quarta-feira, 9 de julho de 2014

SOU UM CLANDESTINO


Autor: Susanna Tamaro

Título original: Illmitz



Sinopse: O protagonista deste livro é um jovem de 25 anos que decide empreender uma viagem a Illmitz, uma pequena cidade numa região remota da Áustria onde a sua família vivera antes de se mudar para Itália. É uma viagem em busca das suas raízes - mas sobretudo em busca de um sentido para a sua inquietação, para a sua fragilidade. Com ele viajam também os seus fantasmas: Agnese, a irmã que morreu ainda criança; Andrea, o amigo de infância; a mãe, falecida também prematuramente. E há ainda Cecilia, a namorada. Dotada de uma sensualidade exuberante e de uma vitalidade instintiva, Cecilia é tudo aquilo que o protagonista não é. E é com essa imagem tão diferente de si próprio que ele vai ter de se reconciliar…



Este é o primeiro livro que leio de Tamaro e não é um livro fácil. A forma como a escritora vai explorando o enredo parece, em alguns momentos, que Tamaro está ligeiramente perdida, para momentos depois se reencontrar. Esta oscilação é apenas inicial, até começarmos a conhecer verdadeiramente a personagem principal, um rapaz com o qual consegui ganhar uma forte ligação e que aos poucos desvenda segredos que nos ajudam a perceber os seus motivos e também a sua dor.

A escrita de Tamaro surpreendeu-me, pois não é fácil em alguns momentos, e não conhecendo a autora, não sei indicar se é algo natural nos seus trabalhos, ou se foi propositadamente feita para encaixar nesta personagem. Se foi essa a intenção, então está perfeito, porque tal como a mente deste jovem, também o livro carrega uma constante dor e desorganização que marca a narrativa, definindo-a como um livro sobre momentos da nossa vida. Aos poucos, a leitura torna-se num relato sobre o sofrimento e solidão de quem perdeu o que ninguém devia perder e ficamos perante um personagem que não tem, de forma consciente, um rumo a seguir. É uma leitura pesada, devastadora em alguns momentos, e que assim consegue transmitir totalmente a mensagem que a autora deseja passar.

Este é um livro sobre o passado e as marcas que deixa em cada um de nós. A perda e a consequente solidão podem definir-nos enquanto pessoas, levando-nos a desistir ou a procurar algo que nos preencha, e que poderá nem existir. O que é perder uma pessoa? O que é olharmos à nossa volta e percebermos que estamos sozinho num mundo com biliões de pessoas? O que nos dá forças nesses momentos? A verdade é que o Homem, na sua generalidade, não está preparado para estar sozinho. Somos geneticamente programados para arranjar companhia e consequente conforto... então e se nunca o arranjarmos?

Este não é um livro fácil porque aos poucos começamos a sentir o desgaste psicológico desta personagem e somos agarrados pela sua tristeza. E é talvez aqui que a autora parece mostrar que poderá ter exagerado em alguns temas, mas que no fim fazem sentido e percebemos. O final é, provavelmente, o momento mais marcante do livro, não pelo que acontece, mas pelo que indiretamente nos mostra. A pergunta que move este livro é: "o que nos faz continuar quando nada temos?" e no final talvez todos tenhamos uma resposta, por mais diferente que seja a cada um. Pelo meio algumas personagens interessantes, diálogos inteligentes e com significado, e momentos que me deixaram a pensar e que foram uma surpresa. Globalmente, o enredo não é fantástico, mas a mensagem é poderosa e a forma como se irá enquadrar com alguns leitores será marcante.

Resumindo este livro, e não querendo desvendar nada sobre a história, é uma obra pesada, que por vezes parece perder-se para depois se encontrar. Em alguns momentos parece um livro banal, noutros demonstra a sua qualidade e a sua estrutura bem pensada. Mas, como disse no início, não é um livro leve, a autora assegura-se disso, e merece ser lido com calma e com a iniciativa de entrarmos na personagem e vermos quais as suas opções e motivos. Tendo já ouvido falar bastante sobre outros livros da autora, acredito que os seus fãs irão gostar bastante e se conseguirem entrar na mente da personagem, irão perguntar o que vocês fariam se estivessem na mesma situação.

Luís Pinto

4 comentários:

  1. Li todos os livros editados por cá da autora e este também vai ser lido. Gostei muito da tua opinião e acho que vou antecipar a compra :p

    ResponderEliminar
  2. Pelo que vejo trata-se de um livro forte e com mensagens poderosas. Vou lê-lo de certeza e vai ser a minha estreia com esta autora.

    Boas leituras.

    ResponderEliminar
  3. Uma análise muito interessante sem dúvida. Vou esperar uns tempos e depois compro-o porque gostei dos pontos que analisaste e aprecio essas leituras.
    Parabéns pelo texto e boas leituras

    ResponderEliminar
  4. Rute Camposjulho 09, 2014

    Já li um livro da Susana Tamaro e gostei e agora fiquei com vontade de ler este. Parece-me mais um livro sombrio e triste mas com uma boa mensagem. Parabéns pelo texto sempre muito bom!

    ResponderEliminar