segunda-feira, 8 de agosto de 2011

ARCANUM

Autor: Thomas Wheeler

Título original: Arcanum

Antes de dar a minha opinião sobre este livro quero apenas explicar que este livro que vos trago hoje também pode ser encontrado nas livrarias pelo nome “Clube Arcanum”. Trata-se do mesmo livro, editado em momentos diferentes, com nome e capa diferente. Como tal deixo-vos aqui as duas capas para que percebam que se trata do mesmo livro.

Falando agora do livro devo começar por explicar que o autor deste livro traz-nos personagens reais como Sir Arthur Conan Doyle, H. P. Lovecraft ou ainda Houdini. Tais personagens, se bem construídas, dariam a este livro o essencial para ser lido.
O início é cheio de acção mas é com a introdução das personagens principais que este livro ganha interesse. Distintas, com personalidades fortes, a interacção é bem conseguida durante todo o livro. Contudo, achei que estas personagens acabam por perder algum do fulgor com o passar das páginas. Tanto Houdini como Doyle, mostram-se no início como homens de fabulosas capacidades, principalmente para antever acções ou decisões no ambiente que os rodeia. Se tal no início é muito bem conseguido e me fascinou, já no fim pareceu-me que essa capacidade desapareceu, tornando-os quase vulgares tendo por comparação aquilo que demonstram até pelo menos meio do livro.
A história é bem conseguida e de fácil leitura. Uma escrita que nos dá menos descrições e mais acção, ao estilo de Dan Brown, Wheeler consegue prender-nos ao livro se gostarmos do género. Estes thrillers sobrenaturais estão, na minha opinião, muito batidos e é raro aparecer algo que se destaque, principalmente se tiver como base a luta entre o Bem e o Mal, o Céu e o Inferno. Arcanum é dentro do seu estilo um bom livro, que nos leva para uma América que em 1919 ainda vive dos traumas da Grande Guerra (Primeira Guerra Mundial), oferecendo um ambiente interessante. Para quem não aprecie este género de livros Arcanum poderá ser apenas mais um livro, sem grandes aspectos a serem recordados. Eu apreciei-o por ser um livro rápido, sem tempos mortos, cheio de adrenalina e suspense, um bom livro de férias, onde não precisamos de pensar muito para percebermos o que o livro nos está a oferecer. No entanto este livro poderia ter sido algo mais, as suas personagens assim o exigiam, principalmente no fim, onde se pedia algo de genial a ser feito por Houdini, Doyle ou Lovecraft. Tal, na minha opinião não acontece, e deixou-me desiludido, principalmente quando a personagem de Houdini se mostra com um ego tão grande (e incrivelmente divertida devido a isso mesmo), esperava algo mais, ou pelo menos algo diferente.
Se gostarem de thrillers que tenham algo de sobrenatural, então este livro não desiludirá graças ao seu ritmo e personagens cativantes com bons diálogos e muita acção. Se este género for algo que nunca tenham apreciado, não será este o livro que vos fará mudar de ideias.
Este é um livro que por vezes é mais um filme pela acção do que um livro pelas descrições e tal facto agradará a uns e desiludirá outros.
Deixo-vos aqui a sinopse para que possam decidir se poderá ser uma boa aquisição.

Estamos em 1919 e a Grande Guerra chegou ao fim. Mas nas sombras da civilização as mortes apenas acabam de começar. Nestes tempos perigosos em que a linha entre ordem e caos ameaça extinguir-se, um grupo de visionários jura proteger a humanidade. São conhecidos como Arcanum. Quando Konstantin Duvall, o fundador do Clube, morre de forma suspeita em Londres, cabe ao mais antigo membro, o famoso escritor Sir Arthur Conan Doyle, investigar o caso. Pois da biblioteca secreta do morto desapareceu o artefacto mais poderoso do mundo: o Livro de Enoque. Este é um crime que ameaça ser muito mais do que uma guerra entre seitas ou nações, mas sim a derradeira batalha entre o Céu e o Inferno. Arcanum é um thriller brilhante e original sobre o religioso e o sobrenatural. Repleto de drama, suspense e algumas das personagens mais marcantes da história, como o mágico Houdini, o estranho escritor H. P. Lovecraft e o engenhoso Sir Arthur Conan Doyle, criador de Sherlock Holmes.   

6 comentários:

  1. Li este livro este ano. Achei-o frenético e cheio de adrenalina! Para mim, o problema foi o "cair do céu" de alguns factos. Ainda assim gostei bastante do Lovecraft e do enorme ego do Houdini!

    ResponderEliminar
  2. Olá Jojo. também gostei muito do ego do Houdini e foi algo do qual me esqueci de falar, vou acrescentar porque é uma enorme falha. obrigado.
    em relação aos outros factos de que falas, foi também o que menos gostei.

    ResponderEliminar
  3. Eu gostei imenso deste livro :)
    Já agora, deixo a minha opinião do mesmo: http://labirinto-livros.blogspot.com/2011/08/opiniao-arcanum.html

    ResponderEliminar
  4. Parabéns pelo blog. Todos os livros neste blog que ainda não li já estão na lista de futuras compras. Não pare. Este já tenho e é para ler no futuro, depois digo o que achei.

    ResponderEliminar
  5. Li este livro o ano passado e gostei bastante. Fez-me encarar o Lovecraft com outros olhos e pensar em ler as suas obras um dia e também gostei bastante da personalidade do Houdini. :) Em relação à escrita concordo contigo Luís, em certas descrições parece cinematográfica, mas a mim pessoalmente não me causou confusão. :)

    ResponderEliminar