quarta-feira, 28 de março de 2012

OS DESCENDENTES


Autor: Kaui Hart Hemmings

Título original: The Descendants
 


Resumindo muito a história inicial deste livro, a personagem principal Matthew, vê-se obrigado a cuidar das filhas quando a sua mulher entra em coma após um acidente de barco.

Após o grande sucesso (junto da crítica) que foi a adaptação cinematográfica deste livro, decidi lê-lo. A primeira impressão que se ganha do livro é que a autora apresenta uma escrita fácil de ser lida, apelativa e que nos faz avançar confortavelmente no livro. É verdade que no primeiro terço a narrativa é lenta, em termos de desenvolvimento da história, mas os vários momentos de humor fizeram-me agarrar ao livro com vontade. Isto aconteceu porque tendo em vista tratar-se de um livro onde a mulher do personagem principal está em coma, não esperava uma mistura de tristeza e alegria nestas palavras (nunca foram momentos forçados), e gostei.

Gostei bastante da personagem Matthew, pois achei-a muito bem conseguida. Um homem rico que vive para trabalhar, não por desejar mais dinheiro ou luxo, muito menos para o gastar, mas sim porque é a sua forma de viver. Gostei desta característica.
Matthew é um pai ausente, consciente desse facto, apesar de o seu sub-consciente não o deixar ver o quanto não conhece as suas filhas, muito menos a sua mulher. Por vezes é necessário um acontecimento extremo e imprevisto para acordarmos e ganharmos consciência da nossa vida, do que construímos e essencialmente do que destruímos. É pena algumas pessoas precisarem de sentir dor para conseguirem abraçar a família que sempre tiveram, mas à qual viraram as costas de forma inconsciente. É sempre tarde demais… A natureza humana empurra-nos nesse caminho.

Como disse antes, a escrita é rápida, divertida e triste em momentos separados. O ambiente é bom e descrito sem grande pormenor visual (também não é o que se pede neste tipo de livros, penso eu) e conseguimos com relativa facilidade imaginar o Hawaii; uma imagem necessária para percebermos um pouco melhor esta história e as personagens que a preenchem. Estas personagens são um dos factores mais importantes do livro, tanto Matthew e as suas duas filhas, como Sid são pessoas fáceis de aceitar ou perceber, apesar de uma ou outra característica me ter parecido exagerada.  Esta mesma caracterização das personagens é de um modo geral bastante boa, apesar de por vezes sentir que as mudanças de atitude foram demasiado radicais (principalmente nas filhas) sem que a escrita da autora acompanhasse o porquê da mesma mudança. Não estou com isto a dizer que as mudanças são absurdas, não. Apenas senti que a escritora não deu na sua escrita a base para que tal acontecesse, mas uma vez mais trata-se de uma opinião muito pessoal.

Este é um livro que nos faz questionar até onde poderemos perdoar. Qual é o limite? E quando o fazemos, o que fica para trás? Que marca fica na nossa memória?
À nossa frente temos um casal (onde um dos membros não pode falar e como tal não se pode defender) que nunca percebeu o quanto uma relação é um conjunto de cedências sem que existam sacrifícios, e ao nunca o perceberem, nunca se aproximam, nunca sendo uma família, nem um casal… nunca se conhecendo.

É por tudo isto que Matthew foi uma personagem que apreciei. Porque percebe tudo demasiado tarde, porque quer voltar a fazer o correcto, a criar algo para a vida que não seja apenas no trabalho. O esforço para compreender quem gosta, para se aproximar das filhas revoltadas com várias situações.
Poucos momentos poderão custar mais do que aquele instante em que percebemos que não nos vamos despedir de quem amamos, que é tarde para dizer-mos o que devíamos ter dito antes.

Não sendo um grande conhecedor deste género de livros penso que este livro será uma boa leitura para quem aprecie. Divertido e que nos faz pensar, uma leitura que não custa e que nos poderá fazer pensar se estivermos dispostos a tal. Quem estiver à procura de num livro deste tipo, Os Descendentes será uma boa escolha.
Uma excelente estreia para esta autora.

15 comentários:

  1. Mais uma excelente crítica da tua parte. Vi o filme e gostei bastante.

    ResponderEliminar
  2. Adorei a tua opinião Forte, crítica, muito boa mesmo, como sempre! Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Júlia. Ainda bem que gostaste.

      Eliminar
  3. Boa crítica. Eu só vi o filme, e gostei (mas nao acho que seja uma obra prima). Na altura dos Óscares, li vários artigos sobre o tema e, se a minha memória nao falha, o que diziam era precisamente que à personagem principal do filme (interpretada por George Clooney) faltava-lhe essa força que descreves.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. vi o filme e a interpretação do Clooney é excelente. No entanto é aquela personagem que mistura alguma força com uma enorme fraqueza e entao concordo com o Luis. Também gostei da personagem pelos mesmos motivos.
      É provável que leia o livro para saber um pouco mais sobre estas personagens.

      Eliminar
    2. Tenho de ver o filme para ver se o Clooney está fiel ou não.

      Eliminar
  4. Uma vez mais uma crítica que demonstra a qualidade do teu blog. Ainda não vi o filme mas sei que ganhou óscares, pelo menos é a minha ideia. Como falas numa leitura que se torna fácil sou capaz de apostar primeiro no livro e depois no filme. Mas o filme não pode falhar, porque tem o George :)

    ResponderEliminar
  5. Bruno Limamarço 28, 2012

    O facto de não apreciar na grande maioria das vezes as adaptações e agora esta tua forte crítica ao livro, com grande lado positivo, faz-me pensar em comprar, para aqueles momentos em que não me apeteça ler nada muito complexo.
    Parabéns pelo texto. está excelente mesmo.

    ResponderEliminar
  6. Vi o filme e li o livro. A tua crítica para além de forte acerta em cheio na minha opinião e até me fizeste pensar um pouco mais sobre o livro. Acho que até fiquei a gostar mais depois do que escreves-te.
    Gostei bastante do Sid, mas mais o do filme.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me disseram que o Sid do filme é mais importe e mais cómico ou parvo em certos momentos. Tenho de ver.

      Eliminar
  7. Parece-me um bom livro, mas só o comprarei numa promoção. Mas devo dizer que a tua crítica está de altissimo nível - o normal em ti.

    ResponderEliminar
  8. Li e vi.

    Preferi o filme.

    Tenho no meu blogue a opinião dos 2.

    Boa Páscoa e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Miguel. Vou ler a tua opinião. Eu em certos aspectos preferi o filme, mas acho que no global fico-me pelo livro. Talvez também dependa do que se vê primeiro, filme ou livro.
      Obrigado por passares aqui.

      Boas leituras!

      Eliminar