quarta-feira, 21 de junho de 2017

FORÇAS DO MERCADO


Autor: Richard Morgan

Título original: Market forces




Sinopse: Um clássico da ficção científica moderna sobre os perigos do capitalismo selvagem Richard Morgan convida-nos a mergulhar num futuro tão horrendo quão certo de estar já ao virar da esquina. Com o povo definitivamente afastado dos centros de decisão e as grandes corporações a controlar o mundo, a globalização é brutal e não há separação entre as salas de reunião e o sangue nas ruas. Chris Faulkner é um executivo em ascensão no negócio dos Investimentos em Conflitos, onde as decisões são tomadas com duelos até à morte.



Ricard Morgan é conhecido pelas suas histórias originais, bastante futuristas e com sociedades baseadas em conceitos que nos arrepiam. Aqui Morgan não foge à regra e cria um mundo baseado no extremo a que ganância, globalização e influências podem chegar. Tudo com o objetivo de se ter mais dinheiro. Agarrando este conceito, o autor explora o lado negro da sociedade e das corporações que a sustentam.

O livro começa com um ritmo morno e durante algum tempo não percebi para onde o autor me estava a tentar levar. A introdução do conceito é feita com calma e deixando algumas perguntas sem resposta. A partir de meio do livro nota-se que o autor começa a acelerar, e se por um lado o livro perde porque o mundo nunca é totalmente sustentado, por outro ganha na intensidade. Com isto existe sempre a sensação de que o autor poderia ter explicado melhor este mundo que criou, mas por outro lado tal levaria a que o livro se tornasse demasiado lento.

O enredo é inteligente, encaixando bastante bem no mundo criado pelo autor, mesmo existindo momentos em que sentimos um forçar de certos diálogos para quer certas perguntas não sejam feitas naquele momento para aumentar as dúvidas.

Com o ritmo a aumentar e as personagens a começarem a revelar-se, os motivos de cada personagem são um dos trunfos do livro, misturando objetivos pessoais e crítica social bastante forte. O resultado final é um livro que nas últimas páginas surpreende com vária revelações, mas que se tornam bastante coerentes com todas as pistas que o autor deixou durante todo o livro.

De forma global, o autor tem aqui uma história bem pensada e um mundo com uma ideia base muito bem conseguida. O facto de o livro ser bastante intenso retira espaço a algumas explicações que gostava de ter tido e devido à sua forte e direta crítica social, talvez não seja um livro para qualquer leitor. No entanto, gostei bastante desta leitura, principalmente pela sua originalidade e pela forma como explora a mente humana, as suas virtudes e defeitos. Uma leitura muito boa para quem gostar do género e do tipo de história.

 Luís Pinto

 

1 comentário:

  1. Li este livro há anos e gostei bastante,fizeste uma excelente crítica. Gosto muito deste autor,pura e simplesmente adorei Carbono Alterado.

    ResponderEliminar