segunda-feira, 15 de agosto de 2011

A GLÓRIA DOS TRAIDORES

Autor: George R. R, Martin                       

Título original: A Storm of Swords

Após acabar o 5º livro (primeiro volume do 3º livro na versão original) comecei este cheio de expectativas visto que Martin tem deixado sempre o melhor para o fim. Mas conseguiria este 6º livro ser melhor que o anterior? Conseguiria ser tão bem construído e consistente? A resposta é “sim”.
Martin consegue neste livro um efeito em mim que não esperava alcançar a meio de uma saga, porque se este é o fim do 3º livro e possivelmente serão 7, então ainda nem a meio vou! Mas já voltamos a este assunto, primeiro vamos ao porquê de o livro ser realmente tão bom, e o preferido da grande maioria das pessoas que lê esta saga.
Na minha opinião, até ao livro anterior, esta saga tinha sido sobre personagens. Apesar de a história ser muito boa, o que marcava a diferença eram as personagens, tudo o que engloba as suas personalidades, a “profundidade” que Martin alcançara. É isso que eu mais recordo, alguns pensamentos, algumas decisões, é isso o tema de conversa com os meus amigos. Mas, neste livro é diferente. A qualidade das personagens mantem-se, Martin já mostrou que não deverá falhar nesse aspecto, mas a história apesar de muito boa, era quase secundária em qualidade, tal é realmente a qualidade das personagens. Agora a história eleva-se a um novo patamar, destruindo, em muitos casos, aquilo que fomos construindo na nossa mente nos livros anteriores. Martin volta a arriscar, volta a surpreender e neste momento a questão é se irá parar, ou se um dia eu irei ler as suas páginas e pensar “isto foi previsível”, porque até agora quase nada o foi. É este o seu segredo, o que nos leva a ler mais e mais. Primeiro faz-nos gostar das personagens, depois faz-nos temer por elas. Um personagem, mais ou menos importante, que numa página está reunido com os seus amigos, divertido e sem preocupações, na página seguinte está morto. A imprevisibilidade da vida está tão presente em cada capítulo que já não me dou ao trabalho de tentar adivinhar o que está para vir, limito-me a ler e a aproveitar cada reviravolta acreditando que haverá sempre mais no futuro, tal como há na própria vida.
Em termos de personagens há algumas que me espantam cada vez mais. Começo, sinceramente, a ficar fã de Jaime enquanto Tyrion e Jon conseguem manter o nível dos anteriores livros. Achei que em termos de número de páginas Daynerys perdeu algum do peso que tinha, mas os seus capítulos são bem preenchidos, com decisões difíceis de tomar e boas revelações, o que compensou. Os capítulos de Arya surpreenderam-me, e se houve um momento em que achei o seu “regresso” a casa com um ou outro acontecimento mais “forçado”, neste livro perdi essa sensação e gostei sinceramente.
No entanto o que marca neste livro é o que acontece em 5 ou 6 momentos. Martin dá um murro no estômago de todos aqueles que leram este livro e a mim convenceu-me. O último capítulo é a prova do que falo. Martin dá-nos um fim fabuloso e garanto-vos que se tivesse o próximo livro já o estaria a ler!
No entanto há algo que devemos pensar: neste 6º livro Martin ainda não vai a meio da sua saga. Conseguirá ele manter este nível? Este ritmo? Este desenrolar frenético de acontecimentos? Sinceramente acho que não por dois motivos. Primeiro, porque esta qualidade é muito difícil de se manter, não por Martin não o conseguir, mas porque a própria história não o permitirá, em alguma altura terá de abrandar até para reflexão do que se passou. Nenhuma saga pode manter um nível tão elevado. Em segundo penso que Martin não irá manter este ritmo, porque sinceramente não o deve fazer. Se este ritmo se mantivesse durante muitos livros, iria exasperar todos os leitores que acabariam a pensar “já estamos aqui a enrolar, tanta coisa, tanta coisa e isto nunca mais acaba”. Penso sinceramente que Martin será obrigado a desacelerar e acredito que a série não perderá qualidade.
Quando li o 4º livro disse que “era o melhor livro da saga até então”, depois disse o mesmo sobre o 5º e agora voltarei a repeti-lo neste. A Glória dos Traidores é na realidade a Glória de George Martin. Um livro que está a outro nível, coroando Martin como o grande escritor da actualidade neste ramo. A sua complexidade é extraordinária e o trabalho para produzir e “movimentar” tal universo de personagens é de louvar. Este é, sem qualquer dúvida, uma obra-prima da fantasia, um dos melhores livros de sempre. Depois de colocar Tolkien na prateleira tornou-se difícil ser surpreendido pela qualidade de uma fantasia, mas Martin conseguiu.

