segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

O PRÍNCIPE DA NEBLINA


Autor: Carlos Ruiz Zafón

Título original: El Principe de la Niebla




Sinopse: O primeiro livro da trilogia Neblina.
Um diabólico príncipe que tem a capacidade de conceder e realizar qualquer desejo... a um preço muito elevado.
O novo lar dos Carver, numa remota aldeia da costa sul inglesa, está rodeado de mistério. Respira-se e sente-se a presença do espírito de Jacob, o filho dos antigos donos, que morreu afogado.
As estranhas circunstâncias dessa morte só se começam a perceber à medida que os jovens Max, a irmã Alicia e o amigo Roland vão descobrindo factos muito perturbadores sobre uma misteriosa personagem de seu nome… o Príncipe da Neblina.




Após ter gostado bastante de ler um livro de Zafón (opinião aqui), decidi ler mais livros do autor e começar uma das suas famosas sagas. No entanto, em vez de começar pelas grandes obras do autor, decidi ler a trilogia Neblina, sendo estas três obras criadas para um público mais juvenil.

Penso que o essencial nesta obra é absorvermos a história pelo que ela é: um enredo juvenil cheio de temas adultos. No meu caso, a leitura foi rápida e viciante porque consegui "entrar" nesta leitura mais juvenil onde os temas adultos são dados de forma suave e algumas personagens são construídas dentro da previsibilidade dos livros adolescentes. Todavia, dificilmente um leitor adulto não apreciará este livro se gostar de enredos mais juvenis, porque dentro do seu género, Zafón oferece uma obra com qualidade e muita inteligência, proporcionando a base necessária para uma boa trilogia.  

Claro que muitos poderão argumentar sobre o facto de um adolescente ser o herói da história, mas esta é uma história juvenil, tal como Harry Potter o foi e ele também era um adolescente a salvar o mundo. Neste caso é verdade que alguns momentos parecem forçados, mas no fim tudo encaixa, mesmo tendo em conta que este é apenas o início da trilogia. O ambiente criado por Zafón é fantástico, quase palpável, sendo o grande trunfo do autor neste livro e sendo um grande apreciador dos autores que me conseguem transportar para o local onde o livro se passa, aqui quase que também senti a neblina, o frio, a escuridão. 

Sobre a história pouco irei comentar. O ritmo é agradável, necessário num livro mais juvenil, as personagens conhecem-se pelos diálogos bem construídos e facilmente gostamos dos personagens principais. Todavia, é no mistério que esta narrativa tem a sua base, criando um efeito dominó que nos levará a começar o próximo caso tenham gostado deste ambiente.

Zafón é um autor que escreve de uma forma que me agrada. Existe significado nas suas frases, nada parece ter sido escrito por acaso. Obviamente que esta trilogia não é a sua obra prima (A Sombra do Vento será, provavelmente, o livro da sua carreira) mas este é um início de saga agradável, que mistura temas adultos, personagens jovens e significados escondidos, prontos para serem descobertos por cada leitor, e cada um olhará para este livro com uma moral diferente. 

Para já não irei fazer uma opinião mais aprofundada pois ainda faltam dois (apesar de este livro se ler bem sozinho). Vou continuar a ler a trilogia e no próximo livro já terei uma opinião mais fundamentada. Até lá, estou a gostar da base do enredo e acredito que o autor não me irá desiludir, mas, como disse, é preciso olhar para este livro como uma trilogia adolescente e esquecer que foi este autor quem escrever A Sombra do vento. Por agora, estou mesmo a gostar muito.

Luís Pinto

2 comentários:

  1. Olá!

    Deste autor já li a "Sombra do Vento" e gostei bastante!
    Fiquei muito curiosa com este livro!

    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  2. Mais uma grande opinião. Parabéns.

    ResponderEliminar