quinta-feira, 24 de abril de 2014

TRÍPTICO


Autor: Karin Slaughter

Título original: Triptych



Vencedor do PLB 2013 (Prémio Literário Blogosfera, do qual tive o prazer de ser júri) na categoria de Melhor Policial, este foi o primeiro livro que li da autora e adorei. A autora junta vários temas e conceitos de thrillers e poderá parecer que exagera na mistura que faz, mas apenas para quem não ler este livro. A mistura é quase perfeita, oferecendo ao livro uma atmosfera e intensidade como já não lia há muito tempo num livro.

Em primeiro lugar devo realçar o detalhe gráfico que a autora consegue dar a um livro onde o ritmo é sempre elevado. Existe uma notória capacidade de explorar o que é importante enquanto tenta chocar o leitor com algumas descrições mais violentas que nos façam perceber os cenários que as personagens terão pela frente. É, inevitavelmente, um livro violento, mas tal violência nunca me pareceu forçada ou fora do contexto. É óbvio que a autora nos quer agarrar desde o início, e a mim agarrou-me com alguns detalhes interessantes do primeiro homicídio, e a verdade é que não consegui parar de ler.

Todavia, para mim, o grande trunfo do livro são as personagens. Sem estar aqui a explorar nenhuma de forma direta, devo dizer que o que mais me agradou foi a forma como a autora vai, lentamente, buscar pequenos detalhes do passado de cada personagens, levando-nos, não só, a conhecê-las melhor, mas principalmente a alterar a forma como estamos a olhar para a investigação e os motivos de cada um. Neste aspeto, a autora surpreendeu-me porque não guardou todas as surpresas para o fim. Aliás, existem algumas revelações, na primeira metade do livro, que oferecem a sensação que não estamos a ler o típico livro policial onde tudo é revelado nas últimas páginas. E é assim que a leitura é sempre interessante e intensa.

A ideia base é bastante interessante, talvez com um ou outro momento que podem parecer forçados, mas a forma como o enredo se desenvolve é bastante inteligente, principalmente na forma como explora as ligações entre as personagens, ajudando o leitor a ter um conhecimento mais aprofundado, mas sem nunca descurar o elemento mais importante: chocar o leitor. E esse choque não se origina apenas no enredo e nas descrições violentas, mas também no passado das personagens e na forma como irão decidir em alguns momentos, surpreendendo, acredito, a grande maioria dos leitores. Aos poucos entramos na história e as nossas dúvidas começam, e questionamos quem ganha com tal situação, quem tem motivo para tal, que pista já foi revelada mas nos escapou.

Um bom policial tem de ter respostas coesas e inteligentes. Tríptico é um desses livros, e ainda junta boas personagens, muitas surpresas do início ao fim e ainda um ritmo poderoso, oferecendo uma leitura intensa e difícil de parar. Em alguns momentos é chocante e violento, mas no fim existe a noção que nada está fora do sítio. Este é o dos melhores policias que li nos últimos tempos, e se são fãs do género, então este livro é mesmo recomendado.

Luís Pinto


7 comentários:

  1. Agora fiquei convencido. Não estava À espera de uma crítica tão boa. é que pela capa não me chamou a atenção.

    Boas leituras

    ResponderEliminar
  2. Li-o há pouco tempo e adorei. Um livro fantástico, Totalmente recomendado e parabéns pela tua análise que está muito boa como sempre!

    ResponderEliminar
  3. Já coloquei na lista. Não é o meu género e nunca li grande coisa mas vou experimentar porque a violência não me faz confusão.

    ResponderEliminar
  4. Também li este livro há pouco tempo e gostei bastante. Foram muitas as revelações que não estava mesmo nada à espera e o final é muito bom! Boa análise. Boas leituras e continuação de bom trabalho. Agora estou à espera dos próximos volumes a serem lançados.

    ResponderEliminar
  5. Bom saber, vai para a lista :)

    ResponderEliminar
  6. Parabéns pela crítica e também pela iniciativa PLB que não conhecia!

    ResponderEliminar