segunda-feira, 18 de julho de 2011

O MAGO - Aprendiz

Autor: Raymond E. Feist

Título original: Magician: Apprentice

Há muitos anos que ouvia falar deste livro mas apenas o ano passado uma editora portuguesa o trouxe para o mercado nacional. A questão é, terá a fantasia tão pouco mercado no nosso país para ninguém apostar num livro que é dos mais adorados pelo público que lê este género? Agradeço desde já à editora!
Li este livro em poucos dias e confesso que a sua escrita e história tornam-no bastante viciante. Feist oferece-nos um livro com uma escrita fácil e que nos empurra a continuar, sem sentirmos o cansaço pelas exaustivas descrições que por vezes matam os livros de fantasia. E este é o primeiro ponto favorável deste livro. O segundo ponto que devemos analisar é o conjunto de personagens, e aqui Feist não deslumbra na complexidade mas consegue o suficiente para nos agarrar ao livro graças a personagens com que nos identificamos e preocupamos. 
Pug, personagem principal, cativou-me desde o primeiro momento e nunca me desiludiu. O mesmo posso afirmar de outras personagens como Kulgan ou Tomás. Contudo penso que outras menos importantes são mais lineares, quase previsíveis. Achei que tal fosse um ponto negativo no livro mas mais tarde apercebi-me que Feist nunca teve como objectivo criar um mundo excessivamente extenso em relação a personagens, e a realidade era que eu tinha partido do pressuposto que tal aconteceria. Havia uma parte de mim que mal pegara no livro o comparava a O Senhor dos Anéis, e a introdução de Elfos e Anões ajudou a  tais comparações. O terceiro ponto é o mundo em si, e aqui Feist é banal por um lado e genial por outro. Passo a explicar: o mundo de Midkemia não traz nada de novo à fantasia (para quem leia agora o livro e não quando ele foi publicado), mas o mundo de Kelewan foi, na minha opinião, incrivelmente bem conseguido, quer pela sua cultura, povo ou simplesmente pelas dúvidas que pairam no ar a cada capítulo. Contudo este mundo terá muito maior interesse no próximo livro e por isso não me vou alongar para já.
Devo também deixar bem claro que este é um livro que se enquadra entre O Senhor dos Anéis e As Crónicas de Gelo e Fogo em dois aspectos: o primeiro é na linha que separa o bem e o mal. Na obra de Tolkien essa linha é bem visível e raramente uma personagem muda de lado, na saga de George Martin essa linha quase não existe. Este livro está no meio termo. O segundo aspecto é na brutalidade. Tolkien nunca descreveu a violência com grande importância para o desenvolver da história, ao contrário de Martin que nos apresenta um detalhe cruel e real. Uma vez mais Feist está no meio.  
Posto isto, o que faz este livro ser tão adorado? Fácil, é o todo. Sem brilhar em nenhum parâmetro em especial neste primeiro livro, Feist dá-nos boas personagens, de quem gostei de imediato, revela-nos uma forma de magia pouco usada em fantasia e apresenta-nos dois mundos distintos, com culturas ricas. Este livro não é uma fantasia infantil, como nos primeiro livros de Harry Potter, e também não está no extremo da maturidade complexa de George Martin. Talvez por ser um livro tão equilibrado seja tão aclamado desde que foi publicado em 1982.
Falarei do segundo livro desta saga nos próximos dias, onde irei abordar outros aspectos desta história e algumas personagens e suas decisões. Mas para já deixem-me dizer que este livro, pelo que nos oferece é imprescindível a um jovem adepto de fantasia e será especialmente gratificante para quem esteja a iniciar-se neste género literário. Se gostas de fantasia, não o percas.

Sinopse: Na fronteira do Reino das Ilhas, existe uma cidade tranquila chamada Crydee. Nessa cidade, vive um rapaz órfão de nome Pug. Trabalhando nas lides do castelo que o acolheu, ele sonha com o dia em que se tornará um guerreiro valoroso ao serviço do rei. Mas o destino troca-lhe as voltas e o franzino Pug acaba por tornar-se aprendiz do misterioso Mago Kulgan. Nesse dia, o destino de dois mundos altera-se para todo o sempre. Subitamente a paz do reino é esmagada, sem piedade, por misteriosas criaturas que devastam cidade após cidade. Quando o mundo parece desabar a seus pés, Pug percebe que apenas ele poderá mudar o rumo dos acontecimentos, penetrar as barreiras do espaço e do tempo, e dominar os poderes de uma nova e estranha magia... Esta é uma viagem por reinos distantes e ilhas misteriosas, onde irá conhecer povos e culturas exóticas, aprender a amar e descobrir o verdadeiro valor da amizade. Mas, no seu caminho, terá de enfrentar tenebrosos perigos e derrotar os inimigos mais cruéis.

5 comentários:

  1. nao conhecia este livro mas agora ao ler o que escreveste tive a curiosidade de procurar na net. leio muita fantasia mas compro pelo que vai aparecendo nas lojas e falhei este pelos vistos. ja meti na minha lista de compras!

    ResponderEliminar
  2. Mais um excelente comentário, mas um livro para pedir no natal, ou talvez antes!

    ResponderEliminar
  3. Convenceste-me a comprar este livro. Excelente opinião.

    ResponderEliminar
  4. Para quando o resto da saga? Fico à espera da tua opinião para decidir se compro todos ou não.

    ResponderEliminar
  5. Boas,

    Este primeiro Livro assustou-me um pouco devido as parecenças com o mundo de Tolkien, admito que perdi um pouco da expectativa inicial que tinha sobre esta obra quando me deparei com Elfos, Anões, Trolls e um rapazinho, que graças a Deus não era Hobbit, a ser a estrela da companhia no meio destes.

    Com o virar das paginas essa colagem a Tolkien foi perdendo a força e a historia começou a envolver-me, ao principio disse que este livro era uma mistura da serie televisiva Fringe no mundo de Tolkien... hehehe

    Pug e Tomas foram ganhando força e magia a volta das suas personagens com o avanço da historia assim como Martin e Arutha, apesar de uma certa previsibilidade .

    Este 1º livro deu força as personagens deixando-me curioso para pegar no segundo livro.
    O Aprendiz foi a rampa de lançamento para um 2º livro(Mestre) ou parte 2, e este sim foi o me envolveu por completo .

    No entanto Pug, como herói feiticeiro tem que me dar mais nos próximos livro pois a minha fasquia está alta com Kvothe das Cronicas do Regicida ( 1º O nome do Vento e 2º O medo do homem sábio) =).

    ResponderEliminar