quarta-feira, 22 de agosto de 2012

UMA NOITE EM LISBOA

Autor: Erich Maria Remarque

Título original: Die Nacht von Lissabon



"O que possuiremos nós realmente nesta vida? Porque será que nos desassossegamos tanto por causa daquilo que, quando muito, nos é meramente emprestado por algum tempo; e qual a razão de tanta conversa sobre graus de posse, quando o carácter ilusório da palavra “possuir” significa meramente abraçar o nada?"

Remarque, autor do famoso "A Oeste nada de novo", leva-nos à Segunda Guerra Mundial, o mais marcante confronto da humanidade, sinónimo de dor, desespero, morte. Lisboa, capital de um pais neutro, é o objetivo de todos os que fogem e sonham com a paz que a América lhes pode oferecer.


A maioria da humanidade anseia por encontrar Deus, mas se realmente o encontrassem, o que fariam? O que perguntariam? O que pediriam?

Com uma narrativa cheia de diálogos e sem um único momento de ritmo baixo, Remarque mostra-nos um homem que regressa a casa, Alemanha, para encontrar a sua mulher. De origem judaica, este homem de vários nomes, dependendo do passaporte, oferece-nos uma história de sobrevivência, medo e incapacidade para perceber como poderá o mundo ter-se tornado no que o rodeia. Este homem, uma personagem excelente, transmite-nos o seu medo e confusão, confusão essa que o faz enfrentar, talvez de forma inconsciente, todos os perigos, apenas para ter a sua mulher a seu lado.
Na noite de Lisboa, já sem esperança, este homem descreve uma vida inteira de luta, alimentada por um sonho, mas destruído pelo mais inesperado inimigo. Uma vida é tudo o que temos, mas, e quando essa noção já não existe? Quando a nossa passagem neste mundo é tão cheia de dor e medo, que valor tem a nossa vida para nós mesmos?

Rodeado por este conflito global, o passaporte é o mais importante para a tua sobrevivência, é o que te pode salvar. Mas o que te define? Vivemos numa civilização regida por leis, e temos orgulho de mostrarmos como somos civilizados dentro dessa visão criada durante anos. Mas seremos civilizados por decisão ou imposição? Se houvesse impunidade para todas as nossas ações, que mundo seria o nosso? Quem é afinal este homem? O que aparece no passaporte, solitário, apreciador de arte; ou será aquele que enfrentou tudo para viver com a sua mulher?

A Segunda Guerra é um tema que me atrai bastante, e este livro está ao nível das minhas expectativas. Rico em sensações e questões marcantes, vemos um homem para o qual já nada tem valor. Vive apenas para matar o inimigo e contar a sua história, e talvez assim, atingir a imortalidade que o seu amor merece. Ou talvez encontre o significado e lógica para tudo o que o rodeia.

A imagem de Lisboa é de uma cidade luminosa, num mundo sombrio, onde reside alguma esperança. Remarque dá-nos um livro que me faz lembrar O Pianista, livro também fantástico e que aconselho.
Não é o melhor livro que li sobre esta época, mas a sua qualidade é inegável e será uma excelente leitura para quem gostar de ler as impressionantes experiências de vida desta época e sobre a qual todos nós devemos saber um pouco mais. Gostei bastante do final, que poderá não agradar a todos, não por ser feliz ou triste, mas porque acaba de forma pouco usual e que me surpreendeu bastante.

Irei, certamente, voltar a este autor, e talvez ler o seu mais famoso trabalho: A Oeste nada de novo. Para todos os que procurem bons livros sobre esta época, sem apresentarem uma grande violência, este livro é uma excelente escolha. 

10 comentários:

  1. opinião marcante da tua parte. Vou dar vista de olhos.

    ResponderEliminar
  2. Depois disto, wishlist com ele. Adorei a tua opinião.

    ResponderEliminar
  3. LI este livro há alguns anos, em inglês, e considero-o fantástico. A tua crítica está excelente, como sempre. Nada revelado e centrado nas questões importantes. Parabéns

    ResponderEliminar
  4. Irei dar uma vista de olhos de certeza! É um tema que sempre me chamou a atenção! Obrigada pela dica ;) *

    ResponderEliminar
  5. grande crítica! O normal neste blogue. Li o A oeste nada de novo e adorei. Não conhecia este livro mas vou ver também.

    ResponderEliminar
  6. O Luís ainda não escreveu um livro e já é dos meus autores favoritos. Continue!

    ResponderEliminar
  7. Não conhecia autor nem livro, mas fui ver ao GR e a nota é muito alta. Parabéns pela crítica. Está muito boa!

    ResponderEliminar
  8. Teresa Gomesagosto 24, 2012

    Dás um toque pessoal a cada crítica como ninguém. Este livro já o tinha na minha lista e agora subiu uns lugares. Talvez espere por uma promoçãozita, mas quando dizes que vale a pena acredito.

    ResponderEliminar
  9. Olá

    espero encontrar-te bem,

    É curioso como por vezes o nosso percurso nos coloca na rota de alguns blogs, ou no caminho de algumas pessoas, ou até em contacto com outros leitores.

    A vida em si nunca deixa de ser curiosa.

    Acabei de ler "uma noite em Lisboa" no domingo passado. Livro comprado em 2ª mão, e na sequência de uma compra anterior, a 25º hora, igualmente em 2ª mão e a preço imbatível, também sobre o tema da II guerra.

    E como nos cruzamos?

    Aliado a um lapso, ou alavancado por um erro, meu é claro.

    TV2 anuncia para esta semana em 5 noites 5 filmes, a exibição de passagem por Lisboa.

    Aqui o ilustre comentador, neste caso eu, considera alinhamento das estrelas, ou outro qualquer fenómeno quase a atingir o paranormal, dado que terminar uma obra como " uma Noite em Lisboa" num domingo, décadas após ter sido escrito,e cujas palavras para descrever o que senti ainda não as encontrei, e ao mesmo tempo deliciar-se com o anuncio da exibição do filme na seguinte 5ºa feira, é daquelas situações em que dou comigo a olhar para o céu e a agradecer a não sei bem quem.

    A parte engraçada, é que Uma noite em Lisboa do Remarque, e "passagem por Lisboa" que vai ser exibido na tv2, apenas têm em comum a palavra Lisboa, e só dei por isso depois de passar por este blogue. hehehe

    Abraços



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Escatota.

      Realmente os dois livros só têm em comum a palavra Lisboa:) O passagem por Lisboa não consegui ver mas tinha interesse. Um dia destes ainda lhe dou uma vista de olhos para ver se gosto.

      Abraço!

      Eliminar