quinta-feira, 14 de junho de 2018

A RESIGNAÇÃO


Autor: Luís Miguel Rocha



Sinopse: Em dezembro de 2012, Bento XVI recebeu de uma comissão de cardeais um relatório de 300 páginas sobre o mediático caso “Vatileaks”.
Dois meses depois, no dia 11 de fevereiro de 2013, evocando razões de saúde, e ciente da gravidade da sua decisão, o Papa anunciou ao mundo que resignaria ao trono de São Pedro. Não se sentia capaz, física e espiritualmente, para continuar a exercer o cargo.
Que segredos comprometedores guarda o extenso relatório? A resignação terá acontecido por razões de saúde, como o Bento XVI anunciou, ou por pressões políticas que jamais serão tornadas públicas?
Os mistérios de tão inesperada decisão serão agora revelados.



Luís Miguel Rocha, autor que nos abandonou demasiado cedo, no ano de 2015, foi um autor que mereceu todo o sucesso que teve, não só pela sua simpatia e humildade, mas também pela grande qualidade dos seus livros, que rivalizam, em termos de qualidade, com grandes escritores do seu género.

Este livro, o primeiro livro de ficção lançado após a sua morte, tem uma base muito interessante que poderão ler na sinopse. A partir daí, e com uma interessante e viciante forma de explorar toda a investigação que terá feito, LMR avança, como de costume, com inteligência num enredo que tem tudo para nos deixar agarrados. Dúvidas, conspirações, política, jogo de interesses... um bocadinho de tudo num livro bem montado e que, apesar de não ser o seu melhor, consegue ser muito bom, e um dos melhores livros que li deste género neste ano que agora vai a meio.

Gostei dos personagens principais, alguns um pouco óbvios, outros com a capacidade de me surpreenderem com decisões coerentes mas inesperadas. Pelo meio, ação e ritmo intenso, com os diálogos a serem objetivos o suficiente para não cortarem a velocidade de leitura. Claro que existem alguns momentos mais forçados, montados de forma a deixar-nos na dúvida e que em alguns casos poderiam ser sido feitos de forma diferente, mas no global este é um enredo coerente, e que desde o primeiro momento sabe para onde vai.

Globalmente este é um livro bem estruturado, bem pensado e que usa uma base vencedora. É muito fácil ficarmos viciados nestas páginas e mesmo sabendo que conseguiremos adivinhar algumas das coisas que irão acontecer nas páginas seguintes, iremos ler sem parar, esperando que a conspiração se revele, enquanto se criam novas dúvidas. Como já disse, este não é, em termos de qualidade, o melhor livro de LMR, mas se gostam dos livros do autor, então esta obra tem de estar na vossa estante. Muito viciante!

Luís Pinto


Sem comentários:

Enviar um comentário