domingo, 4 de agosto de 2013

Espaço Leitor: Cornos

 
O Espaço Leitor regressa com mais uma opinião. Como sabem, trata-se de um "espaço" onde qualquer leitor pode deixar uma opinião a um livro à sua escolha

Hoje trago-vos uma opinião escrita pelo meu amigo Luís Santos, a quem aproveito para agradecer imenso pelo seu texto.

Aproveito ainda para informar, que qualquer leitor que gostasse de ter uma opinião neste espaço, basta enviar um mail para lerycriticar@gmail.com com a sua opinião a um livro


***




Autor: Joe Hill

Título original: Horns


Este foi um dos livros que mais curiosidade tive em ler nos últimos tempos. Não só a sua sinopse é interessante como o autor, Joe Hill, é filho de um dos melhores autores de Terror e Suspense de sempre... Stephen King. Mas Joe quis fugir ao nome de família e ganhar mérito no mundo da literatura por seu próprio mérito. Para esse efeito, decidiu usar o diminutivo de Joseph e encurtar o seu segundo nome, Hillstrom, criando assim Joe Hill. 

Sendo já o 2º livro editado em Portugal de Joe Hill (sendo o primeiro "A Caixa em Forma de Coração" da editora Civilização), decidi ler "Cornos" este ano pois o filme tem data anunciada para Outubro (com Daniel Radcliffe no papel principal) e quis ver se corresponderia à expectativa que tinha do autor, depois de ler o primeiro volume da sua Graphic Novel "Locke & Key".

E a verdade é que Joe Hill não desaponta. "Cornos" conta-nos a história do jovem Ig, que um ano depois de ser considerado o único suspeito no cruel homicídio da sua namorada, Merrin, e da sua vida ter entrado numa espiral descendente, acorda um dia com cornos na cabeça e um novo talento que o levará a conhecer melhor o que as pessoas à sua volta pensam realmente de si. Uma das questões que este livro me trouxe, durante toda a sua leitura, é exactamente esta capacidade. Até que ponto queremos realmente saber o que todos pensam de nós? Quereremos que nos contem os seus mais íntimos desejos, correndo o risco de sairmos magoados e nos apercebermos que estamos sozinhos no mundo?

Hill não se poupa na linguagem (mas não chegando a um nível como o de Christopher Moore) para nos transmitir as sensações de Ig na sua evolução enquanto pessoa, explorando esta nova capacidade e tentando chegar à verdade sobre o homícidio de Merrin.
O livro começa cerca de 1 ano depois da morte de Merrin, e no dia em que Ig descobre que lhe nasceram uns cornos na cabeça, não sendo revelado muito sobre o que levou a isto, nem sobre a sua vida com Merrin. Estas revelações serão feitas ao longo de todo o livro, com Hill a introduzir o passado das personagens à medida que tal é relevante para o evoluir da narrativa, mas executando-o com tal mestria que ajuda a criar na mente do leitor uma dúvida grande quanto à verdade que Ig tanto procura. Não sendo um livro com grandes reviravoltas mas sim de descobertas, é consistente na forma como a narrativa progride, tendo um dos pontos mais fortes nos diálogos construídos, que contêm um sentido de humor um pouco negro.

Existem vários pontos positivos e que acho importante mencionar para não sentir que esta seria uma crítica incompleta. A ligação que o leitor sente à personagem principal aumenta gradualmente com o livro, e dei por mim a sentir-me como imagino que Ig se sentiria no final do livro. Este final está longe de ser fantástico e considero-o até o ponto menos bom na leitura de "Cornos". Não quero com isto dizer que é um mau final ou que o considero um "final incompleto"...apenas estava à espera de algo diferente, mas sobre o qual não me posso alongar muito sem revelar vários pormenores que fazem parte da experiência de leitura deste livro. As personagens, de forma geral, são bastante sólidas e conseguimos criar empatia com as mesmas, mas, tirando o aspecto da ligação a Ig, que já referi, gostaria de salientar que o "vilão" desta história está extremamente bem construído e, como tudo neste livro, vai-se revelando ao longo da leitura.

