sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

O POÇO DA ASCENSÃO


Autor: Brandon Sanderson

Título original: The well of ascension




Há livros que nos marcam para sempre. Uns pela sua ideia, outros por momentos que não conseguimos esquecer. Outros porque nos agarram do início ao fim, levando-nos a folhear mais uma página a cada minuto livre. O Império Final, primeiro livro desta saga, teve esse efeito em mim e foi o meu livro favorito do ano passado, com grande destaque no meu top anual.

Agora, com este livro, o segundo da saga, acreditei que a minha enorme expectativa poderia matar o livro... mas o livro é tão bom, que já só quero ler o terceiro. Aquela que é a saga mais bem pontuada no Goodreads, o que é suficiente para dizer que esta saga é mesmo boa, está a convencer-me a cada livro. Mas vamos lá analisar isto com calma.

Em primeiro lugar vamos dizer o que todos queremos saber... este livro não é tão bom quanto o primeiro. Esta é a minha opinião e pode mudar de pessoa para pessoa, mas, para mim, o primeiro livro conseguiu criar um personagem fantástico, Kelsier, mas mais do que isso... O Império Final fez, num único livro, uma das melhores construções de um vilão que alguma vez li, levando-nos a questionar mitos, lendas, a perceber o que se perde de conhecimento enquanto os anos avançam e o quanto se pode apagar algo da História. Olhemos para a nossa própria História, enquanto humanidade, e pensemos em quantos momentos estamos a ser enganados, simplesmente porque muito do nosso conhecimento é baseado no que alguém escreveu...

Neste, o enredo é totalmente diferente do anterior, e ao mesmo tempo tão parecido, porque todo o ambiente do livro anterior está aqui presente, ajudando a que seja possível sentir que ainda estamos a ler o mesmo livro, numa perfeita continuação. Mas com este diferente foco, o livro olha para outras personagens, aprofundando-as, e agora é Vin quem cresce e se torna numa personagem muito bem conseguida, com as suas dúvida, com os seus receios e sonhos, e, principalmente, com um poder suficiente para fazer a diferença. Claro que outras personagens ganham importância, como por exemplo Elend durante uma boa parte da narrativa, ou até Sazed, que aqui volta a ser a balança para várias questões do enredo e que não irei explorar aqui.

Agora, o que torna este livro tão bom? Em primeiro lugar, o próprio enredo, que nos engana em alguns momentos, surpreendendo-nos depois, e claro, pelas questões que levanta e pelas ligações que cria entre personagens. Tal como o livro anterior, a narrativa explora bastante a religião enquanto devoção, vendo tanto o que nos dá como o que nos tira. A isto junta algumas questões, que passam pela construção da própria religião e como ela nos pode ajudar durante os momentos de aflição ou perda. Quando perdemos alguém que amamos, o que nos oferece a religião? Conforto? Revolta? Compreensão? Significado?

No meio de tudo isto está a parte política do enredo, agora muito mais presente, envolvendo estratégias militares mas também política interna, principalmente focada nas necessidades das comunidades. Neste aspeto, o resultado é um impressionante desenrolar de acontecimentos que fazem todo o sentido e no qual vários personagens fazem a sua jogada. Aliás, o grande trunfo deste livro é que tudo faz sentido, mesmo com tantos personagens a lutarem por si, e tudo se liga ao livro anterior. O choque de várias culturas está muito bem conseguido, com os kandras a terem grande destaque, e a maturidade/crescimento de algumas personagens é de assinalar, algo que apenas não irei explorar para não revelar nada. E sobre tudo isso poderia estar aqui muito tempo a escrever, sem nunca abordar todos os temas do livro e sem fazer jus ao seu mérito enquanto narrativa.

Com personagens cativantes, um ritmo elevado, muita intriga e batalhas bem delineadas, esta obra é fascinante e quase tão boa quanto o primeiro. Se mesmo assim estiverem indecisos, vejam opiniões noutros blogs, vejam as pontuações que as pessoas deram a estes livros no Goodreads, e provavelmente ficarão convencidos, porque é difícil falar mal de um livro tão bom. Livro do ano? Ainda é cedo, mas está bem encaminhado. Esperemos que o próximo não demore muito a ser lançado! Totalmente recomendado a todos e não apenas a quem goste de fantasia!

Luís Pinto

6 comentários:

  1. Impossivel não ficar convencido!

    ResponderEliminar
  2. Mais um que me convenceste a ler. Gostei bastante do primeiro depois de ver o teu texto comprei e adorei aquele final. Agora só vieste confirmar que a saga deve ser mesmo boa.

    ResponderEliminar
  3. muito bom Luis!

    O primeiro livro é excelente, dos melhores que já li.

    O resto da trilogia está bom...na altura não gostei do final...mas! há um 4o livro que poem esse final numa perspectiva muito interessante, e acho que esse 4o livro (The Alloy of Law") está ao nivel do primeiro =D

    Se gostas desta depois falamos quando leres The Stormlight Archives, para mim é a melhor saga do Sanderson ;)

    Continua, abraço!

    ResponderEliminar
  4. Mais um para comprar e pelo teu texto tem de ser rápido que não posso deixar escapar esta saga. Vou comprar o primeiro e ver se gosto.

    ResponderEliminar
  5. Ois Luis,

    Já tenho o livro à muito à espera, mas deve ser a minha proxima leitura ;)...depois do que li claro :D

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Mais um texto em que nos convences facilmente a comprar o livro. Neste caso a comprar o segundo porque já me tinhas convencido a comprar o primeiro. Parabéns pelo texto.

    Boas leituras e também espero que os livros não demorem a sair.

    ResponderEliminar