sábado, 18 de junho de 2011

O SENHOR DOS ANÉIS

Autor: J. R. R. Tolkien

Título original: The Lord of the Rings 

Criticar a obra-prima de Tolkien é quase uma perda de tempo por uma simples razão: Não há nada que possa dizer que não tenha sido dito. Escrevo estas linhas simplesmente porque se trata do melhor livro que alguma vez li. Confesso que não foi o que me deu mais prazer, nem o que mais me prendeu às suas linhas, mas é, indiscutivelmente, o melhor livro que alguma vez li.
 Quando comecei a ler “O Senhor dos Anéis” ainda não fazia a mínima ideia que no futuro existiriam filmes que revolucionariam a Sétima Arte e portanto não sabia o que me esperava. Comecei a lê-lo com uns quinze anos por um simples motivo: a crítica do Sunday Times dizia “o mundo da literatura inglesa encontra-se dividido em duas partes: a daqueles que já leram O Senhor dos Anéis e a daqueles que o vão ler”.
Ora claro está que um rapaz como eu que achava que gostava de fantasia, não poderia deixar de ler tão prestigiado livro! Agarrei-me ao primeiro dos três volumes como uma criança esfomeada mas rapidamente a ânsia me passou. Tolkien começava a história com o relato de uma raça de pequenas pessoas aos quais chamou de Hobbits e de um feiticeiro enfadonho de nome Gandalf  (que usava fogo de artifício nas festas) e outras descrições que enchiam as primeiras páginas de forma quase interminável. A isto seguiu-se uma festa de aniversário. Para mim algo não estava bem. Como poderia aquele livro começar por algo que não fosse fabulosas batalhas com dragões, magias e cavaleiros reluzentes? Pois. Parece-me agora que Tolkien sabia o que estava a fazer.
Já li esta história algumas vezes e em toda elas me maravilho com o mundo que Tolkien inventou. Ficará para sempre na minha memória o que senti ao ler Galdalf contra o Balrog gritando “TU NÃO PASSARÁS”, ao ver a descrição de Minas Tirith ou Minas Morgul, a negociação com Boca de Sauron, o aparecimento do Rei de Angmar, a conversa entre Frodo e Galdalf sobre a morte que Gollum merecia e acima de tudo, a própria personagem de Gollum, para mim a melhor que já li. A minha favorita. E claro que não poderia esquecer o mistério que envolve Tom Bombadil.
Pode-se com algum trabalho encontrar uma ou outra parecença com Beowulf (que apenas mais tarde tive o prazer de ler) no segundo volume em que chegamos a Rohan com as personagens da Irmandade. Mas o que Tolkien trouxe à fantasia é de tal forma avassalador, com mundos, costumes e personagens tão fortes e perfeitamente detalhados, que torna este livro como “o obrigatório”. Se ainda não o leram, parem tudo o que estejam a fazer e tratem de o ler! Se já o leram, sabem do que falo, sabem que neste livro está o que outros imitaram e que mesmo que não o façam, a influência é demasiado forte para ser negada. Tolkien é um dos grandes génios da literatura e assinou um mundo ímpar, um trabalho de uma vida. Um livro impossível de perder.

Deixo-vos aqui a frase (versão original) que mais me marcou neste livro: “Deserves it! I daresay he does. Many that live deserve death. And some that die deserve life. Can you give it to them? Then do not be too eager to deal out death in judgement. For even the very wise cannot see all ends.

7 comentários:

  1. Realmente três grandes livros... a trilogia de Tolkien foi a segunda saga de fantasia que li e mal acabei o primeiro livro a vontade de ler o próximo foi avassaladora! Grande Tolkien e da tua parte uma grande crítica... adorei a frase que escolheste como preferida!

    ResponderEliminar
  2. Sempre adorei esta frase, e quando reparei que estava no filme, adorei. Das melhores que alguma vez li.

    ResponderEliminar
  3. melhor livro de sempre e grande grande opinião da tua parte! Parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Escolheste bem a frase. gostei muito de toda a opinião. muito cativante.

    ResponderEliminar
  5. Olá :)
    Quero, desde já, indicar que aprecio muito o seu blog e, graças a si, até já comprei um livro para ler dentro em breve!
    Assim, como também gostaria de ler Tolkien,gostaria de lhe perguntar por onde devo começar, ou seja, pelo livro O Hobbit ou, simplesmente, pelo livro A Irmandade do Anel? Há quem diga que devo começar pela trilogia, e há quem diga que devo começar pelo O Hobbit. Por isso, como gosto muito das suas opiniões, gostaria de lhe pedir esse conselho, para ver por onde devo começar.

    Obrigada e continue com um excelente trabalho :)

    ResponderEliminar
  6. Olá! Gostei da opinião. Está aqui a minha: http://refemdasletras.blogspot.pt/2013/08/o-senhor-dos-aneis-irmandade-do-anel.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Vc! Ainda bem que gostaste!

      Vou já ler a tua opinião.

      Eliminar