segunda-feira, 2 de maio de 2016

A VINGANÇA SERVE-SE QUENTE


Autor: M. J. Arlidge

Título original: Liar Liar




Sinopse: Na calada da noite, três violentos incêndios iluminam os céus da cidade. Para a detetive Helen Grace, as chamas anunciam algo mais do que uma coincidência trágica - este cenários infernal de morte e destruição revela uma ameaça nunca antes vivenciada.
No decurso da investigação, descobre-se que aquele que procuram não é apenas um incendiário em busca de emoções fortes - os atos criminosos denunciam um assassino meticuloso e calculista. Alguém que pretende reduzir as suas vítimas a cinzas...
Uma nuvem negra de medo e desconfiança estende-se sobre a cidade, à espera de faísca que provocará a próxima tragédia. Conseguirá Helen descobrir a tempo quem será a próxima vítima?



Este é o quarto livro que leio de Arlidge e gostei de todos. Não é fácil um autor manter a qualidade a um alto nível mas Arlidge consegue-o. Este não é o meu favorito mas é, talvez, o livro com mais qualidade se olharmos globalmente para tudo o que nos oferece. Para isso muito contribui Helen, personagem que vamos conhecendo e que nos vai dando respostas e novas perguntas. O seu passado encaixa bastante bem no enredo tal como a teia de sub-enredos. O autor vai explorando outras tramas mais secundárias, mas todas elas acabam por ter algum peso, quer seja por ajudarem a definir uma personagem ou ao ligarem-se ao enredo principal.

Olhando para o enredo, é notório que o autor nos tenta surpreender em dois momentos, sendo que no meu caso conseguiu num deles e elevou bastante o prazer de continuar este enredo. Arlidge é inteligente, sabe direcionar a nossa atenção para outros locais enquanto nos dá pistas sobre o que realmente é importante e, para além disso, consegue oferecer vários pontos de vista, não se limitando aos das personagens principais. Tal ginástica literária ajuda a que o enredo pareça mais abrangente e coerente. Outro detalhe interessante está na forma como o vilão atua, afastando-se dos serial killers que costumam ter objetivos e motivações semelhantes. Não querendo revelar nada, a verdade é que no início se pode estranhar este vilão, mas no fim percebe-se como o próprio livro é feito à sua volta.

Com alguns acontecimentos a anteverem a trama do próximo livro, Arlidge acaba este enredo arriscando e conseguindo oferecer qualidade e inteligência aliadas à coerência. Falar mais sobre este livro seria poder revelar nomes de personagens ou acontecimentos que o leitor deverá investigar por ele mesmo. Tal como disse no início, este é mais um bom livro deste autor que até agora só me deu boas leituras. Uma aposta ganha, sem dúvida.

Luís Pinto

1 comentário:

  1. Análise bastante interessante. Parece que este autor não falha!

    ResponderEliminar