEliminar
  5. Uma vez mais lá vou eu dar várias respostas ao mesmo tempo.

    Ricardinho:Olá. Obrigado pela tua visita e comentário. Aconselho-te a continuares a ler a saga. eu vou no 6º livro da versão portuguesa e para já está a um nível de qualidade muito alto, juntamente com o vício que não me deixa parar.

    Jojo: Obrigado pelo teu enorme texto! Gostei bastante! Percebo que em poucas linhas seja dificil falar destes livros. Acho que podiamos estar aqui o dia todo. Começariamos a falar destes livros e acabariamos com algo do tamanho da Irmandade do Anel.

    Sabicho: Uma vez mais muito obrigado pelas tuas visitas. Sei que és grande fã dos dois livros e que tal como tu acho as personagens de GoT fabulosas. também dava para ficarmos uma tarde a falar sobre elas. Também é verdade que vais à minha frente na leitura da saga, mas estou quase a apanhar-te!!!

    ResponderEliminar
  6. Este post é, aos meus olhos, um dos melhores posts que já li sobre livros. Talvez seja o melhor. Simplesmente excelente.

    ResponderEliminar
  7. Pedro Sousaagosto 03, 2011

    Estou no 5º livro. para já prefiro LOTR mas tambem vou esperar pelo fim desta saga.
    Esta tua opinião é muito boa. Lê o resto o mais depressa possivel e escreve o que achaste! realemtne tens razão, só se compara o bom com algo bom.

    ResponderEliminar
  8. como resposta diria que prefiro o game of thrones mas ainda irei reler o Lotr para me recordar. está uma opiniao muito bem construida, parabens.

    ResponderEliminar
  9. Nunca li o GOT e sou um grande fã de LOTR. vi primeiro os filmes e acabei a ler os livros. magnificos.
    gostei mt do teu texto. Vou começar a ler o GOT, estou a ver que vale o dinheiro gasto.
    uma vez mais um excelente texto.

    ResponderEliminar
  10. Rui Pontesagosto 03, 2011

    mesmo sem te conhecer faço-te uma venia "virtual" pelo teu trabalho no blog mas principalmente neste post. falaste de aspectos que me passaram completamente ao lado e tambem eu ja me perguntava qual destas series seria a melhor. o teu post é grande mas estás desculpado. li-o com enorme prazer.

    ResponderEliminar
  11. Eu vendia já o artigo a alguém que o quisesse comprar! Mas em tempos de crise talvez não consigas. lol. Fizeste um excelente texto luis, gostei bastante. Não li a saga GoT de que falas mas vi a série. Vou seguir o teu conselho e começar a ler essas milhares de páginas. Abraço

    ResponderEliminar
  12. Concordo com o que dizes. Qualquer um destes livros é imperdivel. senhor dos aneis é de certeza e pelo pouco que tenho lido parece que GRRM prepara-se para criar algo memoravel.

    ResponderEliminar
  13. Doute os parabéns pela excelente escolha de livros no teu blog. alguns são grandes obras e ninguém fala deles. esta tua comparação destes dois livros está muito bem conseguida, um artigo digno de revista ou jornais. bem vindo aos blogs e seguirei o teu com atenção.

    ResponderEliminar
  14. David Brasãoagosto 07, 2011

    Fez realmente uma bela comparação destas duas sagas. dou-lhe os parabéns. Sou um grande fã de senhor dos anéis há mais de vinte anos e sigo agora com atenção as suas críticas sobre esta serie de George martin. Mas não estará a ser uma saga demasiado grande?

    ResponderEliminar
  15. em resposta à sua pergunta eu respondo que prefiro o senhor dos aneis, mas tal como o Luis, também estou viciado em GRRM.
    em relação à sua opinião, só posso dar-lhe os parabéns. já li vários artigos que comparam estes dois livros e este é o melhor artigo que li. Artigo que certamente convence qualquer um a ler estes livros se ainda não o tiver feito. digno de página central de qualquer revista sobre o género. é refrescante ver que alguns blogs apresentam mais do que palavras soltas.

