sexta-feira, 8 de julho de 2011

EXPIAÇÃO

Autor: Ian McEwan

Título original: Atonement

Se há época que me interesse particularmente é a Segunda Guerra Mundial. Costumo ler e ver tudo sobre esse momento da História e portanto seria apenas uma questão de tempo até ler este livro. 
O único que até hoje li deste autor, fala-nos de uma rapariga que desejava ser escritora e na sua infância vê, ou julga ver, algo que mudará a vida de outras pessoas a partir do momento em que as revelar.
Tentando revelar o mínimo possível da história, devo dizer que o autor leva-nos de seguida para a defesa de França contra a Alemanha Nazi. As descrições são boas, os diálogos interessantes mas não é pelo “tema” da Segunda Guerra Mundial que este livro se eleva acima de outros. McEwan, de quem não conhecia realmente nada, revela-se como um excelente escritor ao mostrar-nos o interior de cada personagem, mais do que pelas descrições ou diálogos que cria. Fiquei realmente surpreso pela sua capacidade de aos poucos nos revelar um pouco mais de cada personagem.
Mas, para mim, e isto é claramente um gosto pessoal, a história é o que mais interessa. E nesse aspecto este livro mostrou-se algo banal durante a sua grande maioria e confesso que por algumas vezes pensei que estava apenas a ler mais um livro sobre uma história de amor impossível… mas então porque teria a revista Time considerado este livro como um dos melhores 100 romances de sempre?
Continuei a minha leitura sem nunca sentir aquele entusiasmo que outros grandes livros me deram. Há realmente bons momentos, a chegada à praia pelos soldados ingleses para serem resgatados, ou a conversa entre uma enfermeira e um Francês à beira da morte… mas não conseguia ver este livro como obra-prima… até chegar ao fim.
Como estava enganado. McEwan, com um final verdadeiramente assombroso, criou um livro que perdurará como um dos melhores de sempre e duvido que algum dia consiga repetir tal sucesso. É aliás, a ideia de como acaba o livro, que associada à sua escrita muito investigadora da mente humana, que torna este livro obrigatório. É um livro que pelo seu final marca qualquer um, ao ponto de lermos novamente o livro só para nos sentirmos mais angustiados agora que sabemos o que está par vir, e confesso que a segunda leitura que fiz foi bem mais entusiasmante do que a primeira.
O que é a angústia? O remorso? Haverá sentimento mais corrosivo do que o remorso? Que sentimento é esse que nos impede de ser feliz, de aproveitarmos a felicidade que nos aparece porque no interior sabemos que não somos merecedores? Este é um livro sobre este sentimento. Até onde nos poderá levar essa dor? A esquecermos o que nos envergonha? A imaginarmos ser castigados pelo que fizemos? Proibimo-nos a nós próprios de sermos felizes enquanto esse sentimento perdure?
McEwan escreveu um livro que nunca esquecerei, que a alguns não dirá nada, mas que a mim me marcou muitíssimo por ser tão diferente de tudo o que li enquanto nos levanta indirectamente várias questões de até onde pode ir uma mente destroçada e enojada consigo mesma. Qual de nós nunca sentiu remorsos por algo que disse ou fez? Ou até que apenas pensou?
Talvez se os remorsos realmente matassem, nós estivéssemos todos mortos…

13 comentários:

  1. Este livro é dos meus favoritos de sempre! Comecei a ler várias vezes e desisti várias veze. Acho que como tu não percebi o porquê, ou seja, para a história seguia. POr fim, li-o até ao fim e fiquei estupefacta com a genialidade de McEwan. Dos melhores finais de sempre.

    ResponderEliminar
  2. ola Jojo, estou a ver que não fui o único que teve pouco entusiasmo a ler este livro até sermos arrebatados pelo final. Foi uma ideia genial por parte do McEwan.
    Obrigado pelo teu comentário!

