segunda-feira, 4 de junho de 2012

OS FILHOS DE KRONDOR - O Príncipe Herdeiro


Autor: Raymond E. Feist


Título original: Prince of the Blood


A saga O Mago (os 4 volumes da saga Riftwar), que já comentei aqui no blog, foi talvez a saga que mais gostei de ler em todo o género de fantasia, e os meus elogios parecem-me "pequenos" para enaltecer a qualidade do trabalho de Feist. Sendo assim, seria obrigatório voltar a este mundo e voltar a ler sobre o mundo de Midkemia.

A primeira coisa que posso dizer é: adorei este livro! Vendo de forma imparcial, este livro é o mais fraco que li deste autor, porque não consegue estar ao nível de qualquer um dos quatro anteriores, e mesmo assim, continua a ser muito bom! Feist tem, sem dúvida, uma capacidade rara que colar o leitor ao livro, mesmo quando está a apresentar uma nova saga, e não uma continuação. Viciante!

Cronologicamente Feist dá um salto de 20 anos após As Trevas de Sethanon, e rapidamente sentimos uma agradável sensação de vermos o que aconteceu às nossas personagens preferidas. Arutha, Pug, Jimmy, entre outros, regressam para ajudar o leitor a entrar novamente neste mundo. Começando pelas personagens, Boric e Erland, os filhos de Arutha, são as principais e nota-se que Feist leva o leitor a conhecer a evolução dos rapazes, que ao início não demonstram a maturidade necessária ao posto que um dia irão ocupar. Confesso que estes irmãos gémeos não me marcaram muito, talvez porque devido a este processo de crescimento é difícil ganhar um destaque que seja realmente marcante. Por outro lado, Jimmy Mãozinhas é a grande personagem deste livro (apesar de não ser o que aparece mais), é ele a personagem madura e inteligente que irá desenvolver a história, e mais importante, encaminhar muitas das personagens. Quem for fã do Jimmy terá aqui mais um livro que gostará!
Existem ainda novas personagens e sou obrigado a falar de Nakor e Suli. Qualquer uma delas consegue dar um pouco dela própria à história, quer seja pelo humor, coragem ou forma de ver a vida. Gostei mesmo muito destas duas novas "aquisições".

No entanto este livro fica marcado pela enorme diferença que tem em relação a O Mago. Feist "deixa para trás" muita da magia/fantasia que movia a anterior saga e agora entramos em Kesh, onde a história se torna mais política e cheia de intrigas. Esta mudança das lutas épicas/mágicas para as lutas de bastidores, poderá desagradar aos fãs que prefiram a fantasia a que Feist nos habituou, mas este "novo olhar" ajudará ao desenvolvimento de muitas coisas (e sim, Jimmy ganha claramente com este olhar mais político), ao ponto de percebermos que este livro será uma ponte para algo que estará para chegar.

Falando um pouco sobre onde se passa este livro e sem desvendar muito, acho que o Império Kesh é bem conseguido e tal como aconteceu com Kelewan, notam-se algumas influências de civilizações conhecidas, sem que isso retire a identidade do Império que Feist criou, e garanto que Kesh consegue preencher a história com características interessantes e com qualidade. Não conseguiu marcar-me tanto quanto Kelewan, o que também não era nada fácil, mas para primeiro livro, acho que Feist construiu uma boa base e gostava de ver este Império mais desenvolvido e revelado.
Sem a necessidade de apresentações, a história começa com um ritmo elevado e nunca baixa, por isso preparem-se para uma leitura compulsiva, com momentos de humor tal como outros bem cruéis. É verdade que a história não é brilhante (quando comparada à saga anterior), mas novamente se percebe que estamos a ver um novo início que nos está a preparar para algo maior, e continua a ser uma história melhor do que a grande maioria da fantasia que se lê.

Eu sou apenas mais um entre milhões que se tornaram fãs deste autor. A saga O Mago é indiscutivelmente uma das grandes obras-primas da fantasia e este livro viverá à sombra da qualidade dos anteriores. No entanto este livro é muito bom e certamente que alguns leitores gostarão mais deste livro do que dos anteriores. Quem gostou de O Mago, gostará certamente deste livro e tal como eu, ficará à espera do próximo. Ele que venha, e rápido! É impossível falhar esta nova saga e Feist é, indiscutivelmente, um dos melhores autores de fantasia!

14 comentários:

  1. Também gostei muito deste livro! Marca o inicio de uma temática mais "behind the shadows" que Feist vai explorar nos próximos livros.

    Como sempre, excelente critica=)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero bem que explore e explore bem! Estou desejosos de agarrar o próximo!

      Eliminar
  2. Já? Isso é que foi ler! Fiquei muito agradada com o que escreveste. Vou comprar de certeza! Grande trabalho, Luís!

    ResponderEliminar
  3. Obrigada por não revelares nada. Não estava à espera dessa mudança que falaste, mas se gostaste vou tratar de o comprar na feira do livro nestes dias. Mas primeiro quero o resultado do passatempo, porque o meu marido participou.

    ResponderEliminar
  4. Fantástico outra vez e convencido outra vez. continua!

    ResponderEliminar
  5. Nada como fazer uma pausa para o almoço e ler esta bela opinião. Meteste-me o bichinho do Mago e acho que agora me meto neste também. E adorei a capa, fantástica!

    ResponderEliminar
  6. Convencido. O livro vai estar na feira do livro do Porto? Mais um para a lista e não há dinheiro para tudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que esteja! Aproveita.

      Eliminar
  7. Grande crítica. Comprei o primeiro mago e adorei. Vou ler os próximos e depois digo-te o que acho dos livros. Este está para a seguir!

    ResponderEliminar
  8. Excelente critica! Como sempre claro. Sou fã dos livros do Mago e acho que também vou ser fã destes :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que sim. Sabe bem voltar a ver algumas personagens, mesmo com um ambiente diferente.

      Eliminar
  9. Já li o último livro da Saga Riftwar, o qual adorei (para mim, o melhor da saga), e fico agora de ler este novo livro de Raymond E. Feist. Mas, vamos lé ver, porque eu ainda queria ler o Acácia e o dinheiro não estica...
    Mais uma vez, obrigado pela crítica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. filipafalmeida, para mim o Trevas de Sethanon também é o melhor da saga e duvido que Feist consiga melhor, porque realmente é excelente.

      Eliminar