quinta-feira, 28 de novembro de 2013

CARRIE


Autor: Stephen King

Título original: Carrie


Sinopse: Não é que fosse diferente das outras. Um pouco estranha, sim. E antipática. Talvez por isso, na objecto da chacota e do riso de toda a turma. Ou talvez a sua antipatia fosse antes o resultado de se ver sempre constituída em alvo da troça de todas…
Mas, quanto ao resto não. Carrie era uma moça normal. Como todas as outras. E mais como todas as outras seria se não fosse aquela incrível mulher que era sua mãe.
Mas isso não explica tudo. Sobretudo, não explica que naquela noite, a noite do baile, uma cidade inteira tenha sido arrasada por Carrie, sem que ela precisasse de mexer sequer um dedo.


Stephen King tem uma capacidade única de transmitir emoções nos seus livros. Talvez pela sua escrita forte e explícita, talvez pela complexidade da mesma, talvez por explorar a mente humana como poucos sem que nada disso seja o tema principal dos seus enredos. Com este livro, King leva-nos a odiar algumas personagens, a querer vingança, a sentir a necessidade de fazer algo, e transmitir tudo isto apenas com palavras, é fantástico. King é um escritor que não agrada a todos, talvez pelo seu género, talvez pela sua escrita, mas eu estou a tornar-me num grande fã e este é mais um bom livro para quem gostar do género.

Este não é o melhor livro que li de King, mas a sua qualidade é inegável dentro do género. O primeiro grande trunfo está, novamente, nas personagens que o autor cria. Fortes, credíveis, profundas, criadoras de diálogos marcantes e que definem, não só uma personalidade, mas todo um enredo. Carrie é a personagem mais marcante, mas, na minha opinião, a que consegue demonstrar uma qualidade invejável é a sua mãe, sendo ela o catalisador de muitas das emoções que este livro consegue transmitir.Desafio-vos a ler este livro e a não terem um sentimento especial em relação a esta mulher.

O cinismo e fanatismo são levados ao extremo com a narrativa de King a mostrar como o preconceito pode levar à cegueira ou à loucura. Mas não só. King explora, e bem, a mente juvenil, mostrando e moldando conceitos como beleza, popularidade, vingança, humilhação e amizade. Tudo isto num enredo que tem tanto de previsível como de surpreendente. Foram vários os momentos em que acreditei perceber até onde a história me iria levar sobre um determinado assunto, e depois King surpreende com um ou outro detalhe que não esperava.

Com um enredo forte e emotivo, este é um livro que nos faz sentir mais do que um livro normal nos consegue transmitir. Este livro agarra-nos e pede-nos para nos revoltarmos com ele. Não é uma obra prima, nem o melhor trabalho do escritor, mas é bom, muito bom, principalmente pelo seu final, do qual se podem tirar algumas conclusões e que vos deixará a pensar durante algum tempo. 

Se gostam de suspense, terror, e de sentirem o que a personagem principal está a sentir, este é um livro que devem ter em conta.

Luís Pinto

5 comentários:

  1. Mais uma opinião interessante e fui ver e o livro está muito barato. Sou capaz de o comprar nos próximos tempos. Parabéns pela opinião Luís!

    bjs!

    ResponderEliminar
  2. Mais uma boa análise a um livro de um grande escritor. com esta crítica convenceste-me. Já li alguns livros do SK e gostei mas nunca tinha olhado para este. E a dizerem que está barato, mais uma razão para o comprar.

    Abraço e continuação de boas leituras.

    ResponderEliminar
  3. Mais um que vou colocar na minha lista de compras. Talvez para o natal ou para a próxima feira :P

    ResponderEliminar
  4. Este foi o 1.º romance de King a ver a luz do dia e quase esteve para não a ver sequer; terminado o manuscrito, King mandou-o para o lixo, mas a mulher tirou-o de lá, leu-o e convenceu-o a enviar a uma editora. O resto é história...

    http://a-minha-estante.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Rui Figueiredodezembro 05, 2013

    Parabéns por esta excelente análise. Muito boa, sem dúvida a um livro que gostei muito de ler há uns anos valentes.

    Abraço

    ResponderEliminar