sexta-feira, 16 de março de 2012

A CONSPIRAÇÃO DOS ANTEPASSADOS


Autor: David Soares

Na tradição dos melhores thrillers, David Soares convida-nos a espreitar debaixo do véu e a vislumbrar a mais assustadora conspiração da História: um livro assinado por Francisco d'Ollanda, o maior artista português do Renascimento, é cobiçado por uma seita disposta a tudo para o obter. Que terrível segredo terá nas suas páginas para justificar tanto sangue? Fernando Pessoa é convidado por Aleister Crowley, o mágico inglês, a entrar numa aventura cheia de mistério e suspense para descobrir esse segredo que, afinal, talvez tenha a ver com D. Sebastião, e a verdadeira razão porque os portugueses foram derrotados em Alcácer-Quibir.

Uma vez mais volto aos livros de David Soares, desta vez par ler  A Conspiração dos Antepassados. As expectativas foram altas desde o momento em que peguei no livro, graças a O Evangelho do Enforcado que gostei bastante, mas principalmente porque continuo a admirar a inquestionável qualidade do livro Batalha.

Neste livro Soares mostra desde o início um excelente trabalho de investigação e conhecimento profundo dos temas que são “usados” neste livro. A forma como consegue encaixar fantasia e factos num mesmo enredo está, na minha opinião, muito bem conseguida tanto no seu desenvolvimento como no timing usado.
A sua escrita é forte, tal como em todos os livros anteriores, talvez mais forte, mais visual (por vezes achei-a demasiado explícita, mas que é bem usada como forma de tornar as personagens mais humanas).  

Em termos de ritmo esta leitura começou algo lenta, talvez porque não consegui aproximar-me tanto das personagens como nos outros livros do autor, onde senti uma ligação quase imediata com a personagem principal. No entanto devo confessar que tanto Pessoa quanto Crowley estão muito bem caracterizados, de forma muito mais humana e menos mistificada, deixando para trás algumas noções que criámos sobre estes dois homens singulares. Soares foge a essas imagens e molda as personagens de forma a encaixá-las na história, ajudando a que o ritmo inicial seja mais lento.
Senti ainda que na primeira metade do livro o ritmo era sempre o mesmo, tão melancólico quanto a personagem de Pessoa (aproveito para dizer que adorei a melancolia da personagem), faltando momentos de aceleração que caracterizam um thriller, e só na segunda metade da obra é que começamos a sentir a adrenalina.

Todos os homens têm falhas, ninguém é perfeito, sabemos isso. No entanto tanto as falhas quanto as virtudes são por vezes “apagadas” quando se trata de personalidades que se tornam ícones, e no caso de Fernando Pessoa, qualquer pessoa conhece, por muito pouco que seja, um pouco da sua obra; mas um cidadão comum nada sabe do “homem” em si, e neste livro Soares dá a sua própria visão, onde se aproxima certamente da realidade. Tal facto agradou-me em Pessoa tal como em Crowley. Confesso ainda que no início estava curioso sobre como iria Soares definir Pessoa e a sua ligação com os heterónimos. Estaríamos perante um génio? Um louco? Uma mistura dos dois? Ou teríamos um homem perseguido e atormentado pela sua própria imaginação?
David Soares não levou a personagem de Pessoa pelo caminho que eu esperava, muito provavelmente porque não encaixaria na história, mas este desencontro com as minhas expectativas não piorou em nada a leitura.

Mesmo lento ao início a qualidade esteve sempre presente e para isso contribuíram tanto o lado humano das personagens como a própria cidade de Lisboa. Neste aspecto o trabalho do autor está mesmo muito bom, pois a cidade quase respira como um ser vivo, com pormenores que nos fazem imaginar cada momento e até compará-la com a cidade actual.

Para mim este livro não foi tão interessante quanto O Evangelho do Enforcado apenas por dois motivos: primeiro o universo de Evangelho é muito mais vasto, o que gostei imenso, e segundo porque me liguei mais às personagens da obra que fala dos Painéis de São Vicente. Também confesso que para mim não consegue alcançar a qualidade de Batalha (poucos conseguem), mas A Conspiração dos Antepassados continua a ser um livro muito bom, com uma excelente mistura de fantasia e factos, uma história que me prendeu bastante na segunda metade e que tem ainda o mérito de mostrar, como personagem principal, uma personalidade que apesar de idolatrada pela sociedade actual, está longe do estereótipo de um ídolo.

'Muito bem, mas não se esqueça: o seu talento só será tolerado enquanto aquilo que alcançar não fizer sombra à mediania daqueles que o rodeiam.' (Crowley a falar)
'E o senhor?' (Pessoa a falar)
'Eu? Meu caro, eu sou a excepção. Não invejo ninguém. Como podia? O melhor sou eu!'

Outro ponto muito interessante do livro é o texto de Soares após acabar a história. Tal como no Evangelho do Enforcado, o autor fala um pouco sobre a sua investigação, o seu ponto de vista sobre as personalidades presentes na obra e ainda o porquê e onde misturou fantasia e realidade. Este texto torna esta obra ainda melhor, principalmente porque nos ajuda a situar e diferenciar a realidade da ficção. Um pequeno toque que muitos outros livros deveriam ter pois ajuda o leitor a pensar sobre o livro e sobre a visão do autor. Mesmo muito bom.

