quarta-feira, 29 de novembro de 2017

A ESTRADA


Autor: Cormac McCarthy

Título original: The Road


 

Sinopse: Um pai e um filho caminham sozinhos pela América. Nada se move na paisagem devastada, excepto a cinza no vento. O frio é tanto que é capaz de rachar as pedras. O céu está escuro e a neve, quando cai, é cinzenta. O seu destino é a costa, embora não saibam o que os espera, ou se algo os espera. Nada possuem, apenas uma pistola para se defenderem dos bandidos que assaltam a estrada, as roupas que trazem vestidas, comida que vão encontrando - e um ao outro. 
A Estrada é a história verdadeiramente comovente de uma viagem, que imagina com ousadia um futuro onde não há esperança, mas onde um pai e um filho, "cada qual o mundo inteiro do outro", se vão sustentando através do amor. Impressionante na plenitude da sua visão, esta é uma meditação inabalável sobre o pior e o melhor de que somos capazes: a destruição última, a persistência desesperada e o afecto que mantém duas pessoas vivas enfrentando a devastação total.

Este foi o livro que deu a McCarthy o Prémio Pulitzer e será talvez a sua obra mais aclamada, sendo certamente um dos melhores dentro do género de Ficção-Científica Apocalíptica. Sem nunca percebermos o que aconteceu ao mundo, a bela escrita do autor contrasta com o mundo devastado. As estradas não têm nome, nem os locais. O mundo não tem cor, apenas sangue, cinzas e medo, num cenário de céu e neve cinzenta. Apenas sabemos que as personagens dirigem-se para Sul, e nem elas sabem o que os aguarda nessa costa onde esperam que o mar ainda seja azul.
 
As personagens, pai e filho, não apresentam nome ou idade, apenas esperança. Este simples facto de nada ser identificado pelo autor aproxima-nos de forma indirecta, permitindo-nos viver estas páginas mais intensamente. É como se fossemos nós ali, e aquelas ruas as do nosso país.
 
Alguns poderão achar este livro repetitivo, mas apenas porque as rotinas de sobrevivência também as são. Permanentes, repetitivas, tal como o próprio objectivo. Sobreviver. Pessoalmente achei-o aterrador pela imagem forte que o autor nos dá de um mundo onde nada resta. Não há o verde nas árvores, nem o doce das frutas, nem o movimento dos animais, nem a capacidade de ajudar o desconhecido. É um planeta desolado onde grupos tentam sobreviver de comida enlatada, água da chuva… e de carne humana. A comida é o maior dos bens. Gasolina, armas, ferramentas, tudo isso serve para ajudar à derradeira necessidade: encontrar comida.
 
O canibalismo é o maior medo, acima da tortura ou da violação. É esse medo que faz o pai poupar uma bala para um dia matar o filho, se forem apanhados. E que sensação marcante é. Consegue um pai matar um filho quando o momento chegar? Este pai, desprovido de qualquer objectivo que não seja levar o seu filho até ao Sul, fará tudo para o manter vivo. Ele é a encarnação daquela força que não nos deixa desistir quando todos os outros o fazem. O tempo passa, a sensação de privação também, mas os medos ficam. Este pai desconfia de tudo e de todos, mas até que ponto poderá ele um dia desconfiar da própria esperança?
 
À sua frente os corpos comidos, as pessoas que se matam para fugirem à dor, à violação e ao canibalismo. Este livro obriga-nos a perguntar: qual é o ponto em que todos perdemos o sentido de humanidade? Até onde vai o Homem que anseia sobreviver? Onde está a linha que separa os bons dos maus se o que está em causa é a sobrevivência do que mais estimamos? Até onde vamos para salvar um filho?
 
A imaginação do autor para criar situações neste mundo apocalíptico leva-nos simplesmente a perceber que nada nem ninguém poderá estar preparado para uma situação extrema como esta. Quem está acompanhado não está preparado, nem quem está sozinho, ou armado, ou desprovido de medo. Nem quem acredita em Deus está preparado para o que este livro dá às suas personagens.
 
O filho que deseja uma criança com quem brincar percebe que nos esquecemos do que queremos recordar, e recordamos o que queremos esquecer. O medo e a tristeza depois de instaladas na mente humana podem ser tapadas, mas a recordação permanecerá para sempre. O pai sabe, ou pelo menos tenta mentalizar-se do óbvio: um dia irá deixar o seu filho. Mas estará a criança preparada quando tal acontecer? Estaria qualquer leitor preparado para viver sozinho num mundo desolado que nos deseja devorar?
 