Deixem-me as vossas opiniões!

13 comentários:

  1. "A Glória dos Traidores é na realidade a Glória de George Martin."
    Se esta frase estivesse na lombada do livro até vendia mais! parabéns, mais uma excelente crítica.

    ResponderEliminar
  2. GRRM não para de surpreender e tu também não. Adorei o teu texto, simples, esclarecedor e directo. Muito bem como sempre.
    O livro ainda não o li e agradeço-te não teres revelado nada. Eu pelo menos não apanhei nenhum spoiler. Continua com a saga.

    ResponderEliminar
  3. Conheço-te o suficiente para saber que és exigente com o que lês. Se falas tão bem deste livro então vale a pena de certeza. Já adicionei estes livros à minha lista.

    ResponderEliminar
  4. este blog foi a "pior" coisa que já me aconteceu. sempre que venho aqui decido comprar mais um livro. lá se vai a mesada!

    ResponderEliminar
  5. George RR Martin não pára de surpreender e este blog também. Grande qualidade. Já li este livro e as suas palavras fazem um enorme sentido. Continue que eu também continuarei a ler outros livros dos quais já falou. Digo-lhe ainda que os seus textos são na grande maioria de tamanho consideravel, o que pode afastar alguns curiosos, mas digo-lhe que as suas críticas em nada são enfadonhas. mais vale grande e com conteúdo do que pequeno e sem nada.

    ResponderEliminar
  6. É um livro com vários momentos WTF?! sem dúvida alguma e o melhor da saga! É lógico que o ritmo irá abrandar...acredito que um pouco forçado pela divisão que ele teve de fazer entre A Feast for Crows e A Dance with Dragons, mas quando começares a ler o próximo irás perceber que é necessário tal como foi para o inicio do 3º...
    Continua com as criticas tão sempre num nível altissimo!

    ResponderEliminar
  7. Concordo bastante com esta crítica, que mais uma vez está excelente. Adorei este livro, acho que é um dos melhores livros que já li. Quando cheguei à página 501 deu-me vontade de "entrar" dentro da história e esganar uma certa personagem(!) É incrível como o Martin faz tudo encaixar mesmo que seja confuso e complexo ao início. Já li o livro seguinte, que é um pouco mais "tranquilo" o que acho necessário para o equilíbrio da história e para permitir aos leitores respirar um pouco...Tenho a convicção que este autor irá manter o nível de qualidade nos livros restantes, e de certeza que a forma como a história se irá concluir não deixará de ser no mínimo, polémica... Aguardemos...

    ResponderEliminar
  8. olá aliena! Realmente também tive vontade de esganar algumas personagens. Espero ainda que o fim seja polémico, se o for é porque Martin arriscou e surpreendeu. Será impossivel agradar a todos mas Martin costuma arriscar bem.

    ResponderEliminar
  9. Estou a ler este livro e a adorar! Gostei mesmo muito da tua crítica, Luís. Quando acabar, passo novamente por aqui a dizer o que achei :)

    ResponderEliminar
  10. Fico à espera da tua opinião!

    ResponderEliminar
  11. Mais uma excelente crítica. Sem palavras!

    ResponderEliminar
  12. Uma das melhores opiniões que já li sobre este livro. Talvez a melhor. Gostei mesmo mt. Concordo contigo em tudo. Acabei agora este livro e vou já começar o próximo.

    ResponderEliminar
  13. tiveste bem, como sempre. vou começar esta série este ano e as expectativas são altas.

    ResponderEliminar