    ResponderEliminar
  3. Se aprecia romances históricos (com várias temáticas, desde à Idade Média às Grandes Guerras) deve ler Ken Follett. Aconselho vivamente. Obrigado pelas suas críticas e sugestões, já me entusiasmei por vários livros neste blog.

    ResponderEliminar
  4. Ola Aliena. é verdade que já várias pessoas me falaram em Ken Follett, mas ainda não tenho nenhum livro dele. Está na minha lista de futuras aquisições. No entanto neste momento ainda tenho muitos livros em casa para ler e pouco dinheiro para comprar outros. Mas um dia irei ler.
    Obrigado pelos seus comentários e visitas. fico à espera de mais opiniões suas sobre os meus textos.

    ResponderEliminar
  5. Dos melhores textos que alguma vez li. Parabéns. Já está na minha wishlist.

    ResponderEliminar
  6. Este comentário é do melhor que li nos últimos anos. Parabéns!

    O livro é fantástico, uma experiência única e conseguiste transmitir o verdadeiro sentimento do livro. Um dos melhores livros que já li.

    ResponderEliminar
  7. Mais uma excelente crítica da tua parte. Quase arrepiante. Gostei muito.

    O livro estou para o comprar há muito tempo mas agora estou decidida a lê-lo.

    ResponderEliminar
  8. Acabei este livro ontem e não resisti passar por aqui. A tua crítica encaixa de tal maneira no livro que fiquei mesmo muito admirada. Ler este livro deu-me um prazer enorme, o que já esperava pois foram muitas as pessoas que me recomendaram a leitura. Mas também tive enorme prazer em depois ler a tua opinião, que achei mesmo muito bem conseguida. Parabéns. Vou agora ver o filme que também dizem estar muito bom.

    Mara

    ResponderEliminar
  9. Olá Luís. Acabei hoje de ler este livro e adorei. Fui surpreendida de uma maneira incrível. Ao contrário de ti, achei a história tudo menos banal, no sentido em que apesar de parecer ser apenas mais uma história de amor impossível, não vi as coisas assim. O autor explorou de uma forma incrível a mente humana e o que significa a condição humana, o esquema natural das coisas. Gostei imenso da narrativa dele e acho que o livro não me vai sair da cabeça tão cedo. É verdade que o final é algo estonteante, mas foi o livro em termos gerais que me deixou quase dormente de sensações e não apenas o final. Leitura obrigatória, mesmo. Gostei da review, já agora. Beijinho e boas leituras!

    Filipa.

    ResponderEliminar
  10. Olá Filipa! Ainda bem que já leste este livro. Eu simplesmente adorei este final. Uma ideia única que torna este livro obrigatório. Tão cedo não sai mesmo da cabeça.

    ResponderEliminar
  11. Olá Luís!

    Tenho este livro para ler. Já vi o filme e gostei muito, sendo por causa dele que adquiri o livro. Tenho a versão inglesa. Excelente opinião! Fez-me ter ainda mais curiosidade, apesar de saber a história, pois os filmes nunca são completamente iguais aos livros.

    Beijinhos e boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria, tudo bem? Desculpa só responder agora!

      Vou ficar atento à tua opinião!

      Beijinhos!

      Eliminar
  12. Eu li este livro já depois de ter visto o filme, que adoro. É um daqueles raros casos em que a adaptação ao cinema não é uma desilusão. Tanto o filme como o livro são fantásticos, mas ainda assim acho que as palavras têm um poder que a imagem nem sempre alcança. E as palavras de Ian McEwan são qualquer coisa de assombrosa. Aquele final 'destruiu-me', de certa forma, mas não seria tão belo se não fosse tão trágico.
    Já há vários anos que o 'Expiação' se mantém firme como o meu livro preferido, embora 'O Rouxinol', também passado na Segunda Guerra Mundial fique muito perto do primeiro lugar. No entanto, o meu carinho pela história de Robbie e Cecilia prevalece sobre todos os outros livros, pelo menos até agora.

    ResponderEliminar