    ResponderEliminar
  16. Concordo com o Gonçalo em tudo, mas eu prefiro Game of Thrones.
    Parabéns pelo post.

    ResponderEliminar
  17. É impressionante como me consegues cativar a comprar os livros de que falas. Sobre este post é-me dificil decidir, mas talvez vote no LOTR porque só li 3 livros do George. a tua opinião está muito bem detalhada e construida. devias ter uma crónica numa revista da especialidade!

    ResponderEliminar
  18. Ora aí está! Muito bem!

    ResponderEliminar
  19. Na minha humilde opinião, um livro não depende só de quem o escreve mas também de quem o lê e de quando o lê. São ambos autores fantásticos mas em termos de apreciação penso que aproveitei o melhor dos dois! Digo isto pois li LOTR aos 15 e leio GoT com 30 anos. Penso que estou a ler ambos os livros na idade adequada para que os abracemos na sua plenitude. Adicionando este pequeno apontamento extra, subscrevo totalmente as palavras de Luis. Parabéns.

    ResponderEliminar
  20. Cheguei a este blog por intermédio da revista Bang! que descobri à algumas edições atrás...
    Primeiro, achei a tua crítica excelente, não só pela forma de escrever, como pela análise muito concisa às duas obras.
    Segundo, qualquer pessoa que não tenha lido nem LOTR nem GOT, depois da tua análise fica curioso!
    Eu só li LOTR e sou fã confesso do mundo Tolkiano, principalmente se nos lembrarmos que foi criado quando ainda pouco existia neste campo.
    Tenho alguma curiosidade em começar a ler GOT, mas fiquei com receio de que fosse uma cópia de LOTR e para isso, prefiro o original.
    Achas que vale o investimento?
    Continuação de boas leituras e boas críticas...
    p.s. parece que este blog convida a comentários longos..lololol

    ResponderEliminar
  21. Olá a todos! Queria antes de mais agradecer todos os comentários que escreveram sobre este post. Agradeço os elogios e as críticas e acima de tudo terem partilhado as vossas opiniões sobre estes dois livros. Vejo que é um tema "apetecivel" pelas pessoas.
    queria ainda responder de forma mais individual a algumas pessoas:

    Raimundo Machado: Tal como a todas as outras pessoas, obrigado pelo seu comentário. Também eu li LOTR aos 15 anos, e talvez seja uma das melhores idades para o ler, voltei a lê-lo aos 22/23 anos e redescobri novos significados. Voltarei um dia a lê-lo e possivelmente acontecerá o mesmo. Em relação a GOT, estou a lê-lo com 26 anos e acho que se fosse mais novo talvez não conseguisse captar alguma essência das personagens, por isso concordo consigo, a idade também conta.

    ADM: Antes de mais não sei como encontrou o meu blog a partir da revista Bang! mas ainda bem que o fez! Agradeço também o seu comentário e elogio. Tentei ao máximo enumerar algumas diferenças mais visiveis entre estas duas sagas, mas sei que ainda muito ficou por escrever. Em relação às pessoas ficarem curiosas em relação aos livros, ainda bem que acontece, acho que é um dos principais motivos para se escrever num blog, "puxar" as pessoas cada vez mais para as leituras.
    Em relação ao que me pergunta sobre se "vale o investimento" a minha resposta objectiva seria "sim" mas vou tentar explicar a minha resposta em poucas linhas: primeiro, tal como deve ter reparado na minha crítica, acho que GOT está muito diferente de LOTR, pouco os une e como tal, ao contrário de muitas outras obras que li, não considero GOT uma cópia de LOTR. Agora, no meu entender, para se decidir a começar a ler GOT terá de ponderar três factores: primeiro o tempo que levará a ler esta saga, serão 7 livros, cada um com cerca de 1000 páginas, são quase 7 LOTRs. lol. Em segundo há a questão financeira, em Portugal serão 14 livros (a manter-se a média de dividir os livros originais em 2). Terceiro, acho que começar a ler uma saga que ainda não acabou traz sempre um risco, quer seja por o autor nunca chegar a acabar a saga, quer seja pela qualidade que pode vir a diminuir. Eu já li 6 livros (equivalente a 3 originais) por isso ainda não vou a meio da saga, no entanto decidi arriscar e garanto-lhe que do meu ponto de vista vale a pena, pelo menos até agora. Sempre gostei de personagens complexas, de jogos de interesses e de autores que não têm medo de arriscar em certos momentos, quer seja por mortes, decisões inesperadas, etc... para já GOT é realmente bom.
    na próxima segunda-feira, dia 15, lançarei a minha opinião sobre o 6º livro desta saga e convido-o a lê-la, porque acredito que o irá ajudar a decidir se deverá ler ou não esta saga por outras razões que ainda não mencionei e que se tornaram importantes neste livro.
    p.s.: realmente os comentários são extensos,(os meus são do mais extenso que pode haver) mas agradeço que assim seja, pois acho que demonstra interesse e também gosto de ler as opiniões de outras pessoas.E não seria justo pedir comentários pequenos quando eu escrevi um post tão grande. lol

