domingo, 26 de janeiro de 2014

A LOUCURA DE DEUS


Autor: Juan Miguel Aguilera

Título original: La locura de Dios



Sinopse: Inícios do século XIV. O mito de Prestes João, das suas terras míticas e exércitos invencíveis, dá esperança a uma Europa destroçada por guerras. É então que um grupo de mercenários, acompanhados por Ramón Llull, o Doutro Iluminado, decide partir numa arriscada expedição para Oriente, ao encontro desse rei cristão. Mas a loucura dos homens, ou talvez de Deus, guia-os a um destino diferente e insólito: a estranha, misteriosa e desconhecida cidade de Aristarcópolis. E o que vão encontrar desafiará toda a ciência e tecnologia que conhecem, a crença no Homem e até a fé em Deus. Com uma sólida reconstrução histórica e uma rigorosa especulação científica, A Loucura de Deus é um divertido romance de aventuras (tanto físicas quanto espirituais), e comprova a mestria narrativa de Juan Aguilera, um dos autores espanhóis mais surpreendentes da actualidade.


Tendo como base um dos maiores mitos da idade média, o reino de Prestes João, este é um livro que explora a força da fé e a loucura a que levará alguns dos que acreditam, mas também àqueles que não acreditam. Ramón, personagem mais forte e bem construída deste livro, é quem desvenda essa loucura, essa força de acreditar que levará muitos à esperança e outros ao desespero. No geral, existem algumas personagens interessantes, marcadas neste enredo pelo que terão de abdicar ou pelas decisões tomadas. Aliás, as personagens são um dos pontos fortes deste livro, pela sua diversidade e também porque não são estáticas. Muitas deixam de acreditar, outras passam a fazê-lo, e pelo meio o leitor poderá questionar o que faz uma pessoa acreditar ou o que nos leva a rejeitar algo divino.

Com estas ideias em mente devo salientar que este não é um livro fácil de se ler. Visualmente forte, muito forte em alguns momentos, o autor explora a barbaridade da idade média com um conhecimento histórico que me parece muito bom, apesar de não ser um perito na matéria. E com este conhecimento histórico que o autor apresenta, recebemos detalhes interessantes enquanto o enredo sofre alterações de ritmo que me levaram a esperar sempre o inesperado. 

Com uma escrita forte e detalhada, o autor leva-nos a uma época onde tudo podia ser feito tendo como desculpa a fé. A religião é, infelizmente, a desculpa que o ser humano agarrou para praticar barbaridades, para ganhar poder e controlar o povo, levando a injustiças e horrores que este livro em alguns momentos tenta desvendar. No entanto este não é um livro que se centre apenas na parte negra das época, mas também é um livro de esperança, de redenção e, talvez, de uma justiça divina que o povo sempre pediu e acreditou. Mas será possível? Poderá haver justiça contra os crimes que o homem já praticou?

Um dos pormenores interessantes deste livro é o facto de ter duas faces: a negra e a divertida, porque até nas épocas mais sombrias temos o direito de sorrir. No geral, esta é uma obra que consegue ser divertida em muitos momentos e forte e angustiante noutros tantos, podendo ser um livro que vos surpreenda quando menos esperam. Da minha parte, a leitura não me agarrou no início, mas o detalhe histórico envolto no misticismo e na intriga levou-me a continuar até aos momentos interessantes e a um final que demonstra originalidade e um toque de Dante Alighieri que me agradou bastante, com as últimas páginas a serem o melhor do livro.

Escrever um livro sobre esta época nunca é fácil, porque se o autor optar por uma abordagem mais realista, terá de ser cruel e bárbaro. Este autor consegue sê-lo mas também consegue desanuviar a tensão com momentos divertidos. A intriga demora a arrancar mas o final é muito bom, e a escrita do autor está perfeita para este tema. Globalmente, este livro não é uma obra prima, mas deve ser lido por quem gostar de uma mistura entre ficção e Idade Média criada com uma narrativa interessante e bem documentada.Um bom livro com detalhes de grande qualidade.

 Luís Pinto


Podem consultar a página do livro aqui.

3 comentários:

  1. Esta época é a minha favorita e não conhecia o livro mas vou dar-lhe uma hipótese porque adoro mesmo tudo o que seja sobre a Idade média.

    boas leituras e bom 2014!

    ResponderEliminar
  2. Olá,

    Tenho na ideia de já ter lido algo deste escritor e tal como este livro te agradou mas não te encheu as medidas, aconteceu-me o mesmo ;)

    Abraço e boas leituras

    ResponderEliminar
  3. Não conheço o autor nem o livro. Este não é o meu género mas quando leio gosto do realismo e crueldade que falas. coloquei-o na lista mas vou esperar por uma boa promoção para o comprar.

    Abraço

    ResponderEliminar