domingo, 15 de março de 2015

ÚLTIMOS RITOS


Autor: Hannah Kent

Título original: Burial rites



Sinopse: Na agreste paisagem islandesa, Hannah Kent traz à luz dos nossos dias a história de Agnes que, acusada do brutal assassínio do seu anterior amo, é enviada para uma quinta isolada enquanto aguarda a sua hora final. Apavorados com a perspetiva de virem a albergar uma assassina, a família que a acolhe evita Agnes nas primeiras abordagens. Apenas Tóti, um padre designado para acompanhar Agnes nesta última caminhada e ser o seu guardião espiritual, procura compreendê-la. Mas assim que a data da morte de Agnes se avizinha, a mulher e filhas do lavrador descobrem que há uma segunda versão para a história brutal que ouviram. Fascinante e lírica, "Últimos Ritos" evoca uma existência dramática num tempo e espaço distantes, dirigindo-nos a enigmática pergunta: como pode uma mulher suportar a mágoa e a injustiça quando a sua vida depende das histórias contadas pelos outros?



Existem livros que nos empolgam, que nos viciam. Existem outros que apresentam uma história que nos fascina, outros que nos mostram uma impressionante qualidade do início ao fim. Este livro de Hannah Kent tem um pouco de tudo isto, em diferentes fases, e no fim, é, simplesmente, bom!

Este é, inevitavelmente, um livro que se torna cada vez mais forte e pesado com o tempo, pois com o adensar da nossa aproximação com Agnes, também começamos a perceber a sua dor, a sua revolta, e o seu sentimento perante o inevitável. E a questão que se levanta até consumir toda a nossa mente é: estará Agnes inocente?

Numa escrita elegante e capaz de aprofundar as personagens (para não falar das fantásticas descrições de locais e ambiente), a autora aproxima-nos de Agnes, e só não o consegue ainda melhor porque a narrativa por vezes deixa de ter Agnes como personagem principal, dando-nos uma visão muito interessante do que e de quem a rodeia, mas perdendo-se por momentos a ligação com a personagem. Na minha opinião, prefiro assim, porque ao termos uma visão mais global, conseguimos perceber o "peso" que esta situação tem para a comunidade e para a família que acolheu Agnes.

Acima de tudo, este é um livro que nos leva a sentir o sabor da injustiça, porque no meu caso, enquanto li o enredo, acreditava que Agnes era inocente (pelo menos a personagem de ficção), e tal sentimento aproximou-me da personagem, agarrando-me à leitura mesmo sabendo como a história acaba. E é com essa aproximação que o livro começa a levantar questões e nós somos esmagados pela falta de respostas, porque estamos a lidar com algo definitivo, que é a morte de alguém e a pena de morte para Agnes. E no fim, questionamos o que sentiriamos se fossemos Agnes. Se soubessemos que iriamos ser executados, o que tentaríamos fazer? Que memórias queremos deixar? Como enfrentaremos tal situação se um dia nos aparecer à frente?

Talvez o único aspeto que me desagradou ligeiramente neste livro foi o facto de Agnes nunca mostrar um lado mais "mau". Agnes é uma persoangem boa, com boas intenções, e raramente senti que existisse algo de mau nesta personagem... algum ódio, talvez fosse esperado, ou revolta, mas Agnes é uma personagem boa. Tal levou-me a pensar que a personagem poderia estar a representar, mas durante a leitura deu-me a ideia que a autora pode ter exagerado ligeiramente na tentativa de nos aproximar. Tal não retira qualidade a este excelente livro, mas esperava uma personagem que tivesse as duas faces devido à situação. 

Todos nós, sem exceção, durante toda a História da humanidade, seremos recordados pelo que os outros vêem em nós. Mas, e se essas histórias forem falsas? E se apenas nós conhecermos a verdade? Quantos terão sido injustiçados desta forma? Onde está, afinal, a justiça de tudo o que nos rodeia?

Este livro é forte, é pesado, e deve ser lido com calma, questionando o que lemos, sentindo o que a personagem sente, e o resultado será uma viagem única. Esta obra é uma das mais agradáveis surpresas que tive nos últimos tempos e percebe-se o porquê de tantos prémios internacionais. Dificilmente a autora voltará a escrever um livro tão esmagador em alguns temas, mas fiquei curioso para ler os seus próximos trabalhos. Não esperem um romance agradável, não esperem um final feliz... esperem uma viagem ao interior de alguém que sabe o dia e a hora em que vai morrer. Profundo e perturbador. Vale a pena ser lido e qualquer leitor irá perceber o porquê de ser um livro com tantos prémios.

Luís Pinto

5 comentários:

  1. E se queria ler o livro ja nao quero porque esta tudo contado aqui. Nao gostei do comentario, desvenda demais.

    ResponderEliminar
  2. A história parece-me muito boa e gostei da tua opinião. Não conhecia o livro mas a ideia principal interessa-me bastante. Vou lhe dar uma oportunidade e comprar nos próximos tempos.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Se há coisa que não existe neste blog são spoilers. É por conseguir desmontar um livro sem revelar enredo que este blog é tão bom. Não li aqui nada que não esteja na sinopse.

    Em relação ao livro, gostei bastante da opinião. Deu-me vontade de ler porque senti que é um livro profundo e bem escrito. Vou comprar porque nunca li nada com este tema.

    ResponderEliminar
  4. Olá Luis.

    Mais um excelente artigo. Fiquei com muita vontade de o ler porque o tema parece mesmo muito interessante e a dar pano para mangas. Continua com o excelente trabalho.

    ResponderEliminar
  5. Viva,

    Um livro que gostei muito, recomendo sem duvida e claro excelente comentário, como habitual ;)

    Abraço e boas leituras

    ResponderEliminar