quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

A CASA DE BONECAS


Autor: M. J. Arlidge

Título original: The Doll's House




Sinopse: O corpo de uma jovem é desenterrado numa praia remota, mas o seu desaparecimento nunca tinha sido denunciado. Alguém a mantivera «viva» ao longo do tempo, enviando à família, regularmente, mensagens em seu nome.
Para a detetive Helen Grace, todas as provas apontam para um assassino em série, um monstro distorcido mas engenhoso e hábil ? um predador que já matou antes.
À medida que Helen se esforça por destrinçar as motivações do assassino, ela compreende que se trata de uma verdadeira corrida contra o tempo. Uma única falha pode significar a perda de mais uma vida.



Terceiro livro de M.J. Arlidge, terceira boa leitura. Tal como nos dois anteriores livros desta saga (cada livro pode ser lido de forma independente), o autor volta a oferecer cenários fortes, macabros e com grande impacto psicológico. Aliás, algo que apreciei bastante nos livros anteriores foi a carga psicológica exposta nos personagens e também o quanto os livros nos envolve nessa mesma carga.

Com um ritmo interessante e uma escrita direta, Arlidge demonstra que sabe agarrar o leitor e que depois de o conseguir, choca-o com facilidade. Desde o primeiro ao último momento, senti uma atmosfera negra nesta obra, como se algo estivesse mal, como se algo mau fosse acontecer a qualquer momento. A isso junta-se uma sensação de urgência, quase sempre oferecida pela personagem principal, a grande catalisadora do ritmo do livro.

Com este terceiro livro continuamos a conhecer Helen, personagem principal, e que causa impacto na leitura pela sua força de vontade. É sempre positivo quando percebemos que aos poucos vamos conhecendo melhor o personagem principal sem que isso nos desvie demasiado da investigação, que é sempre o foco principal. O resultado é uma mistura consistente, quer no ritmo, quer no desenvolvimento. Arlidge não exagera em pormenores, nem exagera na ação. Os seus livros não são demasiado grandes e, principalmente, nunca se tornam numa leitura de esforço.

Para quem goste de thrillers fortes este é, certamente, um escritor a ter em conta. Com poucos clichés e poucos momentos forçados, o autor leva-nos por um enredo coerente e que dá respostas com lógica. Aliás, muitas das pistas principais estão presentes no livro com regularidade, mas podemos estar pouco atentos para as captar. No final, se fizermos um esforço, percebemos como certos detalhes nos passaram ao lado, e isso demonstra a arte do autor em nos enganar em determinados momentos.

Todavia, talvez pelo facto de tentar sempre ter uma leitura atenta, claro que alguns momentos se tornam previsíveis, mas não em relação aos momentos mais importantes, que me surpreenderam. Se são fãs do autor, ou se gostam deste género, este é um livro a ter, pois consegue marcar o leitor com facilidade e dificilmente conseguimos parar de ler.

Luís Pinto

3 comentários:

  1. Mais um excelente texto. Parabéns! Tenho lido os livros do autor e agora também estou ainda mais curiosa em relação a este. Está para breve.

    ResponderEliminar
  2. Li o um do li ta graças à tua opinião e estou para comprar o segundo porque também me convenceste e gostei bastante do primeiro. Se gostar depois parto para este. Por agora está na lista. Parabéns pelo texto.

    Boas leituras

    ResponderEliminar
  3. Como é habitual, uma excelente opinião. Este é um autor a descobrir nos próximos tempos. Depois também darei a minha opinião.

    Abraço

    ResponderEliminar