Como conclusão, esta foi uma leitura que me agradou bastante e Joe Hill será sem dúvida um autor do qual vou querer ler mais! Apesar de me ter sido difícil distanciar da ideia que Hill é filho de King, pois encontram-se alguns elementos que poderiam muito bem enquadrar num livro de King, Joe Hill provou estar à altura! Não esperem grandes surpresas da narrativa, mas disfrutem da viagem de descobertas que Hill e a sua personagem Ig vão proporcionando. Tenham sempre algo em mente... Isto é um livro de fantasia e, como é lógico e esperado, tem um elemento relevante de fantasia com uma componente um pouco sombria. Mas penso que já terão tirado essa mesma conclusão pelo facto de Ig ter cornos e uma habilidade especial!
E vocês? Já leram "Cornos" ou algo de Joe Hill? Se sim, que acharam?


Uma vez mais, muito obrigado ao Luís Santos por esta interessante opinião que me deixou com muita vontade de ler o livro.

11 comentários:

  1. Acho a iniciativa muito interessante desde o primeiro dia. A opinião está bastante boa e dou os parabéns ao seu autor. Este livro não conheço nem o autor mas fiquei curioso pela ideia original.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado =) A ideia foi realmente a razão principal pela qual quis ler este livro, mas depois de descobrir quem o autor era não podia deixar passar!
      Luis Santos

      Eliminar
  2. Parabéns ao Luís santos pelo texto que me deixou muito curioso e a ti por continuares a apostar neste espaço. Em relação ao livro, não o conheço nem li nada do autor apesar de já ter ouvido falar bem. Agora fiquei curioso para o ler e também em saber a tua opinião.

    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado =) Este espaço é realmente uma oportunidade fantástica para quem não tem um blog próprio mas gosta de se exprimir! Aconselho a todos mandarem uma review (ou mais) para o Luís Pinto! É gratificante poder depois ler que as pessoas gostaram (ou não) da crítica =)
      Luis Santos

      Eliminar
  3. Como grande fã que sou do Stephen King, sempre tive interesse em ler Joe Hill, mas surgia sempre um livro qualquer (muitas vezes do próprio King) que se impunha ler primeiro. Mas agora, depois da excelente crítica do grande Luís, não vou certamente perder muito mais tempo. Espero que me encha as medidas... Abraço Luís

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande Amaral, para quem gosta de Stephen King pode ser difícil ler Hill e não deixar de fazer comparações com o pai, mas ainda assim aconselho vivamente! Para ler mais King, a Bertrand começou agora a editar a maior saga dele, A Torre Negra! Ainda não li, e não sei se conseguirei ler num futuro próximo, mas o Luís Pinto já publicou a sua opinião aqui no blog!
      Abraço Amaral e até ao início da nossa época andebolística =D
      Luis Santos

      Eliminar
  4. Este livro é bom, que não existam duvidas, mas "A Caixa em Forma de Coração" é ainda melhor, mas mesmo muito melhor e como muito do que é bom passou despercebido, ainda mais do que este, infelizmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Marco,
      Concordo contigo! Só soube de "A Caixa em Forma de Coração" depois de ter procurado informações sobre que livros de Hill já estariam lançados em Portugal! E nos últimos 2 anos procurei esse livro pela Feira do Livro de Lisboa e não o consegui encontrar =|
      Já leste "Locke & Key" ? Apesar de só ter lido o primeiro volume parece-me muito bom!
      Luis Santos

      Eliminar
  5. Ois,

    Nunca li mas confesso que fiquei bastante curioso, quer pelo livro quer por o escritor ser filho de quem é, embora não atine muito com o King.

    Seja como for parabéns ao Luís (Sabicho) pelo excelente comentário, uma mais valia para este blog sem a menor duvida ;)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Fiacha! Apesar de não atinares muito com King não deixes de experimentar Hill! Se não com "Cornos" então com "A Caixa em Forma de Coração" (depois do Marco Lopes ter dito que era melhor fiquei com uma curiosidade enorme)!
      Abraço

      Eliminar
  6. Obrigado a todos pelos comentários e ao Luís Santos pelo texto e por ter respondido a todos.

    Da minha parte fiquei convencido a lê-lo, pois a ideia pareceu-me muito original. E com o Marco Lopes a a falar tão bem da "Caixa..." vou mesmo tentar ler este autor. Já sobre o grande King, apenas li um livro, O Pistoleiro e que ainda está demasiado no início da saga, e por isso é difícil recomendar, mas foi um primeiro livro que adorei. Um início brutal de saga.

    Abraços a todos!

    ResponderEliminar