quinta-feira, 17 de maio de 2012

O MONSTRO DE FLORENÇA - Uma história verdadeira

Autor: Douglas Preston e Mario Spezi


Título original: The Monster of Florence - A True Story


Douglas Preston, autor de enorme sucesso, muito graças à sua saga Pendergest (uma série de ficção onde a investigação criminal domina), traz-nos agora uma história verídica, a investigação d'O Monstro de Florença, onde ele próprio tem um inesperado papel.
Sempre gostei de ler histórias verídicas e "crimes reais" não são excepção, mas o facto de os próprios autores estarem "misturados" na investigação dá um toque único a este livro, e que prende qualquer leitor até ao fim.

O grande trunfo deste livro está na primeira parte, na qual Preston explica, de forma quase sempre cronológica, os crimes e o desenrolar da investigação por forma a se tentar descobrir a identidade do serial-killer que inspirou Thomas Harris a inventar o grande Hannibal Lecter. A forma como Preston expõe todo o desenrolar destes acontecimentos entre os anos de 1968 e 1985, está tão cativante que parece estarmos a ler ficção e não uma história verdadeira, tal é o ritmo e a forma quase perfeita como o autor entrelaça e nos dá toda a informação necessária. O resultado é é que comecei a ler este livro e não consegui parar!

A segunda parte do livro começa quando Preston "entra em cena" contra vontade própria, e é a partir deste momento que começamos a ficar de boca aberta. A verdade é que nem sempre a justiça prevalece e a História da Humanidade está repleta desses casos, mas a revolta é ainda maior quando notamos que são os interesses pessoais a pisar o valor de justiça e a objectividade da investigação. Como parece fácil manipular toda a ideia de um povo quando é benéfico para todos os que têm poder. E assim, Preston vai mostrando os erros, os interesses e os limites que cada um define para si próprio, na busca de notoriedade, reconhecimento, etc...

O livro é forte, principalmente porque desde a primeira página que temos noção que é verdade o que lemos, e se pensam que é forte apenas pelas descrições dos crimes, enganam-se... o que igualmente aterroriza o leitor é pensar em toda a incompetência na investigação e que certamente não será única... quantos inocentes estão presos? Quantos culpados ficaram por apanhar? Por vezes, até as mais promissoras pistas, levam apenas a mais pistas...

Devo ainda dizer que Preston não se limita a falar dos crimes em si, mas explica também muito da história da cidade e curiosidades interessantes que encaixam perfeitamente na história, tornando-a mais sólida, sem nunca ser uma leitura enfadonha. Nunca me senti perdido, nem no "espaço" nem na investigação, o que só demonstra o grande trabalho de Preston.

Sobre a história prefiro não falar para não relevar nada, mas poso dizer que, dentro do seu género, está no meu top 10, sendo provavelmente o melhor que li nos últimos dois ou três anos. No seu género é um livro obrigatório e peca apenas por não ter um final mais marcante... mas temos de perceber que é uma história verdadeira, não ficção.Se gostarem deste género ou quiserem experimentar pela primeira vez, este livro é uma excelente escolha.

15 comentários:

  1. Respostas
    1. x2! achei a opinião muito interessante. Nunca ouvi falar deste monstro.

      Eliminar
  2. Não conhecia o livro nem a história deste assassino. fiquei alerta quando vi o passatempo que fizeste e agora estou convencido a comprar este livro. Bela crítica, ao teu estilo, forte, crítica e sem revelar. Parabéns.

    Nunes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não conhecia muito bem este monstro apesar de já ter ouvido falar. Foi uma agradável surpresa.

      Eliminar
  3. Se a tua opinião já deixa a pulga atrás da orelha, então ter sido a inspiração para Hannibal Lecter ainda me deu mais vontade de ler. Pena não ter ganho o passatempo! =P

    ResponderEliminar
  4. Também não conheço esta série de mortes e fiquei curioso quando vi o passatempo. Ainda bem que já escreveste sobre ele. Não é bem o meu género mas estou a ver que pode ser uma boa aquisição.

    ResponderEliminar
  5. Fiquei muito cyrioso em relação a este, pois é um género que muito aprecio.
    Estive no site da Presença a ler o primeiro capitulo deste livro e ainda fiquei mais empolgado.
    Descobri também outros livros deste autor e da tal saga Pendergest que falaste, nada melhor do que dar um saltinho ao blogue da Vera (A menina dos Policiais)
    Vou ter este livro em conta. Por falar em factos reais já leste "Sopro do Mal de Donato carrisi? é de tirar o folego! e que revelação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não li nada da saga Pendergest, mas também fiquei curioso.
      O Sopro do Mal é mais um que está na lista. Estou a ver que gostaste. Vou ver se acelero a aquisição.

      Eliminar
  6. Muito boa crítica e que me deixou com enorme pena de não ter ganho o passatempo!

    ResponderEliminar
  7. Excelente crítica Luís!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá macy. Se gostares deste tipo de livros, penso que seja uma escolha muito boa.

      Eliminar
  8. "Por vezes, até as mais promissoras pistas, levam apenas a mais pistas..."

    Estiveste muito bem em toda a critica, mas adorei esta frase. Também participei e agora ainda tenho mais pena de não ter ganho. Devias fazer mais um! Vou colocar este na lista de compras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Loki. Também gostava de fazer mais. lol.

      Eliminar
  9. Também achei a opinião muito interessante e sendo uma história que nunca ouvi falar, fiquei muito curiosa. Não é o meu estilo, mas estou pronta a começar.

    ResponderEliminar