    Uma vez mais obrigado a todos por me darem motivação para continuar!

    ResponderEliminar
  22. Acho muito dificil escolher o meu preferido. Percebo quando falas em tantas diferenças e concordo ctg. Se tivesse de escolher o que mais prazer me deu talvez escolha a guerra dos tronos. mas tambem concordo ctg quando falas nas diferenças da fantasia. muito bom post, continua.

    ResponderEliminar
  23. Ana Filipaagosto 16, 2011

    "Martin (...) dá-nos um lado visual mais adulto, com a violência normal numa guerra, com sexo e com todo o ódio e desprezo que a mente humana é capaz de produzir."
    Adorei esta frase. Uma das grandes diferenças em poucas palavras.

    ResponderEliminar
  24. Olá mais uma vez...
    só para responder à pergunta, estava a navegar no site da revista Bang! e nesta havia um link para este blog (especificamene para este post especifico) :) Parabéns!
    Obrigado pela resposta personalizada à minha questão e na verdade estou definitivamente tentado a lançar-me no mundo de GOT.
    AndréM

    ResponderEliminar
  25. Marta Rodriguesagosto 30, 2011

    Vende já este artigo à Bang! Eles vão gostar de certeza. Eu gostei bastante, está muito bom.

    ResponderEliminar
  26. Tal como algumas pessoas que já comentaram eu ainda não li a saga de Martin, vou apenas no segundo livro... mas no ponto em que estou já deu para perceber que tens razão! E como já te disse no Facebook, esta foi a primeira crítica tua que li e achei fenomenal! Obrigado por escreveres Luis!

    ResponderEliminar
  27. Como já te disse, vou no 6º livro desta saga e voltarei a ela depois de ler o Terror Vol. 2. É daquelas sagas que vale a pena todo o tempo que gastamos a lê-la.
    Obrigado pelos teus comentários Filipa!

    ResponderEliminar
  28. Rui Sequeirasetembro 08, 2011

    Poucos textos de um blog me deram tanto prazer a ler quanto este. Está de Parabéns! Serei a partir de hoje um visitante constante deste blog.

    ResponderEliminar
  29. Embora LOTR seja realmente uma obra prima, ainda assim prefiro GOT. Mas não é que GOT seja melhor ou pior, mas sim que o estilo do Martin me agrada e envolve mais.

    ResponderEliminar
  30. Um artigo simplesmente genial. Parabéns!