Para quem não conheça o trabalho literário de David Soares, as caracterizações das personagens poderão chocar e até afastar-nos da leitura. Comigo tal não aconteceu, mas fica o aviso para aqueles que não gostem de descrições fortes.

David Soares tem ainda o mérito de não escrever com base nos clichés actuais e que vendem muito. Tem o mérito de fugir ao que está socialmente estipulado para a leitura, tanto obra quanto autor, e quando foge a esse conceito fá-lo com qualidade e sem medo de demonstrar a sua visão, e por isso recomendo-o. 
Em quatro livros, David Soares ainda não me desiludiu, o que só demonstra a sua qualidade enquanto autor.

22 comentários:

  1. Olá Luís,

    Desta vez a tempo :D

    Por acaso gostei mais deste livro do que do Evangelho do Enforcado, não sei se pelas personagens principais me terem cativado mais, pois quer pessoa (bem retratado) quer a Besta estiveram muito bem. E depois houve ali uma surpresa muito interessante "ai o meu lova deus :D"

    Seja como for não há duvida que estamos na presença de um excelente escritor e fiquei com mais vontade ainda de comprar A batalha...e eu a pensar que podia ler esta critica à vontade pois já tinha o livro .

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Paulo!
      Quem anda atrasado sou eu e não tu.
      Também gostei da surpresa do louva-a-deus. Não estava mesmo nada à espera.
      E ainda bem que ficaste com mais vontade de ler o Batalha. Acredito que pelo seu conteúdo algo filosófico nem todos os leitores gostem, mas eu simplesmente adorei.

      Eliminar
  2. Uma vez mais gostei da tua opinião e pondero começar a ler este autor em breve. Sempre fugi um pouco aos autores portugueses neste género mas vejo que este é uma boa aposta.

    ResponderEliminar
  3. Li o Evangelho do Enforcado por sugestão tua e depois de ter visto mais críticas favoráveis pela internet. Gostei bastante e pondero voltar a este autor, agora provavelmente com o Batalha mas este estará também próximo. Gostei bastante do que escreveste aqui e o tema é interessante, principalmente pelo que dizes: Pessoa não é à partida uma personagem principal como estamos habituados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Augusto. Ainda bem que gostaste do Evangelho. Parte para o Batalha. Acredito que vás gostar.

      Eliminar
  4. Fiquei muito impressionada com todas as críticas que fizeste deste autor e já tenho o Batalha na lista de próximos a comprar. O Evangelho do Enforcado não tem um tema que me fascine mas este conseguiu captar a minha atenção. Vou procurar mais opiniões mas para já fiquei curiosa. Uma vez mais excelente trabalho da tua parte. Vou ainda ter em conta essa escrita forte que falas.

    ResponderEliminar
  5. Mais um belo trabalho da tua parte. Não conhecia o livro. Acho que nunca dei de caras com esta capa. Parece-me mais uma escolha acertada da tua parte, pois tem factores bem diferentes do normais e que gostei ao teres falado neles. Talvez mais um para a feira do livro. O bolso não ajuda.

    ResponderEliminar
  6. Mais um livro que me parece ser de grande qualidade. Já tinha ficado muito impressionado com as tuas opiniões aos outros livros do autor e como dizes, parece que nunca desiludiu, o que é muito importante.
    Parabéns pela opinião bem estruturada.

    ResponderEliminar
  7. Aproveito esta opinião para te informar que há umas duas semanas acabei o Batalha e concordo com o mail que me respondeste. É um dos melhores livros portugueses dos últimos anos.

    Em principio irei comprar o Enforcado e se continuar a gostar irei para este. Parece-me que estamos perante um grande autor da nossa geração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico contente por teres acabado o Batalha e teres gostado. É sempre bom ver que outras pessoas têm a mesma sensação que nós ao acabar um livro.

      Eliminar
  8. Parece-me que estamos perante um grande autor. Irei comprar o Batalha em breve e reparei que também publica alguns trabalhos de BD. Estou a pensar adquirir também.
    A tua opinião, sempre bem organizada deixa-me com vontade de meter este livro na wishlist.

    ResponderEliminar
  9. Olá Luis... aguçaste-me mesmo o apetite por este autor! :) (devo ser o único que nunca leu nada de David Soares).
    Vamos vou seguir o conselho que me deste esta manhã... assim que puder irei ler "Batalha" e depois conversamos ok?
    Um grande abraço. E obrigado pelas tuas criticas, sempre tão concretas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Nuno!
      Fico à espera que me digas o que achaste do batalha!
      Obrigado eu por passares por aqui! Fico à espera da opinião ao Batalha no teu blog.

      Abraço

      Eliminar
  10. Como sempre uma excelente crítica e um liro para ficar de olho

    ResponderEliminar
  11. Como sempre consegues motiar a comprar um liro. Fikei bastante interessada neste. já tinha isto boas críticas mas agora convenceste-me.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma pessoa escreve mal uma palavra e apareces logo tu a gozar é?

      Eliminar
  12. Parece-me uma aposta cda vez mais segura. Boa opinião como sempre

    ResponderEliminar
  13. Gostei mais deste do que do Evangelho do Enforcado porque adoro Fernando Pessoa. Em tudo o resto estou de acordo contigo. Uma opinião bem fundamentada como é teu hábito e cada vez mais estou decidida em comprar o Batalha de que tanto falas. Espero gostar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico à espera de opiniões então sobre o Batalha!

      Eliminar