terça-feira, 10 de setembro de 2019

A RAPARIGA SEM NOME


Autor: Leslie Wolfe



Sinopse: Os olhos azuis vidrados, o belo rosto, inerte, coberto de cintilantes grãos de areia. Os lábios entreabertos, como que para libertar um último suspiro. Quem é a bela rapariga encontrada ao amanhecer numa praia deserta? Qual é o seu segredo?
A agente especial Tess Winnett, do FBI, procura incessantemente respostas. A cada passo, a cada nova descoberta, desvenda factos perturbadores que conduzem à mesma conclusão: aquela não foi a única vítima. O assassino que procuram já matou antes.
Escondendo também um terrível segredo, a agente Tess Winnett enfrenta os seus receios mais profundos, numa emocionante corrida para apanhar o assassino, que se prepara para acabar com outra vida. Descobri-lo-á a tempo? Será capaz de o deter? A que preço?



Ao fim de lermos muitos e muitos thrillers e policiais, a verdade é que já é difícil uma pessoa ficar surpreendida. É difícil encontrar algo original ou que nos agarre ou surpreenda, porque muitos livros acabam por cometer os mesmos erros. Este livro tem sido um grande fenómeno por todo o mundo e é uma das grandes apostas desta editora para esta segunda metade do ano. Mas será que vale mesmo a pena?

Não são precisas muitas páginas para se perceber que este é um livro feito para nos prender. Para isso o livro utiliza duas estratégias já conhecidas, um crime com demasiadas perguntas e que nos levam para o capítulo seguinte, e ainda uma personagem principal que terá de enfrentar os seus próprios medos, traumas, e muito mais, levando-o a um limite psicológico durante esta caça ao assassino.

Este é um livro bem pensado e bem estruturado. Alguns momentos são óbvios, outros são forçados, mas a mistura está bem conseguida, muito graças a personagens interessantes. O livro acelera logo no início depois de umas páginas que criam a base da investigação, e gostei da forma como a narrativa vai explorando o passado de algumas personagens e como esse passado ajuda a construir algumas ideias sobre as personagens e as suas decisões. Este processo consegue oferecer o suficiente sem diminuir o ritmo em demasia. Claro que fica muito para responder em relação a algumas personagens, e nota-se que nos próximos livros o autor ainda terá muita margem para criar um passado para algumas personagens.

A história é bem pensada, com mistura de momentos mais forçados e outros originais e que me surpreenderam. Gostei dos diálogos e do suspense que é criado no último terço do livro, com um ritmo a acelerar e a revelar alguns detalhes interessantes e que acabam por melhorar todo o livro, encaixando alguns pormenores do início da narrativa para lhes dar sentido.

Globalmente é um livro viciante, interessante e bem pensado. Percebe-se o seu êxito porque facilmente nos agarra. Claro que tem momentos mais forçados ou óbvios, mas também este é um género em que não é fácil surpreender um leitor depois de lermos muitos livros. Uma coisa é certa, se gostam de thrillers, este é um livro a ter em conta e que vos agarra até à última página.

Luís Pinto



Sem comentários:

Enviar um comentário