sexta-feira, 17 de agosto de 2012

DEMÊNCIA

Autor: Célia Correia Loureiro


Sinopse: No seio de uma aldeia beirã, Olímpia Vieira começa a sofrer os sintomas de uma demência que ameaça levar-lhe a memória aos poucos. A única pessoa que lhe ocorre chamar para assisti-la é a sua nora viúva, Letícia. Mas Letícia, que se faz acompanhar das duas filhas, tem um passado de sobrevivência que a levou a cometer um crime do qual apenas a justiça a absolveu.

O cérebro humano é a estrutura mais complexa do Universo conhecido, capaz de um número de processamentos por segundo que nenhum computador consegue alcançar. Graças à sua evolução, somos senhores do que nos rodeia, capazes de criar, questionar, recordar... e somos totalmente dependentes dos seus milhões de processos que actuam sem nos apercebermos. E quando essa estrutura, mestre do nosso corpo, começa a falhar, no que nos tornamos?
Era com esta perspectiva que abordei o livro, a primeira criação de uma autora que nasceu na cidade em que vivo. Esperava um livro que aprofundasse as limitações e os desafios que esta doença mental iria impor a Olímpia, mas, para minha surpresa, esse não era o tema principal da história. Mas já lá vamos...

Em primeiro lugar temos de perceber uma coisa: editar um livro em Portugal com 22 anos não é tarefa fácil. Umas vezes consegue-se porque são pessoas famosas, outras vezes porque há qualidade. Este é um exemplo de qualidade. O livro é bom, principalmente se tivermos em conta ser uma estreia e ter sido escrito com pouco mais de 20 anos de idade. 
As personagens estão bens construídas, acredito que seja fácil simpatizar com Letícia, e para muitos leitores será a personagens preferida. A sua luta ao regressar a uma aldeia onde não é desejada, ter de lutar contra toda uma mentalidade e preconceito, e ainda apoiar a sua sogra que mal a conhece, torna este livro viciante, maduro, e acabamos, tal como ela, a lutar para proporcionar às suas filhas uma vida que dificilmente terão.
Infelizmente a autora afasta-se um pouco de Olímpia, que para mim é a grande personagem deste livro, pois é ela a imagem da demência que dá uma profundidade extra à história. Adorei esta personagem e gostava de ver melhor a adaptação à sua "nova" vida!

Ao início o livro pode parecer demasiado grande, mas ao fim de algumas páginas, tal sensação desaparece graças a dois factores: o primeiro, é que a escrita da autora melhora com o decorrer da história, a segunda é que Célia Loureiro monta a história por forma a revelar segredos (muitos em flahsbacks) em momentos chave e que impulsionam a leitura, deixando sempre dúvidas no ar.
Outro ponto forte, é a forma como o ambiente da aldeia nos é dado. Célia explorou bem os preconceitos e as vergonhas de uma sociedade parada no tempo e alimentada pela ânsia de conhecer a vida dos outros. Desde violência doméstica, invejas, vinganças e abortos, esta história tem um bocadinho de tudo e o livro torna-se sólido. Pelo meio teremos o romance, que alimenta este livro e que torna esta obra mais virada para um público feminino.

Nota-se que o livro não teve uma revisão aprofundada, mas os poucos erros ortográficos ou frases demasiado longas, em nada tiram qualidade à história. O que fica na memória é que estas páginas são sobre decisões, muitas delas erradas e que condicionam toda uma vida, retirando-nos uma possível felicidade num tempo que nunca mais conseguiremos recuperar.
O final é uma mistura de sensações e o último parágrafo é fantástico, ajudando a tornar o fim mais marcante. No entanto alguns acontecimentos finais mostraram-se demasiado "forçados" pelas inúmeras coincidências, e tal desagradou-me um pouco.

Uma estreia promissora de uma jovem autora, que pode evoluir, e um exemplo perfeito de que se pode ter qualidade com vinte anos. Vou ficar atento ao próximo livro desta autora!
No fim pergunto-me... se eu fosse Olímpia, até onde teria aguentado?

12 comentários:

  1. Obrigada por se ter permitido gostar tanto do livro e, sobretudo, da Olímpia. Este não foi um livro fácil, trouxe-me muitas angústias, sofri por aquelas pessoas. Espero que continue a ler-me e que, de futuro, eu vá sendo cada vez mais capaz de colmatar estes erros actuais.

    Se quiser compreender melhor alguns dos meus motivos e das personagens, eu fiz esta reflexão sobre o livro.

    http://castelos-de-letras.blogspot.pt/2012/05/30-loureiro-celia-correia-demencia.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Célia.

      Obrigado pelo comentário. Gostei bastante da Olímpia. Parabéns pela personagem.

      Assim que tiver temo, dou uma vista de olhos a essa reflexão.

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Convenceste-me! Vou pesquisar!

    ResponderEliminar
  4. Acho que já é a terceira opinião que leio sobre este livro e a tua está excelente. Acho que vai para a lista de compras de 2013!

    ResponderEliminar
  5. Não me aprece o mesmo estilo, mas mesmo assim vou dar uma vista de olhos.

    ResponderEliminar
  6. Mais uma bela opinião :)

    ResponderEliminar
  7. O teu primeiro parágrafo está tão bom que meti o livro logo na wishlist. Se fosse a sinopse do livro tinha-o comprado logo. É a segunda vez que olho para este livro e acho que lhe vou dar uma oportunidade.

    ResponderEliminar
  8. também adorei o parágrafo inicial depois da sinopse. Excelente. O livro tou a ver que tem boas criticas pela net.

    ResponderEliminar
  9. Já li o livro e gostei bastante mas também aponto os mesmos problemas que o Luís. Leitura muito agradável e grande estreia.

    Como sempre, opinião muito boa.

    ResponderEliminar
  10. E uma vez mais, obrigado a todos pelos comentários!

    ResponderEliminar
  11. Obrigada eu novamente Luís, por reunir no seu espaço tantos leitores interessados! É um feito.

    Podem ir-me seguindo aqui, caros:
    https://www.facebook.com/pages/C%C3%A9lia-Correia-Loureiro/219243348139668

    ResponderEliminar