segunda-feira, 19 de outubro de 2015

PEREGRINO


Autor: Terry Hayes

Título original: Pilgrim




Sinopse: UMA CORRIDA VERTIGINOSA CONTRA O TEMPO E UM INIMIGO IMPLACÁVEL. 
Uma jovem mulher brutalmente assassinada num hotel barato de Manhattan.
Um pai decapitado em praça pública sob o sol escaldante da Arábia Saudita.
Os olhos de um homem roubados do seu corpo ainda vivo.
Restos humanos ardendo em fogo lento na montanha de uma cordilheira no Afeganistão.
Uma conspiração para levar a cabo um crime terrível contra a Humanidade.
E um único homem para descobrir o ponto preciso onde estas histórias se cruzam: Peregrino.



Peregrino é um livro de espionagem à moda de Hollywood, e é isso que temos de ter em conta. Sim, percebo o conceito de inicial de simples thriller que no início parece notório, mas ao fim das primeiras 200 páginas percebemos que não o é. Peregrino tem uma introdução muito boa, nos quais os primeiros 4 ou 5 capítulos agarram qualquer leitor. Nesse momento é um thriller que não conseguimos parar de ler... mas depois baixa o ritmo, desenvolve personagens e torna-se num livro de espionagem ao estilo de Hollywood.

Espionagem deve ser o género que mais leio, mesmo que não seja o género sobre o qual mais escrevo aqui no blog. De imediato devo perceber, enquanto pessoa que está a escrever uma crítica, que este não é um livro de espionagem pura, ficando longe de autores como John le Carré. Aqui o autor tenta criar o seu próprio estilo e consegue-o, mesmo que baixando o ritmo, não ficando ligado ao estilo James Bond, mas sim num meio termo. No entanto, esse baixar de ritmo é o resultado de um aprofundar de algumas personagens, umas mais importantes para o enredo, outras talvez mais importantes para livros futuros.

O facto de o autor explorar bastante o vilão e o seu passado, é um ponto a favor mas que resulta também num abrandamento de ritmo. Sinceramente, achei que o autor esteve bem em explorar o vilão de forma aprofundada, dando motivos, mostrando decisões, explicando o caminho, o que fez bem e o que fez mal. E mesmo que alguns leitores possam sentir que o livro se perde em alguns momentos, acredito que todos percebam que conhecer este vilão aumenta a qualidade do livro.

O conjunto de personagens é curto e credível, sendo que talvez seja o próprio personagem principal aquele que mais dúvidas deixa no ar. Algumas das suas decisões não são totalmente coerentes, sendo algo que apenas não mancha o enredo por duas razões: a primeira é que fica a sensação que ficaremos a saber mais em próximos livros, e em segundo porque são decisões pouco significantes para o desenvolver do enredo.

Provavelmente o que nos agarra ao livro é a sua mistura entre o enredo ficcional e os factos do nosso mundo que se encaixam. Esta mistura, da qual não quero revelar nada, torna todo o enredo mais credível na sua base inicial, e mesmo as próprias personagens foram moldadas por esses eventos reais. Gostei da forma como o autor usou momentos que todos conhecemos para construir o seu enredo, pois tudo fica mais coeso e isso sustenta um enredo que de outra forma poderia ser absurdo.

Estando perante um enredo de espionagem ao estilo de Hollywwod, preparem-se para alguns momentos James Bond, e preparem-se para acelerar no último terço do livro. Foi-me difícil fechar o livro, principalmente porque queria algumas respostas. Em alguns casos adivinhei, noutros fui surpreendido. O autor dá-nos pistas com frequência, o que me agradou, e todas elas de forma inteligente, não existindo momentos óbvios. Tudo isto misturado, cria um livro de ação bastante agradável e espero ler os próximos.

Peregrino é um livro viciante, entusiasmante e divertido. Os seus diálogos são inteligentes e a forma como o autor fala connosco ajuda a criar uma ligação interessante entre personagem e leitor. Tem momentos que parecem forçados, outros que ficam sem resposta, e por isso não é uma obra prima no seu género, mas de certeza que agradará à grande maioria dos leitores que queiram um bom livro de ação e espionagem. Se isso é o que procuram, então não procurem mais... encontraram.

Luís Pinto

5 comentários:

  1. Estava mesmo à espera desta opinião. Vai para a lista!

    ResponderEliminar
  2. Soni Gamitooutubro 19, 2015

    Ainda bem que gostaste do livro. Estava bastante curiosa para ver a tua opinião Estou a pensar comprar nos próximos tempos e é muito bom ver que é uma boa mistura entre ação e espionagem. Espero gostar!
    Boas leituras

    ResponderEliminar
  3. Carla Rosáriaoutubro 19, 2015

    Fiquei muito curiosa Luis. Parabéns pela análise tão objetiva e sem revelações. Deixaste-me com muita vontade de o ler. Já vi que o livro é lançado na próxima semana e vou estar na fila da frente para o ler!

    ResponderEliminar
  4. Desde que disseste que estavas a ler este livro que estava à espera. Estou empolgado por teres gostado e já o meti na lista de compras futuras.

    parabéns pela critica.

    ResponderEliminar
  5. Na lista! Bela opinião!

    ResponderEliminar