quarta-feira, 29 de outubro de 2014

EXCALIBUR


Autor: Bernard Cornwell

Título original: Excalibur


Sinopse: Artur esmagou a revolta de Lancelote, mas o preço foi elevado. A traição de Guinevere deixou-o fragilizado e os seus inimigos saxões pretendem aproveitar-se dessa vulnerabilidade. O caos ameaça dominar a Bretanha. Mas Artur já deu provas do seu génio militar e, à medida que a próxima batalha se aproxima, prepara-se para abrir caminho até à vitória em Monte Badon e reconquistar a mulher que perdeu. Mas quais serão as consequências das intrigas de Mordred, agora o herdeiro ao trono da Bretanha, e da magia da sacerdotisa Nimue, que querem exterminar Artur?


Fantástico! Bernard Cornwell é um mestre no seu género, capaz de criar enredos, sociedades e personagens complexas como poucos, apresenta uma trilogia consistente do início ao fim, num patamar difícil de alcançar. Neste último livro, Cornwell acelera nas batalhas e abranda o seu ritmo quando tem de descrever algo, tornando esta narrativa menos constante em termos de ritmo, mas mais empolgante. Desde o início que percebemos, tal como Artur, que o fim da história está próximo e, para satisfação dos leitores (acredito), Cornwell leva-nos numa viagem em que mergulhamos na personalidade de Artur, nos seus medos, na sua revolta e na incapacidade de esquecer quem o traiu. E é aqui que o enredo deixa o Rei Artur e olha para o homem Artur que, tal como disse nas minhas opiniões aos livros anteriores, é um homem cheio das dúvidas normais de quem quer reinar com sabedoria e justiça.

Artur é, para além do centro da história, o homem que está verdadeiramente quebrado, que parece estar "preso por um fio", mas que continua a demonstrar uma determinação invulgar, apenas ao alcance de quem acredita que está a fazer o correto e o que deve, imperativamente, ser feito.

Tudo o resto que possa dizer sobre este livro, já disse nas opiniões aos dois anteriores livros. Cornwell é um profundo conhecedor desta época, explora teorias e factos, mistura-as com a sua fição e a complexidade atinge um nível em que sentimos que toda a sociedade está construída de forma exímia e coerente, ao ponto de tudo fazer sentido, quer seja a ação de alguém do povo, passando pelas decisões dos que têm poder e estão envoltos em intrigas e favores corruptos, procurando mais poder. Claro que existem pontos fracos neste livro, tal como nos anteriores, e que poderia aqui revelar, mas passam totalmente ao lado num livro que tem um enredo sólido. Todos os temas sociais continuam aqui presentes mas o foco é agora as lutas interiores de Artur, e é incrível como o autor muda muito ligeiramente o seu foco e todo o livro se transforma, sendo possível perceber quais serão as últimas decisões do Rei.

Este foco é necessário para que o autor explore o quanto o amor, quer a parte boa, quer a parte ma, transforma uma pessoa. As decisões mudam, a paixão eleva-se acima da razão, e tudo toma um novo caminho, em que os objetivos podem ser outros que apenas o coração conhece. Em tudo isto, Cornwell é fantástico e fica bem demonstrado que estamos perante um grande nome do romance histórico. Pelo meio, e que ainda não referi, estão descrições fantásticas das batalhas, quer a nível estratégico, quer na parte psicológica dos soldados. Tudo muito bem conseguido e muito completo.

Este é uma incrível trilogia. Pode não ser a mais viciante, nem a mais rápida de ler mas, dentro do romance histórico, é do melhor que já li e poucos autores conseguem alcançar o que Corwnell oferece nesta saga. Completo, complexo, marcante, emocional. Cornwell está no topo do seu género.

Luís Pinto


4 comentários:

  1. Mais um grande livro e grande texto crítico da tua parte. BC é o grande nome do histórico e esta saga o seu grande marco. As tuas três análises encaixam-se perfeitamente para termos a noção do que está no livro e como sempre sem spoilers. Também recomendo estes livros a todos os que gostam do tipo.

    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. grandes livros e grandes textos críticos é normal por aqui. Cornwell nunca li mas li Scarrow e gostei do género. Pelo que vejo dos teus textos, Cornwell é mais pesado mas mais consistente e com mais qualidade. Como é uma saga pequena acho que vou apostar para este natal ou para o inicio do próximo ano. Continua com este género sff!

      Eliminar
  2. Triologia a ser comprada e obrigada pelos textos. Fiquei com muita vontade de os ler. Vais ler mais do autor?

    ResponderEliminar
  3. Já me tinhas convencido nas opiniões anteriores. Esta foi a confirmação. Vou ter de comprar. faço figas para que goste!

    ResponderEliminar