domingo, 28 de julho de 2013

A LENDA DE SIGURD E GUDRÚN


Autor: J. R. R. Tolkien

Título original: The legend of Sigurd and Gudrún

«Há muitos anos, J. R. R. Tolkien compôs a sua própria versão, agora publicada pela primeira vez, da grande lenda da antiguidade nórdica, em dois poemas intimamente relacionados, a que deu os títulos de «O Lai dos Volsungos» e «O Lai de Gudrún».
Em «O Lai dos Volsungos» conta-se a história do grande herói Sigurd, o assassino de Fáfnir, o mais famoso dos dragões, de cujo tesouro se apoderou, o despertar da valquíria Brynhild, que dormia rodeada por uma muralha de chamas, e o noivado dos dois. Após a chegada de Sigurd à corte dos grandes príncipes niflungos (ou nibelungos), o herói desperta o amor mas também o ódio da feiticeira dos Niflungos, versada nas artes mágicas.
Em cenas de grande intensidade dramática, troca de identidade, paixões frustradas, ciúmes e disputas amargas, as tragédias de Sigurd e Brynhild, de Gunnar, o Niflungo, e Gudrún, sua irmã, atingem o auge com a morte de Sigurd às mãos dos seus irmãos de sangue, o suicídio de Brynhild e o desespero de Gudrún.
Em «O Lai de Gudrún» é contado o seu destino depois da morte de Sigurd, o casamento, contra a sua vontade, com Atli (ou Átila), governante dos Hunos, o assassinato dos seus irmãos, os senhores niflungos, e a sua vingança hedionda.
Sendo a sua versão inspirada, principalmente, no estudo atento das antigas poesias norueguesas e islandesas conhecidas como Edda Poética (e no posterior trabalho em prosa, a Völsunga Saga), J. R. R. Tolkien utilizou estâncias curtas cujos versos conservam em inglês os exigentes ritmos aliterativos e a intensa energia dos poemas da Edda.»



Este não é um livro fácil de se ler mas também é mais um prova (como se ainda fosse preciso) da genialidade deste autor. Tolkien conta à sua maneira um pouco da mitologia nórdica que mais tarde viria a influenciar as suas grande obras, como O Senhor dos Anéis.

O facto de estar todo em poesia e com uma métrica perfeita, demonstra-nos que o autor não só tinha um conhecimento profundo da mitologia sobre a qual escrevia, mas também uma grande mestria a escrever poesia. A história é muito agradável e interessante, no entanto o facto de estar em poesia poderá afastar alguns leitores.

Esse é o problema que afastará muitos leitores: poesia, aquele factor que mostra a qualidade do autor mas torna o livro difícil de ler e compreender. É verdade que não sou um profundo conhecedor de poesia e que alguns significados me podem fugir devido à falta de hábito, mas também é preciso salientar que são muitas as notas de autor que nos ajudam a perceber o que estamos a ler. Este é, aliás, um dos pontos mais importantes do livro: as várias explicações que vamos recebendo e não podemos esquecer a introdução que é essencial para percebermos o contexto onde vamos entrar mas também as motivações do próprio autor e também do seu filho, que aqui "junta" mais um trabalho do seu pai.

Sobre a história não direi nada, pois a sinopse já o faz e a partir dessa base devem começar esta história. Existe traição, honra e muitas dúvidas interiores que irão afetar as personagens e suas decisões. Em certa parte é fácil fazer algumas ligações com O Senhor dos Anéis mas também é muito fácil desligar-mo-nos da Terra Média e absorver toda esta mitologia. No meu caso, a história tornou-se interessante logo no início, mas também devo admitir que nunca estive totalmente viciado, uma vez mais, por a poesia me obrigar a um maior esforço de concentração e a ler todas as explicações do autor.

Falta apenas dizer que Tolkien explora muito bem os sentimentos das personagens e os momentos de maior emoção, principalmente os de perda ou de desespero. Com dois ou três momentos que me surpreenderam no enredo, a leitura tornou-se cada vez mais agradável enquanto ia apreciando os desenvolvimentos e ia entrando no ritmo da poesia. A história é muito boa, ao nível de uma boa mitologia, com base e profundidade, e cheia de valores morais que cada leitor retirará.

Em resumo, este é o livro mais difícil de ler deste genial autor. No entanto não deve ser imediatamente posto de lado por ser um livro de poesia. No meu caso, comecei lentamente e aos poucos o livro conquistou-me. Este é um excelente livro que se não fosse em poesia, teria muitos mais fãs. Vale a pena tentar ler esta excelente obra, tendo consciência que dificilmente será o favorito dos leitores.

Luís Pinto

5 comentários:

  1. Cláudio Gomesjulho 28, 2013

    Gostei bastante do livro e é verdade que não é nada facil de se ler mas vale a pena apesar de tudo. Recomendo totalmente a qualquer fã do autor.

    ResponderEliminar
  2. Tenho este em planos há muito tempo mas a poesia deixa-o sempre para segundo plano. vou tentar dar uma vista de olhos sem ter as expectativas altas e talvez assim não sinta muita dificuldade a ler.

    ResponderEliminar
  3. Olhei muito para ele e nunca o li mas gostei da tua opinião e vou dar-lhe uma hipótese visto que é Tolkien. Talvez seja mesmo preciso ter paciência para se ler a poesia.

    Agraço e bom verão!

    ResponderEliminar
  4. Bruno Limajulho 28, 2013

    Expectativas sempre muito altas para este grande escritor. Nunca li este e é o unico que me falta mas irei ler e agora ainda fiquei com mais vontade.

    ResponderEliminar
  5. Mais um para meter na lista. Aproveitei para falar com amigos que já tinham lido e todos gostaram. Acho que me convenceste mas a poesia pode ser um problema. Vou ler e depois dou-te a minha opinião.

    ResponderEliminar