quinta-feira, 14 de junho de 2012

A CIDADE IMPURA

Autor: Andrew Miller

Título original: Pure


SINOPSE:
Paris, 1785, uma cidade em vésperas de revolução. Jean-Baptiste Baratte, um engenheiro de origens humildes, é incumbido pelo ministro do rei de supervisionar a demolição do cemitério Les Innocents. Há décadas que o velho cemitério já não consegue conter os seus mortos e que a sua atmosfera de decadência contamina o ar e a vida dos habitantes vizinhos. Mas o jovem engenheiro vai muito em breve descobrir que nem toda a gente está satisfeita com a sua empreitada. Será um ano de trabalho árduo, de sobressaltos, mas também de grandes ideais, de amizade e amor.

Para mim, o grande trunfo deste livro é a atmosfera que o autor conseguiu criar. Com descrições excelentes e pormenores interessantes, as palavras do autor levam-nos a sentir uma cidade viva, misturando cenários muito belos com outros ainda mais sombrios. A escrita do autor encaixa muito bem neste conceito, levando o leitor a saltar entre a Paris divinal e a podre e suja. A narrativa desta obra é muito apelativa, tornando a leitura em algo agradável desde o primeiro capítulo, sem nunca sentir esforço em prosseguir. A acção começa lenta, e demorei algum tempo a ficar "agarrado" ao livro, mas a escrita do autor ajudou-me a passar este problema com facilidade, principalmente porque existe, na minha opinião, um excelente equilíbrio entre descrições e diálogos, dando ao livro um ritmo constante na grande maioria das suas páginas. 

Baratte, a personagem principal, está bem conseguida mas a história ganha muito com a inclusão de várias personagens secundárias, que não só tornam a obra mais consistente, mas essencialmente mais realista. Existiram algumas personagens que apreciei bastante e só tenho pena que o autor não as tenhas explorado mais, talvez recorrendo mais ao passado das mesmas, para ajudar a sustentar melhor as suas decisões. Esta sensação é mais forte no meu caso, podendo não ser notada por outro leitor, porque essencialmente apreciei algumas personagens que são muito pouco relevantes para a história, e como tal pouco desenvolvidas.

Esta leitura é uma mistura de opostos, o que me surpreendeu. Por vezes Miller usa uma escrita bela, enaltecendo as virtudes e os feitos do homem, outras vezes é sombrio (com descrições fantásticas nestes momentos). Por vezes a leitura é excitante, por vezes é enevoada, quase sonolenta; por vezes é alegre, por vezes é depressiva. E se em alguns casos a lógica reina, noutros a superstição comanda as personagens. Toda esta mistura torna, no meu entender, o livro mais apelativo, porque existe sempre uma sensação de inquietude e de querer ser surpreendido. E acreditem, há momentos em que o autor nos consegue mesmo surpreender.

Este é um livro, que inevitavelmente nos mostra como por vezes uma pessoa é obrigada a mentalizar-se sobre o bem das suas acções, enquanto outras não conseguem parar, cegas por uma mentalidade incapaz de questionar o que os rodeia. Talvez, no fim, todos queiram apenas  ser felizes à sua maneira, com superstições, crenças, preconceitos, limitações culturais, ou simplesmente a serem felizes com a tristeza dos outros.

Mesmo tendo consciência que este livro não agradará a todos os leitores, esta obra é realmente muito boa. Os poucos pontos que posso apontar de forma negativa são o facto de desejar que algumas personagens fossem mais exploradas, e talvez uma intriga política mais visível e marcante. Existiu também um ou outro pormenor que achei forçado. Mas sinceramente, nada disto tira qualidade a esta obra. Gostei principalmente da forma do autor escrever, o que me faz querer olhar para as suas restantes obras. Se acharem a sinopse interessante, então este livro não vos irá desiludir.

8 comentários:

  1. Opinião muito interessante que me deixou curioso. A tua crítica, está optima, como sempre!

    ResponderEliminar
  2. Oh, agora é que tenho pena de não o ter ganho! A tua opinião está fantástica. Parabéns. Vou dar uma olhadela atenta a este livro.

    ResponderEliminar
  3. Dou-te os parabéns. Fizeste um texto fantástico que me convenceu.

    ResponderEliminar
  4. Não é o meu tipo de livro. Gosto mais de fantástico e policiais, mas não posso deixar de dizer que a tua opinião está ótima. Muito bem construída e sem revelar acontecimentos. Muito bom. Continua.

    ResponderEliminar
  5. Este já está na lista desde o passatempo. Adorei a tua crítica. Quando o ler digo-te a minha opinião.

    ResponderEliminar
  6. Adorei a tua opinião. És um talento!

    ResponderEliminar
  7. Li o livro e gostei bastante :)
    Concordo contigo quando dizes que não agradará todos os leitores. Eu penso que tem um publico direccionado, um publico que goste de olhar aos símbolos, às mensagens nas entre linhas. O livro, embora não pareça profundo consegue-o ser!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Paula. Ainda bem que gostaste do livro. Não ser, certamente, uma leitura que agarre todos os leitores, mas quem gostar do género, acredito que ficará muito satisfeito. E a ideia base tem uma originalidade muito agradável.

      Eliminar