Este é um excelente livro, com uma força narrativa que nos obriga a continuar a ler, a preocupar-nos com este pai e filho sem nomes. Algumas pessoas poderão odiar o livro, pela sua imagem cinzenta, por ser um conjunto de páginas desprovidas de esperança, ou pelo seu final que marca quem quer que o leia.
 
No fim pergunta-mos: estará um pai preparado para deixar um filho? E um filho para deixar o pai? E se nunca tiverem de o fazer? Há situações para as quais não estamos preparados e somos atingidas por elas… talvez seja melhor estarmos preparados. Estar sempre preparado. Conseguirá o amor de um pai e filho vencer onde tudo o resto falhou?
 
Um excelente livro, uma surpresa muito agradável, com uma personagem principal marcante e inspiradora, e que recomendo vivamente a quem gostar do género.

Luís Pinto

14 comentários:

  1. Eu gostei muito, acho que é um retrato poderoso sobre o amor. A escrita poderá não ser a mais fácil ou comum, mas gostei da originalidade da voz.

    Ah, e a adaptação cinematográfica é muito boa também :)

    ResponderEliminar
  2. olá Célia! Obrigado por passares aqui. O filme ainda não vi. Sendo assim talvez o veja para perceber se os cenários que imaginei estão perto da adaptação ou não. A maioria das vezes acabo por não ver os filmes.

    ResponderEliminar
  3. Eu acho que a adaptação é bastante fiel e bem conseguida. Agora lembrei-me que quando vi o filme no início do ano fiz um post a propósito disso, fica o link para o caso de teres interesse em ler :)
    http://www.estantedelivros.com/2011/01/das-palavras-as-imagens-10.html

    ResponderEliminar
  4. simplesmente adorei a tua opinião. Teres colocado tanta "força" nas tuas palavras demonstra o quanto gostaste do livro e o quanto deve ser bom. Não conhecia esta obra nem o autor, mas certamente irei lê-lo. Uma vez mais parabéns pelo magnífico texto.

    ResponderEliminar
  5. Não conhecia o seu blog. Simplemente incrivel este texto que escreveu. Dou-lhe os parabéns e digo-lhe para continuar. Estarei atento e irei ler as opiniões que escreveu anteriormente.

    ResponderEliminar
  6. Vou dar uma vista de olhos a este livro que não conhecia. E também vou ver o filme. Gostei muito da tua opinião.

    ResponderEliminar
  7. Mais uma excelente crítica. Sentes os livros e percebe-os como poucas pessoas. Para quando mais críticas? sempre que falas de um livro começo a fazer contas à vida!

    ResponderEliminar
  8. Fiquei agora bastante curioso sobre este livro após ter lido a tua opinião.

    ResponderEliminar
  9. A análise que o Luís nos trouxe sobre este livro é dos melhores textos que já li a viajar pela internet nos últimos anos. Irei certamente comprar este livro assim que o encontrar. Só lhe posso agradecer se for um livro tão bom como diz.

    ResponderEliminar
  10. Quis ler primeiro o livro antes de ver o filme, o que fiz passado bastante tempo e posso dizer que fui surpreendido tanto por um como pelo outro.
    O livro é arrebatador e prende-nos angustidos com receio pelo que possa suceder em cada próxima página. Achei o filme bastante fiel ao livro, não tão poderoso mas que me prendeu igualmente e mesmo sabendo o desfecho do filme, não deixei de ficar surpreendido...
    Obrigado pela tua crítica e por me teres lembrado este livro que me deixou boas recordações!
    Não é que goste de andar na moda, mas não consegui resistir a começar a ler Game of the Thrones...eheh!
    boas leituras e bons comentários!

    ResponderEliminar
  11. Não é fácil resistir a Game of Thrones. É um mal comum nos dias de hoje. Já em relação a este livro, vou ver o filme um dia destes, todas as pessoas que o viram dizem que está muito bom.

    ResponderEliminar
  12. Uma crítica arrepiante da tua parte. Admito que gostei mesmo muito do que acabei de ler. Vou colocar este livro na minha wishlist.

    ResponderEliminar
  13. Mais um extraordinários desempenho da tua parte. Este livro li-o há pouco menos de um ano, verdadeiramente fantástico e agora que li a tua opinião consegui perceber coisas de forma mais profunda. Obrigado.

    Cardoso

    ResponderEliminar
  14. César Coutojulho 08, 2013

    Não é nem de longe nem de perto o seu melhor livro, creio que os tenho todos, o meu favorito é "O Meridiano de sangue"! Um dos melhores escritores atuas a literatura Norte Americana!

    ResponderEliminar