segunda-feira, 20 de outubro de 2014

O REI DE FERRO E A RAINHA ESTRANGULADA


Autor: Maurice Druon

Título original: Le Roi de fer; La Reine Étranglée



Sinopse: O Rei de Ferro - Filipe, o Belo - é frio, cruel, silencioso, e governa o reino sem hesitações. Apesar disso, não consegue dominar a própria família: os filhos são fracos e as esposas, adúlteras, ao mesmo tempo que a sua filha de sangue, Isabel, é infeliz no casamento com o rei inglês - que parece preferir a companhia de homens.
Empenhado na perseguição aos ricos e poderosos Templários, Filipe sentencia o grão-mestre Jacques de Molay a ser queimado na fogueira, atraindo sobre si uma maldição que vai destruir o futuro da sua dinastia. Morre nesse mesmo ano, deixando o reino em grande desordem. O seu filho é nomeado rei, mas com a esposa presa e acusada de adultério, é incapaz de gerar um herdeiro e de garantir a sucessão. Enquanto a cristandade espera um papa e as pessoas estão a morrer de fome, as rivalidades, intrigas e conspirações vão despedaçar o reino e levar barões, banqueiros e o próprio rei a um beco sem saída, ao qual só parece ser possível escapar pelo derramamento de sangue.


Há dois factos que devo assinalar logo no início. Em primeiro lugar dar os parabéns à editora por ter apostado em juntar os dois primeiros livros da saga num só, permitindo que a história se torne melhor e mais completa ao fim da primeira leitura. O segundo facto é que este livro é mesmo muito bom!

Sendo dois livros num só, estamos perante uma leitura de mais 470 páginas, mas a enorme velocidade a que o li demonstra o quanto me agarrou. Druon apresenta um trabalho meticuloso e objetivo, não tendo problemas em chocar o leitor com alguns acontecimentos inesperados. Confesso que no início, por não ser um grande conhecedor da história de França, achei estranho o livro estar a dizer-me, de forma totalmente direta, que a rainha iria ser estrangulada. Porquê tal revelação ainda antes de começar a leitura? A razão é que tal facto é apenas uma migalha em toda a intriga que Druon criou. 

Apesar de cada livro original ser pequeno (este livro contém os dois originais e não é assim tão gigantesco), o autor explora de forma muito completa um enredo cheio de intriga, política, religião, espionagem, sexo, etc... Os temas encaixam de forma surpreendente em alguns momentos e apesar de estarmos perante um romance que não foge muito do que foi a história, vemos com facilidade que o autor oferece um toque de ficção que é muito agradável e nos prende com facilidade. É difícil arranjar um romance histórico que demonstre, logo desde o início que estamos perante algo bom.

Druon escreve com calma, sendo acutilante quando é preciso mas também um professor para o leitor que não conhece detalhes importantes da história. Este é um aspeto muito importante nos romances históricos: a capacidade do autor em nos dar o contexto político/social para percebermos algumas decisões e acontecimentos, e não saturar ao fazê-lo. Druon consegue-o com grande facilidade. A isso consegue aliar um conjunto de personagens interessantes, algumas muito bem conseguidas, sendo notório que a linha que separa "os bons e os maus" é muito ténue. É tudo uma questão de interesses, coragem e firmeza moral. Pelo meio as paixões, os medos, as dúvidas. Druon cria personagens completas e que nos prendem, e torna-se muito difícil largar o livro.

Até onde iremos por poder? O que torna  digno o homem que tem como objetivo governar? O que o torna apto para tal? O que leva alguém que já tem tanto, quando comparado com a maioria da sociedade, a desejar ainda mais... e a arriscar tudo por mais poder? É nestas questões que o livro se sustenta, transportando-nos para a loucura dos nobres e para as conspirações dos astutos e falsos. Este é um enredo de aliados esquivos e inimigos das sombras...

Estes são apenas os primeiros dois livros de sete, e por isso não me alargo muito na minha opinião. O que é óbvio é que irei ler esta saga até ao fim, porque Druon começa-a com um trabalho muito acima da média. Existe inteligência por parte da editora em juntar estes dois livros, pois a segunda parte é mais cativante e mais intensa, com um final que nos leva a querer ler já o próximo. Para já, muito bom. Que venham os próximos, e rápido!

Luís Pinto

2 comentários:

  1. Eu estava na dúvida: a Marcador juntou mesmo os dois primeiros livros? Não foi impressão minha??

    De resto, já o tenho e estou desejosa de ler =D

    ResponderEliminar
  2. Olá Chaise Longue!

    Não, não é impressão tua. São mesmo os dois livros!

    Beijinhos

    ResponderEliminar