quinta-feira, 14 de novembro de 2013

SNIPER AMERICANO


Autor: Chris Kyle

Título original: American Sniper


Sinopse: Ele foi o sniper de elite mais letal de sempre. Os rebeldes iraquianos chamavam--lhe «O Demónio». Entre os seus irmãos Navy SEALs, era conhecido como «A Lenda»…
Uma extraordinária autobiografia, escrita na primeira pessoa pelo atirador especial mais letal da História, Chris Kyle, combatente em algumas das batalhas mais importantes das últimas décadas. Nascido e criado no Texas, Chris Kyle aprendeu a atirar na sua infância, enquanto acompanhava o pai em caçadas. Antes de se alistar na Marinha era já um cowboy experiente. Depois do 11 de Setembro foi lançado nas linhas da frente da guerra contra o terrorismo, onde demonstrou as suas capacidades enquanto sniper, com registos excecionais debaixo de fogo cerrado.
Entre 1999 e 2009 obteve o maior número de tiros bem-sucedidos como atirador especial da História militar norte-americana, confirmado oficialmente pelo Pentágono: 160. Chris Kyle morreu em fevereiro de 2013, em circunstâncias trágicas, assassinado por um antigo marine num campo de tiro no Texas. Nesta autobiografia, publicada originalmente alguns meses antes da sua morte, Chris Kyle descreve, com grande detalhe, a formação e treino dos SEALs, as batalhas em que esteve envolvido e as estratégias e armamento utilizados, bem como a dor provocada pela guerra — por ter sido atingido duas vezes, com gravidade, e por ter presenciado as mortes trágicas de dois amigos próximos.


Este é um relato duro do que é a guerra, do que se perde com ela, do que se ganha e do que se sacrifica. Sendo uma autobiografia, nota-se facilmente que não foi um escritor quem colocou as palavras no papel, mas sim, na grande maioria do texto, o próprio atirador. Se por um lado notamos que a escrita não é a melhor, a verdade é que as suas palavras estão repletas de emoção. O seu relato, sem reservas, sem "panos quentes", é um aglomerado de acontecimentos cheios de adrenalina e dor, misturados com o orgulho de acreditar estar a fazer algo necessário e com valor.

O ritmo do livro é muito bom, balanceando entre os momentos de grande adrenalina e aqueles momentos em que perdemos alguém querido e o mundo parece parar à nossa volta. Outro aspeto interessante, talvez o mais interessante para quem gostar deste género, é o detalhe com que Kyle descreve quase tudo o que fez, desde a estratégia militar de uma certa missão, até às horas de preparação e o momento em que tudo se executa. Com tais detalhes, e sempre com emoção na sua escrita, a leitura torna-se intensa em quase todo o livro, e que ganha ainda mais relevo por ser um relato inédito sobre algumas formas de procedimento do exército americano.

No entanto, para mim, a melhor parte do livro é o conteúdo mais humano, quando o autor nos tenta demonstrar o que tem de sacrificar, o que deixa para trás, em casa. As consequências no casamento, no relacionamento com os filhos e amigos, tudo é exposto pelo autor para percebermos que se trata de uma profissão que marca e que rouba algo, como em muitas outras profissões.

Nunca é fácil falar de uma autobiografia sem relevar qualquer coisa, e eu, para não o fazer, deixarei a crítica ao enredo para vocês, no entanto não posso deixar de dizer que todo o livro tem uma intensidade e uma emoção palpável, e que agradará a quem queira perceber um pouco mais as dificuldades e decisões que um atirador tem de passar, e que não tem qualquer problema em, por vezes, revelar algo que possa ser mais inconveniente para o exército americano. Um livro marcante em alguns momentos e com uma visão muito particular sobre a guerra, o que a cria, quem são os vencedores, os derrotados e os culpados. Recomendado a quem goste do género.

Luís Pinto

3 comentários:

  1. Um livro a comprar. Não conhecia mas gosto bastante do género.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Parece-me uma leitura interessante e que também não conhecia. Vou procurar mesmo não sendo o meu tipo de leitura gostava de saber um pouco mais depois de ler a sinopse e a tua opinião.

    Boas leituras.

    ResponderEliminar
  3. Sim, é claro que é um dos melhores filmes de guerra. No Filme Francotirador, que apresenta duas histórias paraleala guerra e amor, é um aspecto que me torna uma das fitas mais atraentes deste gênero. Eu recomendo-lo, vá desfrutar de valer a pena.

    ResponderEliminar