terça-feira, 26 de junho de 2012

O NOME DA ROSA

Autor: Umberto Eco


Título original: Il nome della rosa


Indiscutivelmente a obra mais famosa deste autor, O Nome da Rosa é um livro lento mas viciante, conseguindo ser inteligente, acusador e forte. Com relativa facilidade, o autor consegue-nos dar uma imagem muito completa da Europa  do séc IX, principalmente sobre política, religião e filosofia, ajudando o leitor a nunca estar deslocado e a uma melhor compreensão da mentalidade das personagens.

Numa Abadia italiana, o irmão Guilherme (William) desenvolve a investigação da morte de um monge, que se tornará apenas no primeiro de muitos crimes. Este personagem principal é o grande trunfo deste livro, com uma mente perspicaz que leva o leitor a pensar. A sua forma de pensar e actuar, muito ao estilo Sherlock, tornam este livro muito interessante e o leitor cria uma ligação, querendo desvendar o crime e preocupando-se com a personagem.

A narrativa é excelente, com um bom equilíbrio entre momentos de ritmos altos e baixos, que nunca me levaram a ter de fazer um esforço para continuar. A vontade esteve sempre presente, principalmente pelo muito que nos ensina. Apenas posso dizer que a investigação de Eco para este livro foi de altíssima qualidade!
A história é muito boa, prende, com pistas dadas desde o início que o leitor não consegue captar, e o ambiente criado está perfeito. É fácil imaginar a Abadia, os olhares, os medos, a intriga, e a necessidade para muitos, que a explicação seja sobrenatural.
Existem certos momentos em que o livro exige alguma ginástica mental, para se perceber todos os pontos e personagens da história, pois a verdade é que Eco expande bastante o universo do livro com várias "lições" sobre a Europa. Aos poucos a investigação desenvolve-se e as questões levantam-se, desde a injustiça, desigualdade, até preconceitos. Independentemente do século, a loucura humana, o bem-estar pessoal e a indiferença, estarão sempre presente como rampa de lançamento para se cometerem as maiores atrocidades. E por fim reparamos que uma das maiores questões do livro é se a Igreja se deve manter rica ou pobre...

Este livro será dentro de alguns anos, se ainda não o for, um clássico. Pelo que ensina, mas principalmente porque será sempre actual, graças às questões que levanta sobre a Igreja e principalmente sobre o Homem: sendo a riqueza, a injustiça e a ambição dos temas mais vincados. somos humanos... quando é que uma história que menciona desigualdades sociais e manipulação de massas não será actual?

Seguramente um dos melhores livros dentro do género. Não esperem uma investigação com um ritmo alucinante, não, O Nome da Rosa é um livro grande e por vezes lento, mas que cativa de forma muito especial.

8 comentários:

  1. Boa opinião. Com sempre bem estruturada e fica o bichinho de ler. Estou para ler isto há muito tempo. Pode ser que ganhe o passatempo!

    ResponderEliminar
  2. Ainda me deu mais vontade de ler :) *

    ResponderEliminar
  3. Opinião muito bem conseguida. É um livro excelente e conseguiste dar-me uma nova visão sobre o livro. Continua e livro recomendado!

    ResponderEliminar
  4. Obrigada por esta excelente opinião. Era a rampa que faltava ler o livro. Vou esperar pelo resultado do passatempo para depois comprar.

    ResponderEliminar
  5. Mais uma opinião muito cativante!

    ResponderEliminar
  6. Amanhã acaba o passatempo. Boa sorte!

    ResponderEliminar
  7. Do autor li "O Pêndulo de Foucault", que gostei bastante. Já "O Nome da Rosa" aguarda na prateleira pela sua vez. ;)

    ResponderEliminar
  8. Ainda está para nascer o dia em que fazes uma opinião sem qualidade de topo. Parabéns.

    ResponderEliminar