    ResponderEliminar
  31. Marcelo Soeirojaneiro 05, 2012

    Achei seu blog por acaso e, parabenizo-o pela suas impressões. Confesso que as minhas são bem parecidas. O mundo de Tolkien é bem preto no branco, tudo está perfeitamente definido: o inimigo é mau e quer escravizar o mundo e os heróis, em grande desvantagem, partem em uma demanda impossível, onde o fracasso não é uma opção. Eu achei a palavra estereotipado um tanto forte para os personagens de Tolkien, e explico o porquê: por exemplo, Gandalf. Ele é o estereótipo do mago?!?! Sim, de diversas formas, o cajado e o chapéu pontudo falam por si. O problema é: por que então ele não sai por aí lançando bolas de fogo, raios e coisas do tipo?!?! Eu acho que muitos personagens podem até aparentar serem estereótipo, mas, podem se mostrar bem longe disso. Já Boromir e Aragorn certamente são beeeem estereotipados.
    Outra questão é sobre a profundidade dos personagens. Não sei se os de Martin são mais profundos que os de Tolkien, acho que não concordo com isso. Na verdade, eles são muito profundos dentro do universo para o qual se propõem. Veja bem, você remonta a estória de Aragorn e mesmo Olórin (Gandalf) desde o Silmarillion. Bilbo é fenomenal!!! Mas, como muito bem dito, vivemos dias em que é bem mais fácil escrever. Paremos para pensar de o Professor Tolkien tivesse um microcomputador em sua época!!! Alguém já leu o prefácio de LoTR?!?! Lá ele diz que o maior defeito do livro é que ele é curto demais!!! E, isso é justificável, pois ele fala de todo seu trabalho como datilógrafo de sua obra, imagine escrever aquilo tudo em máquina de escrever!!! Hoje, vemos que já não é nem tanto assim, como o próprio Martin prova para nós...
    Agora, quem é o melhor?!?! Acho que nem depois de terminar os livros de Martin eu apontarei um, o motivo é óbvio: como eu disse, o Universo de Tolkien é direto, enquanto o de Martin é povoado de intrigas. E, também concordo que Crônicas de Gelo e Fogo não é uma fantasia, digamos, pura, longe disso. Comparar Tolkien com C. S. Lewis é fácil, Tolkien é infinitamente superior. Mas, numa coisa creio que concordamos: nunca, em nenhum momento, desde que li LoTR, jamais nenhum outro livro de ficção fantástica tinha me sido tão prazeiroso quanto esta nova saga. Eragon quase conseguiu, mas, ainda não li o quarto livro, aliás, nem sei se já saiu por aqui (já devem ter percebido que sou brasileiro e não lusitano... ;)). Só que, pelas suas diferenças, e pelo que é a obra de Tolkien, ela me alcança de formas que Martin não consegue.... e vice-versa!!! Então, sinto uma divisão muito grande!!! Realmente, no período em que SdA foi escrito, é bastante visível até que uma estória pura e direta fosse algo muito mais coerente para uma época em que tudo era mais inocente e puro, ainda que a humanidade estivesse em guerra. As pessoas eram melhores, creio eu, vejam, por exemplo, como Bill Samambaia é tratado em SdA, como Mestre Bill!!! Mesmo quem não tinha boa índole era tratado educadamente!!! Martin é, certamente (e não poderia ser diferente e me desculpem o trocadilho) bem mais medieval, nesse caso. Mas, fico feliz por, finalmente, ter encontrado livros dignos de serem colocados ao lado dos meus livros de Tolkien.

