sábado, 15 de fevereiro de 2014

A RAPARIGA QUE ROUBAVA LIVROS


Autor: Markus Zusak

Título original: The Book Thief


Um livro durante a 2ª Guerra Mundial onde o narrador é a Morte...tal ideia base foi o suficiente para me deixar curioso, no entanto apenas agora, com o lançar do filme, é que li este livro, um verdadeiro sucesso por onde quer que passe.

Ter um livro onde o enredo, passado na 2ª Guerra Mundial, é narrado pela Morte, é algo diferente, e neste caso, que vale a pena ser lido. Esta é uma obra, que apesar de não ser tão marcante quando "A Lista de Schindler" ou "O Pianista", a verdade é que estamos perante um excelente livro, que mesmo não tocando de forma tão brutal o que aconteceu neste momento da história da humanidade, consegue arrepiar o leitor e tornar a leitura emotiva.  

A grande diferença esta no facto e a grande maioria dos grandes livros sobre esta época serem o ponto de vista de judeus ou de alemães que se transformam em pessoas melhores enquanto vêem as atrocidades que os rodeiam. Aqui temos o olhar de uma criança, criada na Alemanha, e à qual é incutida a mentalidade de Hitler, mas que a enfrenta, pensando por si. Este é um dos pontos que mais gostei nesta leitura: vermos como o povo era manipulado, desde pequenos, para acreditarem numa ideia base que empurrava o país para a guerra e inevitável glória, segundo a propaganda. Vemos como vizinhos, pais e professores explicam aos filhos o porquê do que está a acontecer e do orgulho que devem sentir, enquanto do outro lado temos a nossa personagem principal, uma rapariga ensinada a pensar por si, capaz de perceber o que a rodeia.

Os livros sempre foram fonte de cultura, e este romance é sobre essa singular capacidade que um livro tem de nos ensinar, de passar pensamentos, experiências de vida ou filosofias, ou então, e talvez o mais importante... um livro tem uma capacidade, deveras singular, de nos fazer sonhar. Leva-nos num mundo diferente, catalisa a nossa imaginação, leva-nos a acreditar em algo melhor. E num momento de guerra, todos devem sonhar com algo melhor, com a passagem daquele tempo sombrio em que homens esquecem os seus valores e desperdiçam as vidas que povoam os nossos países, retirando o valor ao que deveria ser essencial.

Este é um livro repleto de esperança, de sorrisos, e do olhar de uma criança na qual cresce uma bondade que o mundo esqueceu. É este contraste que marca o enredo tal como o queimar dos livros marca esta criança. Entre linhas, a Morte narra com subtileza, até com desilusão pelo que a humanidade está a fazer. A personalidade que o autor dá à Morte oferece qualidade ao livro e leva-nos a gostar daquela criança que rouba livro, mas que na realidade recolhe conhecimento e esperança em cada página.

No global, o que temos nestas palavras é um livro que tenta mostrar o brilho na mais negra das épocas, e com a dor e esperança nos comovemos e continuamos a ler, porque a esperança desta rapariga é a nossa esperança enquanto leitores. O final, marcante, demonstra uma das lições mais importantes que podemos aprender na vida, e que aqui não irei revelar. Cabe a cada leitor não deixar escapar este livro, porque aqui está o melhor e o pior que a humanidade é capaz de fazer, e todos nós devemos saber o que isso é.

Luís Pinto 

  Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui.

8 comentários:

  1. Parabéns pela excelente análise a um dos melhores livros que li este ano. Não é fácil em alguns momentos mas é uma leitura de grande qualidade e visão. A análise está muito bem construída e merece ser lida.

    MM

    ResponderEliminar
  2. Júlio Peresfevereiro 15, 2014

    Nunca li este livro mas já várias vezes fui aconselhado e agora com esta opinião fiquei convencido que tenho mesmo de o ler.

    Parabéns, Luís. como sempre um grande texto sem revelares uma única linha.

    ResponderEliminar
  3. Já li e adorei. Agora a tua crítica está muito boa e deu-me vontade de o voltar a ler. é um livro lindo e que aqui consegues expor tão bem. Parabéns e beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Há muito tempo que estou para comprar este livro. Esta opinião é mais uma que me convence a comprá-lo. Irei fazê-lo quando puder e depois digo-te o que achei. Parabéns pelo texto sem spoilers.

    ResponderEliminar
  5. Olá Luís,

    excelente crítica, como sempre. Gostei muito de a ler. O último parágrafo é, especialmente, um grande incentivo à leitura desta obra. Tenho o livro para ler, mas primeiro vi o filme. Está maravilhoso. Se o filme está tão bom, então o livro ainda vai ser melhor!
    Liesel é uma menina muito corajosa e muito perseverante e isso faz com que toda a história seja especial. A parte final, se for como foi no filme, é bastante forte. É um género de livro/filme que eu gosto bastante, pois tem uma mensagem forte e marcante. As histórias assim são sempre muito mais ricas. Fiz uma crítica ao filme no meu blogue, se quiseres passar por lá está aqui o link:

    http://oimaginariodoslivros.blogspot.pt/

    Beijinhos e boas leituras!

    ResponderEliminar
  6. Viva,

    Um grande livro, já li à uns tempos mas recordo-me que foi uma leitura muito agradável ;)

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. é um prazer ler estas análises. Acabaste em grande um texto de grande qualidade sobre um livro que também acaba com grande qualidade. parabéns.

    ResponderEliminar
  8. Uma belíssima opinião Luís, ando para ler este livro há muito tempo, mas ainda não calhou.
    Curioso também para ver a versão cinematográfica.

    ResponderEliminar