sexta-feira, 1 de julho de 2011

O PERFUME

Autor: Patrick Suskind

Título original: Das Perfum

Se pensarmos sobre os grandes mistérios da humanidade há alguns que irrompem na nossa mente ao primeiro instante: existirá Deus? Estaremos nós sozinhos no Universo? Há vida depois da morte? O que é realmente o amor?...
O amor… a reacção física e química despoletada entre seres, aquele sentimento para lá da compreensão. Quantos já falaram sobre ele? Os grandes escritores, os grandes filósofos, até os grandes físicos, mas o que é realmente, nenhum conseguiu explicar.
Muitos dizem que este livro é sobre um serial-killer, uma perfeita mistura da mente de Hannibal Lecter e a genialidade de Beethoven. Para mim este livro fala sobre amor. Passo a explicar: esta história passa-se em França, século XVIII, e conta-nos a história de Jean-Baptiste Grenouille. Estranho, atrasado na fala, quase morto à nascença pela mãe, Grenouille tem uma infância difícil, quer seja pela rejeição do meio onde vive, quer por doenças, trabalho, etc… é contudo, nos primeiros anos da sua vida, que nota como é especial, com um dom único na humanidade, o seu poderoso olfacto, capaz de sentir qualquer cheiro, de os desmantelar nos seus mais pequenos componentes e na sua mente juntá-los com outros e produzir o seu resultado. A capacidade de conhecer mais cheiros do que palavras, a capacidade de os catalogar sem sequer saber o nome do próprio cheiro. Para ele tudo o que existe tem odor, se não tiver, não existe.
É do cheiro que tira o prazer, tal como nós tiramos prazer por comer, dormir, amar… mas o seu prazer é único, arrebatador, muito mais forte do que o nosso, e se há algo que a própria humanidade nos ensinou em todos estes anos, é que o desejo de prazer nos leva à loucura.
Usando o seu enorme talento, Grenouille acaba por trabalhar para um perfumista, mas não antes de num passeio em Paris, sentir o odor perfeito. Uma rapariga… cada bocado de pele, cada cabelo, fazem-no pulsar de desejo. Depois, o cheiro perde-se, e como qualquer homem que acabara de sentir o derradeiro prazer, Grenouille torna-se obcecado por o reaver. Não faríamos nós o mesmo?
A escrita de Suskind é viciante, e reparem que num livro onde raramente existe um diálogo, tal é a imensidão de descrições, é algo a assinalar. O facto de entrarmos num mundo onde o visual é dispensável, somos brindados por infinitas descrições de cheiros e acabamos por nos perder naquelas palavras ao ponto de quase sentir o cheiro a sair de cada página. Rosas, caracóis, lama, larvas dentro de um rato morto. Todas estas descrições levam-nos a ganhar uma proximidade por Grenouille e a desejarmos que a sua busca pelo perfume perfeito seja possível. Um outro factor que me prendeu ao livro é o simples facto de tais descrições serem totalmente diferentes de todos os outros livros, pois apelam principalmente ao nosso sentido olfactivo e não ao visual.
O fim é magnífico, arrojado, forte e inesperado. A personagem principal é brilhante e a sua busca pelo derradeiro prazer leva-nos a pensar sobre o que nos dá prazer. Estaremos tão distantes da mente estranha e obcecada da personagem? Ou estaremos nós também necessitados de amor? Nós desejamos os vários tipos de prazer, mas acontece o mesmo ao sermos desejados? Não será o derradeiro prazer sermos desejados, sermos amados e ganharmos a resultante felicidade? Grenouille aprende isso ao descobrir o que é o amor, ao ter na sua mão a capacidade de o “criar”, de subjugar Generais, Reis, Papas, todo o mundo, ter na mão o maior de todos os poderes… ele está mais perto, do que qualquer outro, de resolver um dos mistérios da humanidade, mas de que serve criar o amor se não sentirmos que somos amados? Como é forte a vontade de sermos desejados, que nos toquem, que nos beijem, que nos olhem e nos façam sentir especiais. É tudo isso que Grenouille nunca teve até então.  Aliás, de que vale tudo o resto se não o formos?      
Grenouille é uma personagem fascinante numa história que deve ser lida. Um livro a não perder pela sua singularidade.

5 comentários:

  1. Mais uma grande critica da tua parte! Consegues transmitir a essência e focar os pontos essenciais dos livros que revês! O Perfume é um dos meus livros favoritos e se tivesse que falar sobre ele focaria muito do que disseste! Bom trabalho e continua assim!

    ResponderEliminar
  2. O Perfume foi o último livro que li e adorei! Concordo com o que dizes sobre Grenouille, pois também o considero uma personagem fascinante.

    Se quiseres ver a minha opinião : http://cozinha-das-letras.blogspot.com/2011/07/o-perfume-de-patrick-suskind.html

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito do comentário, até porque vai muito ao encontro daquilo que o livro me despertou!Um grande livro, com uma história arrebatadora e tão singular!Parabéns pela critica e continua=)

    ResponderEliminar
  4. É um dos meus livros preferidos de sempre. Li recentemente "O Contrabaixo" do mesmo autor. Em breve vou por a minha opiniao no meu blogue

    silenciosquefalam.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Um livro fantástico e a tua crítica é magnifica. Muitos parabéns, está maravilhosa. Fez-me vontade de voltar a ler o livro.

    ResponderEliminar