    ResponderEliminar
  32. Marcelo Soeirojaneiro 06, 2012

    Agora, para fechar meu comentário, gostaria de polemizar algo que foi dito: quais críticos colocam Tolkien como o maior escritor?!?! Olha, devem ser fãs de carteirinha!!! Entenda, SdA sempre aparece em muitas listas de melhores livros para se ler, etc. É muito comum. Mas, não é unanimidade, longe disso, tem muitas outras listas onde ele não aparece. Tolkien eu diria que é o escritor mais injustiçado da história. Escreveu muito, escreveu bem, mas, nunca foi (ou muito pouco) compreendido pela crítica especializada. Muitas vezes foi ridicularizado, aliás, isso fica claro no prefácio de SdA quando ele diz "Algumas pessoas que leram o livro, ou que de qualquer forma fizeram uma crítica dele, acharam-no enfadonho, absurdo ou desprezível; e eu não tenho razões para reclamar, uma vez que tenho opiniões similares a respeito do trabalho dessas pessoas, ou dos tipos de obras que elas evidentemente preferem".
    Particularmente, como literatura, livros como Madame Bovary (Flaubert), Ilusões Perdidas (Balzac), O Vermelho e o Negro (espetacular, Stendhal), Crime e Castigo (Dostoiévsky), Os Sofrimentos do Jovem Werther (Goethe), dentre outros, são livros que cito que me tocam muito profundamente, e, com certeza são melhores que SdA em muitos aspectos, mas, como o gênero fantasia é meu predileto, não chegam onde Martin ou Tolkien chegam, ou mesmo Eragon. Ainda assim me emocionaram e extasiaram com tanta intensidade quanto os representantes da literatura fantástica!!! Então, eu acho que seria mais apropriado dizer que são excelentes ou melhores naquilo que se propõem, como literatura, como entretenimento. Mas, apontar o melhor dos melhores, céus, isso acaba até esbarrando no ego do ser humano, podem acreditar. Os leitores de Harry Potter juram que ele é melhor que SdA, e eu pergunto: pode isso?!?!

    ResponderEliminar
  33. Olá Marcelo Soeiro.

    Antes de mais deixa-me agradecer o teu comentário!
    Aquilo que escreves vai ao encontro da minha noção desta "guerra" que se tenta criar entre Tolkien e Martin.
    Quando disse que as personagens de Tolkien eram mais estereotipadas foi mais no factor do lado pelo qual lutam e como tal estou de acordo contigo quando olhamos para Gandalf e não, ele não é um mago como estamos habituados, mas em termos de lealdade, desde cedo se percebe que estará pelo lado do bem até ao fim. Era nesse sentido que falei em personagens estereotipadas, algo com que Martin corta totalmente e concordo totalmente contigo nas personagens Aragorn e Boromir.
    Na parte da profundidade das personagens talvez não me tenha explicado bem. Eu considero as personagens de LOTR profundas, mas em comparação Martin vence, e vence porquê? Porque tem do seu lado duas ajudas: primeiro tem mais livros, e em segundo tem a forma de narração, com os olhares de personagens distintas, pensamentos, etc... claro que se Tolkien vivesse agora, numa era informatizada (em que escrever, apagar e voltar a escrever é fácil e rápido) em que a fantasia já é vista com outros olhos, possivelmente não conseguiríamos imaginar até onde iria Tolkien. Seria certamente muito longe e a sua obra seria ainda melhor!

    Na parte de quem é o melhor escritor, penso que cada crítico (e eu não sou um crítico minimamente qualificado) terá a sua opinião e serão muitos os que olharão para Tolkien como o melhor de sempre, outros não conseguirão ler as suas palavras. O consenso nunca irá existir, porque também é óbvio que Tolkien nunca conseguiria escrever como Dostoiévsky e vice-versa. Mas se por um lado é impossível escolher o melhor (e acho que é algo que nem se deve tentar fazer) por outro se olharmos para a literatura por vários géneros, então Tolkien distingue-se mais no seu género do que qualquer outro autor noutro género. Tolkien fez mais pela fantasia do que qualquer outro autor nos géneros em que escreveram. Mas isso chega para ser considerado o melhor? Acho que não é assim tão linear. Por isso digo, o melhor não importa, o que importa é perceber o que realmente é bom e deve ser lido.

    Pessoalmente aproveito ainda para dizer que tinha muitas esperanças na saga Eragon, mas acabou por ser uma enorme desilusão para mim, e digo porquê: primeiro toda a comparação com a saga Star Wars (da qual sou enorme fã) é enorme. Estamos a falar de um órfão que vive com familiares, os familiares morrem, aparece um antigo e poderoso guerreiro que o treina, depois o poderoso guerreiro é morto pelo vilão, etc... e etc... podia estar aqui o dia todo.
    Depois há o facto de o mundo ser muito Tolkiano: os elfos vivem em florestas, os anões em grutas. Por aí fora.
    Repara que não estou a dizer que não gostei da saga Eragon (também ainda não li o último) mas houve realmente uma desilusão muito grande. Mas espero um dia acabar a saga para ter uma melhor ideia.

