terça-feira, 1 de abril de 2014

OS TRÊS MOSQUETEIROS


Autor: Alexandre Dumas

Título original: Les Trois Mousquetaires


Entre filmes, desenhos animados e bandas desenhadas, não sei se não estaremos perante a obra mais adaptada de sempre. Estamos constantemente a ver novas adaptações, mas infelizmente, nenhuma consegue, nem de perto, alcançar a grandiosidade desta obra. 

Este livro de Dumas é realmente muito bom, não só pelas personagens e trama, mas também pelas descrições e detalhe que o autor dá a tudo o que é importante no enredo, oferecendo a sensação que estamos perante algo coeso e coerente. No início o que me agradou de imediato foi a escrita de Dumas, descritiva mas objetiva, levou-me sempre a continuar com facilidade mesmo estando perante um livro tão grande. O autor, tal como fez noutros livros, consegue criar um mundo sólido em todos os sentidos, pois tudo está bem estruturado, desde o ambiente na cidade, passando pelas descrições de várias profissões, tradições do povo e o sempre importante poder político e religioso. Aos poucos percebemos que é este jogo, entre os mais influentes, monarquia e clero, que faz o enredo avançar, mas onde toda a história se sustenta em noutro tema... amizade. 

É na amizade entre estes mosqueteiros que o livro se revela e deixa a sua mais poderosa mensagem. Dumas explora estas ligações que criamos com pessoas que no início nos são estranhas e com as quais vamos crescendo e amadurecendo, criando laços invisíveis que nos levam a confiar a essa pessoa tudo o que temos de mais valor... neste caso a nossa própria vida e a dos que amamos. E é com esta forte amizade, quase palpável nestas páginas, que começamos a criar ligações com as personagens, e a diversidade das mesmas ajuda a que exista sempre alguma com a qual nos identificamos. 

Todavia, por estranho que possa parecer, a personagem que é o catalisador de toda a trama é Milady, personagem incrivelmente bem construída, com uma coerência total e uma personalidade única. Mesmo sendo uma das peças que "luta" pelo mal, a verdade é que é difícil não ter admiração por esta mulher, pela forma como age e como vê o mundo, sendo leal aos que a apoiam, e aqui acredito que esteja uma mensagem muito importante do livro: o bem e o mal serão sempre um ponto de vista para quem os pratica, mas a prática do mal não exclui que possa existir honra nos seus praticantes, e Milady demonstra essa honra em vários momentos, enquanto que noutros faz o que tem de fazer para vencer...

O enredo também é muito interessante e, novamente, Dumas mistura ficção e realidade, quer nos acontecimentos quer nas personagens, ajudando-nos também a perceber e compreender melhor a vida naquela época. Mas, em última análise, é nas personagens que está o fantástico deste livro. São várias as personagens que dão um toque único de qualidade à narrativa e são elas que nos fazem continuar, porque estamos ligados e preocupa-mo-nos mesmo já sabendo como tudo irá acabar.

O que este livro nos dá são várias lutas, quer seja entre duas personagens femininas, Milady e Constance, entre formas de ver o que é o serviço público, ou até que ponto certos interesses pessoais ou políticos podem estar acima da moralidade. E no fim, fica a sensação que a fantástica capacidade de Dumas em nos levar aos locais que descreve, resulta ao ponto de sentirmos que sabemos mais sobre aquela época, e quase nos esquecemos que muitas destas personagens são apenas ficção. E é essa a magia de um bom livro, levar-nos para uma nova realidade.

Um livro imortal e totalmente recomendado.

Luís Pinto

6 comentários:

  1. Compartilho esta visão sobre os Três Mosqueteiros, especialmente sobre Milady. Das enésimas adaptações existentes nenhuma faz jus à personagem cirada por Dumas.

    ResponderEliminar
  2. Rui Marquesabril 02, 2014

    Totalmente recomendado e grande crítica! Parabéns

    ResponderEliminar
  3. Como sempre uma análise de topo. Continua!

    ResponderEliminar
  4. Nunca li mas estou convencido. Já estava na lista há uns tempos mas é um livro caro. Mas agora vou mesmo comprar.

    Boas leituras e que este blogue viva durante muitos anos!

    ResponderEliminar
  5. Carolina Videiraabril 02, 2014

    Adorei este livro. Athos, Milady, Constance. É dificil escolher. Adorei a tua opinião, sempre tão boa a explicar o que é importante sem spoilers. Beijinhos. Acho que fiquei com vontade de o ler outra vez.

    ResponderEliminar
  6. Um dos melhores livros que já li e que um dia voltarei a ler com todo o gosto. já é um hábito gostar bastante das tuas analises e esta também está muito boa. Recomendo o livro e todos e também recomendo este fantástico blog.

    ResponderEliminar