segunda-feira, 2 de março de 2015

AS CINQUENTA SOMBRAS MAIS NEGRAS


Autor: E. L. James

Título original: Fifty shades darker




Sinopse: Perseguida pelos negros segredos que atormentam Christian Grey, Anastasia Steele separa-se dele, e começa uma carreira numa prestigiada editora de Seattle.
Mas por mais que tente, Anastasia não o consegue esquecer - ele continua a dominar-lhe todos os pensamentos. E quando Christian lhe propõe reatarem a relação com um novo e diferente acordo, ela não consegue resistir. Aos poucos, uma a uma, começam a revelar-se as Cinquenta Sombras que torturam o seu autoritário e dominador amante.
Enquanto Grey se debate com os seus demónios, e revela a Anastasia um lado inesperadamente romântico, ela vê-se obrigada a tomar a mais importante decisão da sua vida.
Uma escolha que só ela pode fazer…



Após um primeiro livro onde claramente se percebe o porquê do hype à volta desta trilogia, decidi continuar com a saga e ler o segundo livro, tentando perceber até que ponto a autora teria tudo programado desde o início ou se estava apenas a prolongar um êxito inesperado.

Após ter lido o segundo livro, acredito que a autora tinha algumas coisas preparadas, mas não tudo, e alguns momentos deste enredo parecem demasiado forçados, levando-me a acreditar que a autora está a deixar muito para ser revelado no último livro. 

Em primeiro lugar, o livro mantém a sua fórmula e apresenta um ritmo mais elevado. É notório que a autora tenta continuar a desenvolver as suas personagens, mas também é verdade que aqui nota-se, ao contrário do primeiro livro, que haverá uma continuação... e o resultado é que algumas perguntas ficam no ar, não só em termos de enredo, mas principalmente em relação às personagens. Pelo meio algumas personagens novas, mas a narrativa continua focada em Anastasia que, apesar de tudo, não se desenvolve nem revela tanto quanto Grey.

Em termos de tensão erótica que deu a esta saga o hype que todos conhecemos, ela continua a existir, mas não é fácil surpreender o leitor depois o primeiro livro, e o resultado final são alguns momentos interessantes e outros que parecem forçados para serem diferentes. Claro que parece forçado porque algumas coisas ficam por explicar, sendo grande a responsabilidade do último livro para explicar e melhorar toda a trilogia. O ponto alto do livro está na sensação de química que este oferece. Nota-se que as personagens estão bem entrosadas dentro do estranho romance que a autora quer criar, e consegue-o, mesmo que seja notório que alguns diálogos não têm a qualidade nem o significado que poderiam ter, ficando a sensação que o livro poderia ser mais pequeno sem perder qualidade.

Tal como é normal quando analiso trilogias, também aqui irei deixar a opinião mais aprofundada para o fim. Contudo, é preciso dizer que a autora sabe quais são os pontos vencedores da sua trilogia e usa-os bem, quer isso ajude ou não à própria qualidade do livro. No entanto, este livro parece uma transição para o último, e mesmo em alguns aspetos sendo melhor do que o livro anterior (nota-se que a autora está mais madura e experiente), não consegue surpreender tanto quanto o primeiro. Mas claro, está aqui tudo o que fez esta saga tão famosa, e aqueles que adoraram o primeiro livro, também gostarão deste, mesmo que não seja o preferido da grande maioria. 

Luís Pinto

2 comentários:

  1. Concordo bastante. Estou a cerca de 100 paginas do fim e acho que em termos de enredo o livro avança muito muito lentamente. A personagem christian é explorada com maior detalhe e anastasia nao evolui. O que, a meu ver, se destingue em maior proporçao neste II volume é a relaçao num caracter mais romantico e leve, como que um justificar por parte da aitora a escolha arrojada no primeiro livro. Acho que consegue chamar a si o publico que se escandalizou com o primeiro livro e os fãs do romsnce soft mas ao mesmo tempo causa uma quebra na relaçao que estabeleceu com o leitor no primeiro livro. Expectante quanto ao III volume.

    ResponderEliminar
  2. Eu já li os três livros e confesso que detestei o último livro.. Em termos de história e narrativa em si a trilogia já não é muito apelativa, mas tens os seus conteúdos que nos prendem. Agora o terceiro, foi uma tortura para mim ler.. Foi só encher chouriças! Só a arranjar sub-plots que não traziam nada de novo à história em si, enfim, estava a ver que não acabava. Mas pronto, apesar de não serem geniais fico contente por ter lido, pelo menos, os dois primeiros :p

    ResponderEliminar