    Muito obrigado pelos teus comentários! Continua a aparecer por aqui para continuarmos estas conversas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marcelo Soeirojaneiro 12, 2012

      Bom, concordamos finalmente no aspecto julgar quem é o melhor: não deveria ser feito. Jamais. Uma estória pode ser interessante e criativa, mas, não necessariamente bem escrita, como, na minha humilde opinião, J. K. Rowling ou Paulo Coelho. Que os fãs não me entendam mal, mas, leiam SdA, leiam GoT ou, se quiserem fazer uma comparação mesmo, leiam Balzac, Stendhal, Flaubert, Dostoiévsky ou Machado de Assis e vejam estórias não apenas excelentes, mas, com uma escrita igualmente excelente. Quem já leu, sabe do que estou falando. Na minha humilde opinião, os que citei são melhores escritores que Tolkien, imagine então Rowling ou Paulo Coelho. Aí é que está o perigo de se tentar eleger melhores ou piores: eu vou me manter isento de preferências e fazer um julgamento imparcial, ainda que isso contrarie meu gosto pessoal ou vou me deixar levar pelo lado fã e vou jurar de pé junto que Rowling é a melhor escritora da história (já vi isso, infelizmente), porque eu gosto de Harry Potter e, talvez, só tenha lido isso na vida?!?! Em uma lista de excelentes livros para se ler, acho que em um blog que vi por aí, a mocinha realmente falou isso (sobre Rowling) e, não satisfeita com essa quase heresia, ainda detratou o trabalho dos escritores que citei (que estavam na lista e Rowling não), dizendo com todas as letras que o trabalho deles era velho, não prestava, etc (isso sim uma heresia completa!!!). Mas, realmente fico feliz com sua posição isenta e sensata. Como disse em meu post anterior, ainda que ache os outros escritores que citei melhor que Tolkien, existem pontos em meu íntimo que somente o Professor alcança. Nem Martin. Nem ninguém. O mesmo para Martin, em relação a Tolkien. Mas, nesse ponto, creio que os romances clássicos perdem nesse ponto, pois eles costumam me emocionar (e muito!!!) de maneira bem parecida, pois as estórias costumam ser bem parecidas. Para quem leu Ilusões Perdidas de Balzac pode até achar que O Vermelho e o Negro de Stendhal foi escrito junto (ou vice-versa), pois têm muitos pontos em comum, mas, mesmo assim, possuem identidade própria e são absurdamente excelentes cada uma, individualmente. Já SdA e GoT são únicos em narrativa, estória e emoções geradas, tenho certeza disso.
      Quanto a Eragon, acho que você talvez esteja se precipitando um pouco. Leia o terceiro livro (já saiu o quarto por aí?!?!) e talvez mude de ideia. Sim, tem muita coisa de Star Wars (também gosto muito, afinal, tenho 39 anos e, fez parte da minha infância!!!), inclusive, se já leu Eldest, sabe que Eragon foi treinar com o Mestre Yoda da série!!! :D Mas, o mérito da série é outro, creio eu, embora longe da profundidade de Martin, bom, Elfos não costumam ser tão bonzinhos, como os de Tolkien e desconfiança e intrigas permeiam todas sociedades existentes, sejam anões, elfos ou humanos. Basta ver os Varden.
      Além do mais, achei bem original o relacionamento entre cavaleiro e dragão, além da maneira que Paolini tratou os fundamentos da magia, bem diferente de tudo que já tinha visto. É magia, mas, parecem obedecem a mais regras do que as que estamos acostumados, ela "gasta", digamos assim. Além do mais, o terceiro livro (Brisingr) tem um desfecho atordoante, que nos deixa realmente esperando pela conclusão, o que realmente não acontece nos dois primeiros volumes. Além do mais, você acaba descobrindo que o Mestre Yoda em Eragon pode não ser tão bom quanto em Star Wars... apenas para aguçar a curiosidade!!!

