terça-feira, 3 de junho de 2014

O OCEANO NO FIM DO CAMINHO


Autor: Neil Gaiman

Título original: The Ocean at the end of the lane



Sinopse: Este livro é tanto um conto fantástico como um livro sobre a memória e o modo como ela nos afeta ao longo do tempo. A história é narrada por um adulto que, por ocasião de um funeral, regressa ao local onde vivera na infância, numa zona rural de Inglaterra, e revive o tempo em que era um rapazinho de sete anos. As imagens que guardara dentro de si transfiguram-se na recordação de algo que teria acontecido naquele cenário, misturando imagens felizes com os seus medos mais profundos, quando um mineiro sul-africano rouba o Mini do pai do narrador e se suicida no banco de trás.



Neil Gaiman é um escritor singular, capaz de nos surpreender com mundos fantásticos e realistas, mas também com ideias originais e que há partida parecem não fazer sentido. Este é mais um livro ao seu nível.
Existem livros que nos marcam quando menos esperamos e, por vezes, sem sabermos porquê num primeiro instante. Este pequeno e fasntástico livro fez isso comigo, ao ponto de o ter acabado e ter questionado o porquê de ter gostado tanto. Afinal o que estava nestas páginas que me tinha marcado tanto? A resposta será diferente para cada leitor e por isso não vos digo a conclusão a que cheguei, mas digo o seguinte: se gostam do autor, este livro não pode ser perdido.
Este é um livro sobre memórias e sobre como tudo na nossa vida nos afeta, e mesmo que de forma consciente ou inconsciente nos esqueçamos de alguns momentos, eles permanecem connosco, moldando-nos. Este é um livro sobre o poder da memória e os traumas que cada um de nós tem e a forma como os combate. Enfrentar um trauma não terá, penso eu, um caminho específico. Cada pessoa terá a sua forma de o enfrentar ou ignorar. E quando acabarem este livro, pensarão sobre isso.

Com um personagem principal que é um pouco de cada um de nós, vemos a dança entre avançar para o desconhecido e o regressar ao nosso local de conforto, e cada pessoa terá um local onde se sente seguro, seja ele real ou imaginário. Nesses caminhos que percorremos está o fundamental deste livro, e o seu título diz tudo, pois existe um caminho, e algo no fim... e aqui o "oceano" é a metáfora para o que procuramos, e talvez para o que nos liberta. Aquele lugar só nosso, como se estivéssemos sozinhos no meio do oceano, a recordar o que nos fez chegar até àquele local, quer seja um local físico, ou não...

Com uma escrita que no início se estranha, pois com Gaiman é sempre assim para quem nunca o leu antes, o autor volta a criar uma história madura e com um significado profundo, mesmo que no início pareça apenas mais uma história para crianças... E essa a grande arte de Gaiman, a de nos levar para algo fantástico e infantil, mas sem nunca nos fazer esquecer que somos adultos e que existe uma moral que deve ser pensada quando acabamos a última página.

Este é o terceiro livro que leio de Gaiman e foi o que gostei mais (não estou a dizer que é o que tem mais qualidade, mas foi o que me marcou mais), pois tem uma maturidade que me surpreendeu. A narrativa é rápida, as surpresas são muitas, e toda a história encaixa perfeitamente no fim.  Um livro que nos leva a pensar sobre o valor do que temos, do que cobiçamos, e da própria vida...
 Luís Pinto


5 comentários:

  1. Uma opinião muito interessante. Estou para ler este autor há muito tempo mas ainda não me decidi. Talvez seja este. bjs

    ResponderEliminar
  2. Parece uma aposta certa. Estou convencida e nunca li nada deste senhor da escrita.

    ResponderEliminar
  3. Uma opinião de grande nível a mais um grande livro de um grande escritor. Gaiman está num patamar que poucos alcançam.

    Parabéns pelo excelente artigo.

    Sac

    ResponderEliminar
  4. Acho que o vou comprar na feira do livro. Opinião que me convenceu. Deste autor já li o Deuses americanos por sugestão deste blog e Stardust depois de ver o filme, e gostei dos dois.

    ResponderEliminar