segunda-feira, 11 de agosto de 2014

O FRANCO ATIRADOR PACIENTE


Autor: Arturo Pérez-Reverte

Título original: El francotirador paciente



Sinopse: Sniper é uma lenda viva no mundo da arte de rua. Subversivo e omnipresente na tela urbana, ninguém conhece a sua identidade, poucos terão visto o seu rosto, não há relatos do seu paradeiro. Quem é o verdadeiro Sniper por detrás deste enigma que o mistifica? É um heroico cruzamento de Salman Rushdie e Banksy, um justiceiro solitário? Ou um terrorista urbano, um egomaníaco cujas ações já se revelaram fatais?
Alejandra Varela, especialista em arte, decide seguir os passos deste homem sem lei. Uma mira telescópica de francoatirador assina todos os trabalhos de Sniper, e é essa mira que leva Alejandra a infiltrar-se no submundo de Madrid e Lisboa, Verona e Nápoles. Cidades que são os campos de batalha prediletos deste caçador solitário. Mas, a coberto das sombras, uma outra pessoa aguarda para descobrir o paradeiro de Sniper, embora as suas motivações sejam bem diferentes…
Segue-se um formidável duelo de inteligências, um jogo de perseguição entre caçador e presa cujo final é, no mínimo, surpreendente.
Thriller centrado no obscuro e inexplorado submundo da arte urbana, nas suas leis e códigos éticos próprios, na frágil distinção entre arte e vandalismo, O Francoatirador Paciente é um convite à reflexão sobre a identidade urbana, a arte e o artista moderno.



O nome do livro nada tinha a ver com a capa. Um homem com uma lata spray de tinta. Arturo captou de imediato a minha atenção em direção à sinopse e percebi rapidamente que este poderia ser um tema que oferecesse uma leitura interessante. 

O centro deste livro é a arte urbana e muitas das questões que se levantam com este movimento artístico. Afinal o que pretendem estes artistas? Atingir a mentalidade das pessoas, deixar um pensamento? Conseguir a imortalidade numa parede? Serão vândalos ou artistas? Neste enredo, que viaja entre Espanha, Portugal e Itália, o autor explora algumas mentalidades e alguns objetivos de quem pratica esta arte, mas também explora o lado da sociedade e como esta vê esta crescente artística. Este será, provavelmente, o aspeto mais interessante do livro que nos irá prender numa caça ao homem, e este será um homem que queremos conhecer enquanto avançamos na história, pois em cada personagem existe sempre algo mais do que vemos à primeira vista. 

Arturo sempre foi um autor que consegue expor temas de forma objetiva e global, e aqui não falha. O livro sofre um pouco com a exploração do tema, transformando-se num enredo em que o ritmo não é constante, e por vezes é bastante lento. A caça ao homem e a "desmistificação" do mesmo irá empurrar-nos até ao fim do livro, sempre com acontecimentos interessantes e diálogos inteligentes. 

As duas personagens principais estão muito bem conseguidas, principalmente porque apresentam duas mentalidades que são, ao mesmo tempo, muito afastadas nuns temas, e muito próximas noutros. A isto junta-se uma escrita fantástica, já habitual neste autor, e que nos leva com facilidade a perceber o que é preciso ser transmitido para conseguirmos absorver tudo o que o enredo nos pode dar. O final, surpreendente em vários aspetos, fez-me olhar para todo o livro com outros olhos e compreender melhor todo o trabalho do autor para nos levar numa direção muito específica, e que agora ao ser analisada, torna todo o livro melhor no fim, mesmo que a meio pareça que o enredo está algo perdido.

Resumindo, Reverte oferece aqui um livro que é um thriller de ritmo inconstante. Esta oscilação de ritmo pode parecer estranha mas é o resultado de um aprofundar de um tema a um nível superior e que a maioria dos thriller não quer alcançar. E é esse aprofundar do tema que nos leva a pensar e a perceber que este livro é melhor do que parece em alguns momentos. Não é o melhor livro do autor, mas é mais um livro muito inteligente sobre um tema que merece ser discutido. Se acham o tema interessante, certamente irão gostar deste livro.     

Luís Pinto

2 comentários:

  1. Mais uma opinião de grande qualidade. Adoro este autor e vou ler este livro! Boas leituras e beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Também fiquei com vontade de ler este livro. Achei o tema interessantissimo e não o conhecia.

    ResponderEliminar