      Eliminar
  34. Começo o meu comentário por dizer , desde já, que a comparação perante estas duas obras está excelente! Parabéns.
    Eu nunca li nenhuma obra de fantasia. Sou do estilo mais realista, ou seja, Tolstoi, Dostoievski, Somerset Maugham, enfim uma data de escritores excelentes que fazem parte do meu currículo de leitura. O que está em causa é que eu decidi comprar os volumes todos publicados em Portugal das crónicas do Gelo e Fogo sem nunca sequer ter lido qualquer livro sobre fantasia ( à excepção dos Talismãs da Morte). Fui impulsionado, principalmente, pelos comentários e resumos que tenho visitado nos últimos dias, tendo em conta este blog. Agora, peço-lhe a sua opinião se fiz bem ou mal em ter comprado ou se acha que para uma obra de fantasia deva ser esta a minha iniciação.
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá pedro aguiã. Obrigado pelo comentário. Lamento só responder agora.

      Em relação à sua pergunta, acho que fez uma excelente escolha. Primeiro porque se gosta de Tolstoi e Dostoievski, gostará certamente de personagens fortes, consistentes e de uma narrativa que nos faça conhecer essas mesmas personagens. E a saga de George Martin tem das melhores personagens dentro do seu género, sendo para mim o grande forte desta saga.

      Por outro lado, se está habituado a uma literatura mais realista então pede-se que entre na fantasia com calma e não passar logo para um extremo. Uma vez amis a saga de George Martin encaixa de forma perfeita, porque a introdução da fantasia é muito suave, não sendo uma saga que tenha por base a fantasia, mas sim o realismo das suas personagens.

      A enorme quantidade de personagens pode ser um entrave para alguns leitores, mas se lê Tolstoi não terá problema, pois também o escritor russo apresentava muitas vezes um vasto "elenco" nas suas obras.

      Acredito que fez uma boa escolha e que irá gostar, porque George Martin tem uma capacidade impressionante de nos ligar a algumas personagens. Será, certamente, das melhores sagas a ler, para quem não tenha um contacto constante com a literatura fantástica.

      E confesso que fiquei curioso de saber a opinião de uma pessoa que não costuma ler fantasia. Quando acabar algum dos livros, diga-me o que achou.

      Qualquer dúvida, pergunte! Posso é demorar uns dias a responder.

      Eliminar
  35. Agradeço a resposta, Luís.
    As personagens talvez não irão ser um entrave na leitura pois já estou habituado, principalmente com Tolstoi. Aliás, acabei, relativamente, à pouco tempo de ler Guerra e Paz cuja obra tem mais de 500 personagens. Uma obra fenomenal, deveras.
    Acho que no meu caso inverti os papéis. Com a minha idade, 15 anos, estaria nesta altura a ler mais fantasia do que, propriamente, obras-primas ou clássicos da literatura. Mas o que acontece é que eu tenho uma grande paixão pela literatura clássica - principalmente pela russa - o que deveras, penso que é um bocado anormal na minha idade ( esta é a opinião maioritária dos meus amigos).
    Recebi ontem a encomenda dos livros. Vou só acabar o livro que neste momento me encontro a ler e partirei, digamos, para uma "aventura".
    Abraços.

    ResponderEliminar
  36. Olá pedro.

    Realmente inverteu os papéis, apesar de não ser caso único, conheço outras pessoas com o mesmo caso, mas não se costuma ler muita literatura clássica com 15 anos. No entanto, outras pessoas que conheço, que também o fizeram, acabaram mais tarde por saltar para a fantasia e gostaram.
    Acredito que também irá gostar, pois GRRM tem um talento raro para prender o leitor.

    Fico à espera de opiniões!

    ResponderEliminar
  37. Olá pessoal intelectual.
    eu estou lendo o 3° livro a saga as Crônicas de Gelo e Fogo, mas li tembém a saga A Herança de Chispher Paolini.E a julgar as diferenças entre essas 2 fantásticas fantasias digo eu que George R.R. Martin é um grande GÊNIO !


    Walace, 14 anos.
    Viciado em livros séries e filmes medievais !!!
    Valeu galerinha.

    ResponderEliminar