sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

A VIAGEM DO ASSASSINO


Autor: Robin Hobb



Sinopse: Há muitos anos, FitzCavalaria jurou a si mesmo afastar-se das intrigas da corte e despir a pele de assassino. Tornou-se Tomé Texugo, um respeitável senhor rural, marido e pai. Mas esta pacata existência foi abalada pelo rapto da sua filha, Abelha, cuja existência praticamente todos desconheciam.
Acreditando que a filha está morta, Fitz parte com o seu velho amigo Bobo em busca de vingança. A sua jornada leva-os a percorrer meio mundo, até chegarem a um lugar maldito que traz de volta memórias há muito esquecidas.
Entre a dor da perda e a esperança num futuro incerto, Fitz e o Bobo terão de enfrentar revelações inesperadas que serão decisivas no futuro de ambos.


Este é o quarto livro desta nova saga onde Fitz é o personagem principal. Quem seguir o meu blog sabe que gosto bastante dos livros de Robin Hobb, não tanto pela sua história ou pelo mundo criado, que são bons, mas principalmente pelas personagens. Hobb tem uma talento claro para explorar as suas personagens, dando-lhes densidade, mistério, coerência, inteligência e, principalmente, uma grande capacidade de agarrar o leitor. Quem lê estes livros, muito provavelmente sofre com estas personagens, ri com elas, vive aqueles momentos como se os estivesse a ver. 

Este é o segredo de Hobb, muito graças ao facto de já termos lido vários livros neste mundo, personagens como Fitz são quase como amigos. Conhecemos verdadeiramente este personagem criado pela mente de alguém e passado para um papel. E é assim que avançamos, querendo saber mais, querendo saber como tudo acaba e desejando que seja tudo pelo melhor.

Sendo a terceira saga com Fitz, Hobb aproveita o passado da personagem para explorar os seus traumas, os seus sonhos, esperanças, crenças, tudo num passado que conhecemos porque estivemos sempre presentes na vida deste homem que se tornou num assassino. 

Com muitas revelações pelo meio, várias com ligações ao passado e a anteriores livros, este enredo começa a ganhar uma dimensão cada vez maior. As linhas começam a ligar-se com revelações poderosas e inesperadas, que preparam o último livro da saga. Com o interesse a aumentar bastante, torna-se impossível largar este livro e assim que o acabamos, queremos o próximo.

Faltando apenas um livro para o fim desta saga, não vou alongar-me nesta análise para não revelar nada, mas o importante é fácil de dizer e de identificar: Hobb cria uma ligação entre livro e leitor que poucos conseguem. Com a intensidade a crescer a cada livro desta saga, o final promete ser avassalador, até porque se nota que Hobb está a construir noções no leitor que serão a base das revelações finais.

Nestas sagas de Fitz, Hobb não tem o melhor mundo, nem o melhor enredo, mas poucos agarram como ela. É uma viagem única, feita de mão dada com Fitz, que deixa de ser uma personagem para ser o nosso companheiro. Se gostam de fantasia, se as personagens são importantes para vocês, então todos os livros do assassino são para vocês. Já só falta um!

Luís Pinto


3 comentários:

  1. Oie Luís,

    Para mim foi a melhor leitura do ano a par de Cornwell e Eriksson, muito bom mesmo.

    Abraço e bom ano

    ResponderEliminar
  2. Eu li a 1 saga (A Saga do Assassino) e adorei. Não consigo encontrar os livros da saga que julgo ser a 2 (O Regresso do Assassino),pelo menos com a rapidez que gostaria, mas tenho a saga O Assassino e o Bobo. Preparo-me para começar por esta última porque me custa esperar pelos livros anteriores (coisa que não costumo fazer). Creio que procuro um conselho: Deverei procurar ler 1 os livros da saga "O Regresso do Assassino" antes da saga " O Assassino e o Bobo"? Ou poderei depois voltar atrás, sem prejuízo da história? Estas questões parvas devem-se à minha impaciência!

    ResponderEliminar